home sobre mim sobre o blog mídia kit

Resultado da busca para navio

roteiro intensivo noronha


Da última vez que eu fui pra Noronha um amigo de mamãe, nativo de lá e que vive há mais de 50 anos na ilha, levou a gente pra um passeio intensivão. Como a gente não estava na ilha, estava no navio, o tempo era curto e a vontade de conhecer tudo era grande. O roteiro que ele fez foi tão bom e passava pelos lugares mais lindos, que fiz questão de repetir com a galera. Aqui pra nós, eu tava me sentindo a própria guia hahaha :P

Então, depois da primeira parte do passeio com Plana Sub na Praia do Porto, vista do Buraco da Raquel, Praia das Caieiras e de um pitstop providencial do Museu do Tubarão, continuamos com o roteiro.

cacimba do padrecacimba do padreCacimba do Padre

A primeira parada é a praia Cacimba do Padre. Deixa o buggy estacionado por lá, se quiser pega uma cerveja gelada e uma água pra hidratar lá no restaurante das gêmeas e desce pra praia. A Cacimba é uma praia bonita, grande mas de ondas. Terminamos sem parar pra tomar banho lá, mas vale a ida e os claques. Como é uma praia grande, ela termina ficando mais vazia e você pode até ver alguém simplesmente fazendo topless, como a gente viu dessa vez :P

Andando pra esquerda tem uma trihazinha por cima das pedras que vai dar na Baía dos Porcos. Mas, antes de chegar lá, vale dar uma subida pra ter a vista mais bonita do Morro Dois Irmãos.

morro dois irmãosmorro dois irmãosMorro Dois Irmãos (ou Fafá de Belém)

É o cartão postal mais famoso de Noronha, né? Esses morros popularmente conhecido como os peitos de Fafá de Belém são uma formação rochosa linda. Nessa época do ano eles estão mais “cabeludinhos”, porque a chuva dá uma irrigada nas plantinhas de lá. Por sinal, apesar do risco de chuva é uma época ótima pra conhecer Noronha. A ilha tá toda verdinha e cheia de vida. No verãozão pegando a ilha fica mais marrom com a vegetação queimada. Mas não menos bonita por isso :)

Saindo da vista panorâmica, hora de descer as pedras até a Baía dos Porcos.

baía dos porcosbaía dos porcosBaía dos Porcos

Eu achei uma das praias mais bonitas da ilha. Quando eu fui com mamãe eu estava sem máscara nem snorkel, mas mergulhei de olhos abertos da água e dava pra ter uma visão massa. Acreditem.

Mas dessa vez nós estávamos bem equipados então foi só entrar e começar a nadar. Ainda que eu e meu lindo estivéssemos sem pé de pato, a gente foi nadando, nadando, nadando e quando vimos estávamos super distantes contemplando um abismo azul embaixo da gente. É impressionante como é fundo e como a visibilidade alcança tudo.

Não é a praia com mais peixes nem mais tipos de vida diferentes pra ver, apesar de sim, ter várias coisas lindas pra ver. Mas a praia é muito bonita. A água é muito transparente. A vista pro Morro Dois Irmãos é encantadora. E a profundidade com alta visibilidade é encantadora. Não dá pra deixar de ir.

Então é a hora de fazer a caminhada de volta, pegar o buggy e seguir para a Praia do Sancho. Antes tinha uma trilha da Baía dos Porcos pro Sancho, que são praias vizinhas. Mas a trilha está interditada por risco de desabamento, aí tem que ir por cima de buggy mesmo.

praia do sanchopraia do sanchopraia do sanchoSancho

A Praia do Sancho foi eleita nos últimos anos como a praia mais bonita do Brasil, desbancando a hegemonia de Porto de Galinhas. Desculpa gente, mas ao chegar em qualquer praia de Fernando de Noronha eu me pergunto como Porto de Galinhas ganhou por tantos anos. Ainda mais a praia do Sancho, que é grande, linda, transparente e cheia, cheia de vida debaixo d’água.

