Warning: Illegal offset type in isset or empty in /home/ideiasde/public_html/wp-includes/post.php on line 825
boteco | ideias de fim de semana
Warning: Illegal offset type in isset or empty in /home/ideiasde/public_html/wp-includes/post.php on line 825

Tag Archives: boteco

culinária de botequim no bar do chinelato

bar do chinelato bar do chinelato bar do chinelato bar do chinelato bar do chinelato bar do chinelato bar do chinelato bar do chinelato bar do chinelato Se tem uma coisa que eu herdei de pai e mãe, é a paixão por boteco. Que me desculpe os restaurantes phynos como o Oca Gourmet que eu postei aqui essa semana, eles também tem seu valor. Mas, aqui pra nós, eu sou de pé de calçada mesmo. Gente, adoro aqueles bares pequenos, com cadeira de plástico na calçada, sabe? Aqueles que a gente conhece o dono, chama o garçom pelo nome e quando passa muito tempo sem aparecer todos perguntam “tá sumido?”. Adoro aqueles botecos que tem uma comida própria, aquela que você vai até lá atrás dela, e quando come fica realizado. E que a melhor ~harmonização~ de tudo é com uma cerveja gelada ou com uma cachacinha pra rebater. Pronto, se você me perguntar qual é meu tipo de bar preferido eu diria que é assim.

E esse Bar do Chinelato consegue reunir todas essas opções acima. Ele é o bar de um amigo de papai, tio Valdir, e fica lá em Juiz de Fora. Por sinal, Juiz de Fora consegue reunir os melhores botecos que eu já frequentei. Acho que tem uma parcela de apego emocional e familiar nessa minha preferência, claro. Mas ainda quero trazer aqui algumas fotos do Futrica e do Bar do Léo, só pra começar. :)

O Bar do Chinelato tem uma história bem legal, já mudou de ponto algumas vezes e hoje ele é nessa esquina aí. Começou com o pai de tia Tânia, esposa de tio Valdir, que se chamava Chinelato, dando o nome pro bar. Hoje é Tânia que faz todas as comidas do bar, e olha… QUE COMIDAS. Gente, é um lugar onde tudo é gosto, sério. O slogan de “a melhor culinária de botequim” não é mentira não. Já tinha ido lá outras vezes e provado outros pratos, mas dessa vez só pedimos dois.

A moelinha é uma delícia. E olhe que eu sou criteriosa quanto a moela, viu? Aqui em Recife tem o Bar da Buchadinha que serve a melhor moela que eu já comi na vida, então não me encanto com qualquer miúdo. Essa é diferente da que eu sou acostumada, tem mais alho, cebolinha e rodelas de cebola. O tempero é ótimo. Devidamente servida com um pãozinho francês cortado, quando você menos espera chega mais pão. E mais pão. E eles só param de colocar pão na mesa quando todo molhinho foi rapado do prato. É o certo, né? Eu, apaixonada por pimenta, fui experimentar a pimenta da casa. Prudente que sou, coloquei só um pouquinho no pão que ia receber a moela por cima. Gente, apenas cuidado. Quando vocês virem uma pimenta que tem esse canudinho pra servir é um sinal de alerta. QUE PIMENTA FORTE. Deliciosa, mas muito forte. Dessas que você tem que espalhar muito pra ela ser tempero e não só dor, sabe? Pronto. Fica o alerta. :P

E pra finalizar nós pedimos o petisco premiado da casa nessas premiações de comidas de boteco. É um bolinho de linguiça recheado com catupiry. Ele é servido com molho de mostarda e mel e acompanha batatas fritas com queijo. Gente, que delícia. Dá vontade de ir comendo, e comendo. A pausa é só pro gole na cerveja gelada que combina que é uma maravilha. Mas definitivamente foi o melhor petisco que já comi por lá.

E aproveitando que hoje é sexta-feira, fica aí a inspiração pra entrar no fim de semana com o pé no botequim mais próximo! hahaha :) Bom fim de semana, gente. :D

boteco belmonte e cervejaria devassa

Boteco Belmonteboteco belmonteboteco belmonteboteco belmonteboteco belmonteboteco belmonteboteco belmonteCervejaria DevassadevassadevassadevassadevassaNa tentativa de definir a nossa ida ao Rio, eu diria que foi mais etílica do que turística, se é que vocês me entendem. Manoel não estava afim de ir pra nenhum desses lugares turísticos, ver nada turístico. O que por um lado foi bom, já que estávamos por lá na semana entre Natal e ano novo, ou seja, a semana mais lotada do ano inteiro, penso eu. Então hospedados em Botafogo e com a dura tarefa de conhecer bares legais, ficamos muito no eixo Botafogo, Ipanema, Copacabana e arredores. E como nesses tais arredores o que não falta é um bom boteco, a gente estava bem servido.

