quero morar nos escritórios da pereira & o’dell

Faz tempo que eu não posto um ambiente de trabalho inspirador, né? E aproveitando que é quarta-feira, aquele momento da semana que parece estar mais longe do fim de semana do que a própria segunda, trago aqui um lugar onde acho que faria todo dia parecer um sábado. É, eu queria morar aí. A Pereira & O’Dell tem escritórios em São Paulo, Rio de Janeiro, Nova Iorque e São Francisco, e o blog Desire to Inspire trouxe os dois escritórios gringos pra mostrar como são lindos.

Primeiro, o de Nova Iorque.PereiraOdell_ PereiraOdell_ PereiraOdell_ PereiraOdell_Lindo demais, né? A mistura de estilos deixa com cara de casa mesmo. Onde a pessoa vai misturando o que gosta sem se preocupar em manter um padrão. Aí tem esse Q rústico que abraça, junto com um monte de coisas modernas e que combinam tão bem. É o tipo de lugar que eu moraria, sem dúvidas. E o escritório de São Francisco também é lindo e segue uma identidade de design de interiores. Parece até ser o mesmo ambiente, né? Valorizei.escritorio para morar sf 2 escritorio para morar sf 1 escritorio para morar sf 3 escritorio para morar sf 5 escritorio para morar sf 4 escritorio para morar sf 6Essa parede de armários industriais coloridos eu vou guardar pra mim. Quero ter uma dessa um dia. Imagina na cozinha? No escritório da casa? Se tiver umas portas mais altas dá até pra pensar em guarda-roupa de verdade. Amei.

E aí, gostaram da inspiração? Se quiserem ver outros escritórios que já pintaram por aqui, dá uma olhada na tag corporativo.

couro e cangaço viram coleção de móveis

moveis cangaço moveis cangaço 2 moveis cangaço 3 moveis cangaço 4 moveis cangaço 5 moveis cangaço 6 moveis cangaço 7 moveis cangaço 8 moveis cangaço 10 moveis cangaço 11 moveis cangaço 12A lida dos cangaceiros com o couro é incrível e me encanta há muito tempo. Desde que pude acompanhar de perto a produção do livro Encourados, de Geyson Magno (fotos) e Adriana Victor (texto), que me impressiona esse trabalho tão delicado e forte ao mesmo tempo. Esse tema também chamou a atenção dos irmãos Fernando e Humerto Campana, designers de móveis. Na verdade, acho que dizer que eles fazem design de móveis é limitar um pouco a obra desses dois irmãos. Eles reinventam materiais, histórias, criatividade, e tudo isso resulta num trabalho de fabricação único.

E para a nova coleção dos Campanas, a inspiração veio do couro ornamentado do Nordeste e da palha trançada européia. Então, da parceria dos irmãos com Espedito Seleiro, nasceu a coleção Cangaço. Espedito é filho, neto e bisneto de seleiros, e trabalha com couro desde os seus 8 anos de idade. Hoje, com 75, é o principal nome em artesanato de couro no Brasil. Ele tem sua loja e oficina na Chapada do Araripe, Ceará, e vende selas, vestuário, acessórios e mobiliário com o melhor do couro trabalhado.

Não precisou de muito mais para que os irmãos tivessem a ideia de integrar a arte de Seleiro com o seu mobiliário. “Nosso primeiro contato com a produção do seu Espedito foi por meio da ArteSol. Fiquei encantado com o universo de cores, texturas e materiais e pensei que seria ótimo se pudéssemos criar um trabalho em conjunto, no qual fizéssemos um suporte para a obra dele e ele pudesse se expressar através dos nossos objetos”, conta Humberto. “Ele nos deu a liberdade de escolher quais objetos ele iria trabalhar e nós lhe demos a liberdade de eleger os temas. Nós não tocamos no vocabulário de ícones e formas que ele já tem”, completa Fernando.

A prévia desse trabalho podemos ver aqui nessas fotos da Casa Vogue e a coleção completa será apresentada na Firma Casa, em São Paulo, ainda esse mês.

Lindo demais, né? :)

sobre desapego

Falar de desapego é muito mais fácil do que praticar. Até me arriscaria a dizer que isso é uma coisa bem de brasileiro. Acho que muito por conta dos momentos econômicos que vivemos no nosso país, somos doutrinados a nos apegar a muita coisa. Parcelamos o sonho da casa própria em 30 anos, compramos carro, guardamos dinheiro na poupança. Mas, muito além do apego ao que é material, nos vemos apegados a uma série de coisas na vida.

Muitas vezes nos apegamos mais a rotina do que ao prazer de fazer as coisas, e quando vemos estamos no automático. É aquela história de que as coisas acontecem onde a sua zona de conforto acaba. E o que é a zona de conforto se não uma piscina cheia de apego, numa temperatura quentinha onde a gente fica seguro dentro? Seguro não quer dizer feliz. Seguro não quer dizer satisfeito. Seguro quer dizer, entre outras coisas, apegado. Firme e forte.

E a segurança é o porto do apego, e o apego está a um passo da cegueira. Porque quem está apegado demais não arrisca, não experimenta, não tenta, não erra e aprende com o erro. E isso é em todas as áreas da nossa vida. Nos apegamos aos empregos que nos pagam no dia 30 mas que nos mantém o restante do mês nos questionando se é isso que queremos da vida. Nos apegamos a um bairro ou a uma cidade porque sabemos onde comprar o pão ou tomar uma cerveja, porque nos sentimos seguros. Nos apegamos a relacionamentos que não nos dão mais frio na barriga, mas que aquecem o travesseiro de vez em quando. Nos apegamos, nos acostumamos, nos anulamos.