Pra chegar no Sancho ou se vai de barco, ou precisa descer uma escadaria no meio das pedras. Quando me falaram, eu achei que era uma escadaria gigaaaante e super difícil e cansativa. Mas gente, nem é. Dá pra ir super de boa. Como é uma praia maior, tem mais ondas. Então a boa de lá é entrar no mar e sair da arrebentação, nadando um pouco mais pro fundo. Pra não acontecer o que aconteceu com Lu, tadinha, que levou uns capotes das ondas e terminou perdendo a máscara e o snorkel pra Iemanjá.

Do lado direito da praia é onde ficam as maiores belezas. Com o banco de coral formado pelas pedras, é fácil ver todo tipo de peixinho, tartaruga, arraia e até um tubarãozinho se der sorte. Tudo fica tão pertinho que dá vontade de pegar, abraçar e levar pra casa. É um verdadeiro aquário natural.

Então é aproveitar a praia, mergulhar, curtir os peixinhos e depois se organizar pra ir embora e pegar o famoso pôr do sol, que eu conto no próximo post ;)


natal: uma cidade preparada para o turismo


viagem para natalviagem para natalviagem para natalviagem para natalviagem para natalEu não conhecia Natal, e nem posso dizer que conheço muito bem agora. O navio só ficou um dia lá, e a gente tinha até o final da tarde pra voltar, ou seja, foi tudo muito corrido. Desembarcamos de manhã, pegamos um buggy e fomos para as Dunas de Genipabú. Fomos super bem recebidas pelo bugueiro, que deixou a gente nas mãos de um guia gente fina pra andar até lá em cima nas dunas e ver essa lagoa linda que mais parece um oásis no meio do deserto.

Lá a gente tirou umas fotos com umas latinhas de cerveja e refrigerante, que era pra dar aquele efeito de que a lata é gigante e nós somos miniaturas, sabe? Mas infelizmente nenhuma prestou. Mas o cara foi super prestativo em tirar as fotos e em andar com a gente por lá. Ele não cobra nada, apenas o que a gente quiser dar. Eles trabalham com uma alegria e uma humildade que é extremamente cativante. Em poucos minutos nós estávamos encantadas com o bugueiro, o guia e até o menino que vendeu água mineral pra gente. Pense num atendimento de qualidade.

Depois pegamos o buggy, demos mais umas voltas nas dunas e chegamos até a famosa descida do SkiDuna, que na minha época se chamava de SkiBunda mesmo. É o tipo de coisa que você tem que fazer, sabe? É besta mas é bem divertido, e a dica é ir com o instrutor pra aproveitar a descida até o final, se não você capota antes. Tudo bem que é meio constrangedor você se atracar atrás do cara, mas ele tá tão acostumado que não tá nem aí pra gente, o que é ótimo. Uma descida é R$5 e 3 fica por R$10. Preciso dizer que a gente foi super bem atendido por lá também? Pois fomos.

Nesse mesmo lugar tem o passeio de dromedário. Olha, eu tenho que dizer que achei uma sacanagem com os bichinhos, na boa. Eles ficam lá deitados esperando alguém subir neles, aí eles levantam com o peso dos turistas e vão sendo puxados e ainda apanham pra andar. Uma tristeza só. Além de ser supe caro, coisa de R$70 por pessoa pra andar no bicho usando um pano de pseud0-sheik na cabeça, dizem que você fica com o cheiro do bicho durante um bom tempo mesmo depois do banho. Eca. Eu passo.

Depois a gente desceu até a praia de Genipabú, passando pelo Bar 21 que é cartão postal da cidade. A maré estava cheia e o banho foi uma delícia. Era como se fosse um banho em Maracaípe, sendo que com menos ondas. E ainda assim eu quase perdi o biquíni, mas quem se importa. O banho foi super relaxante e a cerveja estava bem gelada na barraca. Tirando um tiozinho que parou com um carrinho de CD pirata tocando as últimas do brega-trash-sertanejo-whatever por lá, foi ótimo.

De lá nós fomos voltando pro navio, conversando com o bugueiro que fazia questão de explicar tudo sobre os lugares por onde a gente passava.  O passeio que a gente fez foi o mais curto, tem um que vai até as dunas de cima mas que ia ficar muito corrido e a gente queria mesmo era dar uma relaxada na praia.

E nessa hora você me pergunta: mas você mal conheceu Natal, como pode dizer que é uma cidade preparada para o turismo? Porque eu venho de Recife, me desculpem os pernambucanos. Recife é uma cidade linda, que tem história, cultura, arte, gastronomia, praias, complexo hoteleiro e tudo mais. Mas, sinceramente, eu não considero uma cidade turística. Você não é bem atendido nos lugares onde vai, é explorado, tratado como se estivesse o tempo inteiro fazendo um favor de estar ali, contemplando as belezas. Tanto que de turismo que se fala em Recife é Porto de Galinhas e Olinda, que nem Recife são. Então me desculpem conterrâneos, mas Natal dá um banho na gente.

Fomos bem atendidas em todos os lugares. É porque a galera de lá é gente boa? Pode até ser, mas eles sabem claramente o valor que tem o bom atendimento e a humildade. Eles sabem que vão conseguir mais indicações, mais reconhecimento e, claro, mais dinheiro com isso. Eles são espertos e quem se dá bem é a gente. Tão simples sair ganhando dos dois lados, né? E foi por isso que eu saí de Natal falando tão bem e com tanta vontade de voltar e conhecer mais dessa cidade que, se dúvidas, está preparada para o turismo.

Tanto que eu não podia sair de lá sem uma foto tipicamente de turista, né? Beijando o golfinho de Genipabú hahaha :)viagem para natal


cruzeiro: para comer


A comida no navio é muito boa e variada, isso não se pode negar. De manhã tem um belo buffet café da manhã em dois restaurantes. Frutas, bolos, pães, cereal, panqueca, bacon, ovo, linguiça e tudo que é digno de um café da manhã multicultural. O almoço também é no’ você-se-service’ e tem uma variedade bem legal com carne, frango, peixe, massas, saladas e uns acompanhamentos bem gostosos, além das sobremesas.

Entre o café da manhã e o almoço, e entre o almoço e um jantar, tem um lanche muito bem servido de pizzas, sanduíches e outros quitutes práticos e gordos. Eu não fotografei nenhuma dessas refeições por pura demência (ou fome), e terminei registrando só as delícias do jantar.

O jantar é a única refeição a la carte do navio, servido num restaurante bacanudo, com mesas grandes e compartilhadas com outros passageiros. Todos os dias você senta na mesma mesa e é atendido pelos mesmos garçons, o que é ótimo. Além de você sempre saber onde vai ter um lugar vago pra você no jantar, você cria uma intimidade engraçada com os garçons e eles conversam com você sobre tudo. O nosso garçon mesmo tem uma cunhada chamada Anna, que ele ODEIA, e disse que por isso jamais esqueceria o meu nome. E todo dia chegava com uma história diferente e engraçada da dita cuja pra contar.

Todos os dias o couvert é servido com uns 3 tipos de pão diferentes e manteiga, enquanto a gente escolhe. O menu são cerca de 5 opções de entrada, 5 de prato principal e mais umas 7 de sobremesa, das quais umas 4 tem sempre e umas 3 mudam a cada dia. Ah, e um detalhe: todos os dias tem uma opção vegetariana sinalizada no cardápio. Achei digno.