O apego é o conforto que incomoda. Ou que deveria incomodar.

E praticar o desapego é bom demais, até a sua pele fica melhor. :) Mesmo que sejam em pequenas doses, em pequenos atos, em pequenas coisas. Dar uma revirada no guarda-roupa, nas gavetas, nos arquivos do computador. Dar uma repensada nos relacionamentos, nas amizades. Ver onde quer chegar daqui a 5 anos e o que fazer pra alcançar. Rever seu plano de carreira, de viagens, de investimentos.

Rever, repensar, retraçar. Esse é o primeiro passo pra sair da zona de conforto e desapegar da segurança. Eu tenho feito muito isso e colocado muita coisa na balança, e uma das coisas que eu fiz foi cortar o cabelo. Sempre tão grande, batendo na cintura. Final do ano passado já dei uma boa cortada, mas agora foi de vez, pra marcar mesmo um novo momento. Porque pequenas coisas surtem grandes efeitos. E se a gente pode desapegar do que vemos no espelho todos os dias, o resto é fichinha.desapega

Boa sorte pra gente. :)

receita de ceviche

receita de ceviche 8Eu nunca tinha comido ceviche, até começar a namorar com Victor. Não sei se era o medo da cebola crua, do coentro, do limão… Só sei que na real não era um prato que me atraia, sabe? Sempre tinha algo que chamava mais minha atenção. Mas ainda bem que eu quebrei a barreira do preconceito e experimentei. E me apaixonei. E agora tenho desejo de ceviche. E posso dizer que meu namorado faz o melhor ceviche do mundo, e é por isso que a receita daqui é dele. Eu fico de mera assistente, cortando verduras, fazendo drinks e mantendo o copo do chef cheio. E o resultado é incrível.receita de ceviche receita de ceviche 13 receita de ceviche 11 receita de ceviche 10 receita de ceviche 12 receita de ceviche 9Eu não sou muito de medidas certinhas nas receitas, mas se o moço passou assim é melhor seguir pra não ter erro. Ele disse que só presta quando está colorido, e fez questão de anotar as cores pra legenda. Acho que é pra acessibilidade em casos de daltonismo. :P Ah, e vou manter escrito como ele mandou, com seus ~pluraus informaus~ peculiares :P Anota:

10 limães (verde)

1/2 lata de mío (amarelo)

1 buquê de coentros (verde)

1/2 pimentão vermelho (vermelho)

1/2 pimentão amarelo (amarelo)

2 cebolas roxas médias (roxo)

1 pimenta-chifre-de-veado (vermelha)

2 kg de filé de linguado (branco)

1 kg de filé salmão 1kg (laranja)

400 gr camarães (laranja e branco!)

Ah, e o passo a passo também é em listinha, se liga:

1. Comece cortando os peixes do jeito que tá na foto.

2. Junte o suco de aproximadamente 10 limães, até o peixe ficar submerso. Cobre com papel filme e bota na geladeira.

3. Eu (ele, Victor, no caso hehe) gosto de deixar um tempo bom na geladeira.. Uns 40 minutos. Tem gente que tira antes disso. É bom de vez em quando provar a textura do peixe.

4. Enquanto o peixe tá no limão, comece a cortar as verduras. Tudo muito miudinho, com excessão da cebola roxa, que você deve cortar em meia-lua.

5. Cortou? Marinou? Comece a juntar tudo, num grande bacanal colorido, provando sempre.

6. Antes de servir é bom escorrer boa parte do suco de limão.

Sirva com Doritos sem gosto (embalagem preta) e/ou acelga e/ou alface e/ou puro mesmo. E lembre de adicionar pimenta do reino, azeite e sal à gosto na hora de comer.

receita de ceviche 3Ah, o moço esqueceu de uma das minhas partes preferidas: purê de batata doce. A batata doce é o acompanhamento certo certo do ceviche (eu ia dizer que “é batata”, mas vou poupar vocês do trocadalho chulo num post tão phyno). Já fizemos outras vezes com chips de batata doce, e também já comemos com ela cozida em cubos. Mas eu gosto mesmo é desse purê, pra passar na acelga, preencher ela com o ceviche e comer com a mão fazendo a maior sujeira. Amor demais. E como aqui sou eu falando da receita, não tem medida certa. Mas também é purê, né? Cozinha a batata doce, amassa, mistura com manteiga e leite, acerta o sal e pronto. Eu gosto de uma pitada leve de noz moscada, mas tem que ser leve já que os sabores do ceviche são muito delicados.receita de ceviche 7 receita de ceviche 6 receita de ceviche 5 receita de ceviche 4Viu que o coentro tá separado? É porque eu não gosto, então ele deixa de fora pra mim. É amor. Tá vendo que o camarão tá separado? É que Nara, roomie dele, tem alergia a camarão, então ele deixa de fora pra ela. É amor. Tá vendo como tá lindo e serve bem 8 amigos felizes? É amor de muito. Então essa é uma dica maravilhosa pra receber a galera em casa pra jantar e bebeircar. É leve, dá pra comer bebendo sem empachar e eu já disse que é delicioso? :)receita de ceviche 2Ah, e pra acompanhar fiz mojitos, que já postei a receita aqui. É um drink leve e refrescante, a cara do ceviche. E nessa noite também servi a versão “mojito brasileiro”, que é com cachaça. Mas nesse caso eu preferi sem a água saborizada, o que transforma ele numa caipirinha com hortelã :P

Meu bem, muito obrigada pela receita, pelas fotos, pelo jantar. Você é demais.

Página 7 de 245« Primeira...45678910...203040...Última »