Você faz o pedido todo de uma vez e depois é só aguardar ser servido, bebendo espumante =P Eu não vou colocar todos os pratos aqui porque nem dá, né. Mas tentei reunir entre os meus preferidos as fotos mais legais e aqui está :)

Folheado de patê de pato de entrada. Sem dúvidas um dos mais gostosos e, pelo tamanho, podia ser um prato principal tranquilamente.

folheado de pato

 

Salmão com molho de maracujá e uma farofinha delícia. Esse foi mamãe que pediu, mas eu experimentei e apaixonei. O salmão estava delícia, bem suave, e o molho de maracujá nem se fala. Parece pequeno pra um parto principal, mas não é, acredite.

salmão ao molho de maracujá

 

Camarão grelhado com presunto cru e risoto de legumes. Também pode parecer pequeno, mas satisfaz muito bem depois dos pães e da entrada. E sabe que eu nunca tinha parado pra pensar na combinação de camarão com presunto cru? E fica uma delícia :)

camarao com presunto cru

 

Carne é sempre o que tem menos variedade para escolher, geralmente um prato por dia. O desse dia foi roast beef com esse bem delícia por cima, acompanhado de uma batata delícia e tomates secos suculentos. Muito, muito gostoso. roast beef

 

Tilápia ao molho de laranja com risoto de legumes e ervas. Um prato simples e fácil de ficar gostoso. Infelizmente a tilápia estava cheia de espinhas e deu um trabalho chato pra comer (lembra quando eu disse que não seria perfeito?) mas o molho estava tão bom que ainda assim eu fui catando e comendo, e ainda saí de lá feliz. :) tilapia ao molho de laranja

 

Pernil de carneiro. Não preciso dizer mais nada. Mamãe tem total culpa do fato de todos da mesa terem pedido a mesma coisa. Acho que ela passou essa paixão pelos “bicho que berra” pra gente ainda dentro da barriga. Eu e minha irmã adoramos bode, carneiros e afins. E essa noite não teve erro. O acompanhamento eram legumes marinados no molho do carneiro, uma delícia. Tudo bem que é muito difícil de escolher, mas acho que esse foi um forte candidato a ser meu prato principal preferido.pernil de carneiro

 

E depois de encarar couvert, entrada e prato principal, ainda tinha o pecado da gula da sobremesa. E, geralmente, era bem pecado mesmo. O tiramissu foi a sobremesa do primeiro dia e foi inesquecível. Uma delícia cremosa <3tiramissu

 

Brownie três camadas. Uma sobremesa linda e imoral. Um brownie com mais duas camadas de alguma coisa doce e deliciosa que lembrava uma mousse ou algo do tipo. E ainda vinha acompanhado desse biscoitinho enrolado fofo, chantily e uma massinha folheada com algum tipo de creme dentro. Essa é aquela delícia que enche os olhos e que vai direto para os pneus hahaha :Pbrownie tres camadasE assim se deram nossos dias de rainha. Comendo muito, bebendo muito e engordando muito também hahaha =P Tudo bem que nas refeições que eram buffet eu estava bem controlada e saudável. Mas de noite, com essa apresentação linda, eu tinha que mandar pra dentro. Sempre.

Então se o bar está aberto, o restaurante também está. É só entrar e ficar à vontade :)


cruzeiro: para beber


para beber no cruzeiropara beber no cruzeiroOpen Bar. É isso que define o tal “all inclusive” ou não é? Pois bem. Se o bar está aberto, a gente bebe. Quando chegamos ao navio uma das primeiras coisas que a gente fez foi o “ship tour”, para conhecer melhor o nosso hotel sobre as ondas. E claro que o primeiro assunto foi o enjôo em alto mar. O mocinho lá deu duas dicas: 1. Para evitar enjôo manere nos líquidos, coma pão e maçã. 2. Ou aproveita o navio, bebe todas e acompanha o balanço que você nem vai sentir. Adivinhem só qual das dicas eu fui seguir? =P

Para resumir a rotina de bebidas do dia, eu tomava muita água (Sou aguólotra, gente. Viciada mesmo.) e também uns sucos que tinham nas máquinas, tipo máquina de refrigerante. No café da manhã era suco e iogurte. Passou o café, cerveja né gente? Quem se importa. Geladinha na hora. Passava o dia na praia ou tomando sol pelo navio, e tomando cerveja. Então chegava a hora do almoço, voltava pro suco e, entre uma coisa e outra, outra cerveja.

Até que chegava a hora do jantar, a única refeição a la carte do navio. Se eu gostasse de vinho, seria essa minha opção. Mas como essa ainda é uma meta para 2012, eu e mamãe sempre íamos de espumante. Esse espanhol Juame Serra é bem bom, viu? Super indico. E assim iam 3, ou 4 ou 5 taças de espumante durante o jantar. O nosso querido garçon nem perdia mais tempo perguntando. A gente sentava e ele trazia logo a água, a cesta de pão e o espumante =P

Mas depois do jantar é que a noite começa, né? E era quando começava a minha experiência de drinques. Sério, gente. Eu sempre quis ter um bar completo em casa, com vários tipos de bebida, formatos de copo, ingredientes e utensílios pra fazer milium drinques. Acho que vou colocar como meta para 2012 também =P

Então enquanto minha irmã dizia “eita que é hoje que Anna vai mijar o arco-íris completo”, eu ia experimentando.

O Kir Cava (Espumante, Creme de Cassis e uma cereja) é gostoso pra fazer o intercâmbio entre o espumante do jantar e o próximo drinque. Ele fica muito doce se exagerar no Cassis, mas ainda assim é gostoso.

para beber no cruzeiro

Aqui pra nós, o Blood Marry (Vodka, Suco de Tomate, Tabasco, Sal e Pimenta) foi o pior drinque que eu já bebi. Onde já se viu drinque salgado, gente? Eu achava melhor colocar vodka na sopa e beber de colher do que colocar pimenta e sal no meu copo e pedir pra beber de canudinho, na boa. Próximo.

para beber no cruzeiro

Costa Azul (Vodka, Blue Curaçao e Suco de Limão), nada mais ideal para o navio. Uma vez eu li em algum lugar que dizia “mar de listerine”, e acho que isso pode definir um pouco do que é o alto mar na costa do nordeste (porque não sei se é assim em outros lugares que não conheci AINDA, né?). É um azul tão azul, mas tão azul, que eu não saberia explicar melhor do que esse drinque pode mostrar. Gostoso, suave e não enjoativo, ele ficou em terceiro lugar na minha listinha pessoal. =)para beber no navio

Kamikaze (Vodka, Triple Sec e Rose’s Lime Juice). Quem teve medo do nome do drinque levanta a mão \o/ E pode ter medo mesmo, se for pra ficar a noite toda só com ele. Ele é mais forte, afinal, é vodka com licor e licor. Mas o bom é que ele não é muito doce nem enjoado, então super vale pra tomar entre um drinque colorido e outro. Ficou em segundo no ranking.para beber no cruzeiro

Ah, o Tequila Sunrise <3 (Tequila, Suco de Laranja e Groselha). Esse foi o meu drinque da viagem. Não sei se por lembrar as cores do Sex On The Beach, que eu tanto amei, ou porque ele é ótimo mesmo. É até meio enjoativo, mas é só pedir pro barman (ah, o barman <3) moderar na groselha que fica tudo certo. Ele é bem tropical, lindo, colorido, gostoso e, bem, é tequila né, gente? Precioso dizer mais alguma coisa? =)
para beber no cruzeiroE assim, entre uma cor e outra, um sabor e outro, que eu fui experimentado o acro-íris inteiro. Não experimentei o cardápio todo, mas além desses provei o Piña Colada (Rum, Abacaxi Colada Mix e Suco de Abacaxi) que é uma das coisas mais enjoativas que eu já provei. Acho que tenho que voltar ao navio e pedir mais alguns bons drink. Quem concorda? \o/



© 2019 - ideias de fim de semana