Vou pedir desculpas pelas fotos mal tiradas, mas a verdade é que, entre um chopp e outro, eu mal me lembrava de tirar fotos. Mas deu pra registrar um pouco dos bares que a gente mais frequentou em 5 dias de solo carioca: Boteco Belmonte e Cervejaria Devassa. Sem contar com o Boteco Colarinho, que nós fomos TODOS OS DIAS (sem brincadeira) e terminamos sempre deixando a foto pra depois e puft. Ficamos sem foto do nosso boteco preferido de lá, pertinho de casa, com uma super carta de cervejas e chopps diferentes e bacanas. Mas fica como missão para a próxima ida, né? Ah, também terminei sem fotos do Botequim Informal, que demoramos horrores para achar. Ele está mudando de nome para Garrafeiro Informal e passou por uma reforma agora, aí muita gente não sabe dizer onde fica. Mas tem uma boa carta de cervejas também, e o caldinho de lá é uma ótima pedida.

Então aqui estão duas indicações bem básicas e clichês pra quem vai ao Rio, mas que mereciam a minha homenagem. O Boteco Belmonte e o seu inigualável pastel de camarão com catupiry. Sério, não tem igual. Todo bar no Rio se você perguntar qual é o petisco da casa, sempre é o tal de pastel de camarão com catupiry. Eu comi vários todos os dias, mas nenhum é nem perto do pastel do Belmonte. Anota aí. Aí se quiser dar uma variada, se joga na empada aberta que também é sensacional.

A Cervejaria Devassa também é outro lugar bem bacana. Ambiente legal, o cardápio mais lindo que eu já vi na vida, chopp de todas as Devassas (chopp da Índia é amor, tá?) e uma comidinha bem boa. Pedimos uma costelinha com onion rings que tava bem honesta, mas as vedetes são as cervejas sem dúvidas. Ah, outro dia também pedimos um “fish maria”, que nada mais é do que iscas de frango bem gostosas, também são uma ótima pedida e uma boa opção pra fugir dos pastéis de camarão com catupiry hahaha :P

Tanto o Belmonte quanto a Devassa tem em vários lugares diferentes da cidade, principalmente nesse eixo da zona sul que eu falei. É bom que dá pra ir e vir de metrô, ônibus e até a pé se a disposição estiver em alta. E sim, vale ir nos dois no mesmo dia, e se tiver metade do pique meu e de Manoel pra barzinho, você ainda consegue conhecer mais alguns. :)

Ficam as indicações para quem vai ao Rio: Boteco Belmonte, Cervejaria Devassa, Garrafeiro Informal e Boteco Colarinho. :)

confraria dos chifrudos

confraria dos chifrudosconfraria dos chifrudosconfraria dos chifrudosconfraria dos chifrudosconfraria dos chifrudosconfraria dos chifrudosconfraria dos chifrudosDepois do post de ontem sobre o Mercado da Madalena, terminou parecendo que eu só achei defeito por lá, né? Mas tem muita coisa bacana e linda :) Tudo bem que a parte dos bichinhos meio que mancha a imagem de lá, mas dá pra aproveitar e, vamos combinar, que ter um mercado do lado de casa é uma bênção. Então, se tem, vamos aproveitar o que tem de bom :D

E eu posso garantir que a tal Confraria dos Chifrudos é o que tem de ótimo lá. Gente, eu já disse o quanto eu adoro boteco, pega bebo, pé sujo e essas coisas, né? Me sinto muito melhor num lugar desse do que num bariznho da moda chique e arrumado. Eu gosto mesmo disso aí que tem nas fotos. Um lugar pequeno, temático, decorado com o que tem de melhor e mais barato, com cerveja gelada, comida da boa e história pra contar.

Quando chegamos lá o lugar estava bem movimentado. Passava um pouco das 11h e as pessoas estavam começando a chegar. E homens, praticamente só homens. Desses que parecem clientes fiéis da casa, que já tem 40 anos de história no Mercado da Madalena. Homens que vão pra lá se reunir, ver um futebol na tevê pequena, tomar uma cerva e degustar um tira-gosto. E que, principalmente, não estão nem aí em serem chamados de “cornos”. Ou porque são e assumem, ou porque têm tanta certeza que não são, que não deixam de aproveitar o lugar pelo título que levam. Se bem que por mais tiração de onda que tenha por lá, ninguém é tachado de corno, né. Tudo faz parte da poesia do lugar.

Ao chegar, claramente visitando o lugar pela primeira vez e com uma câmera na mão, eu e meu lindo fomos recebidos com sorrisos pelo sr. Fernando, o dono do lugar. Ele ofereceu o chapéu de chifres pra Manoel e ainda o cornofone, um danado de um celular tijolão de flip daqueles super antigos, enfiados dentro de um chifre desses enormes. Enfim, a brincadeira já fica armada pra quem vai pela primeira vez. E ele manda ler a placa que diz que corno tudo que ver quer ler, e manda tocar o sino que diz que quem é corno toca, e por aí vai. Convidada pra entrar no barzinho apertado para conhecer e fotografar, fiquei logo encantada com a simpatia das pessoas.

E, aqui pra nós, é isso que realmente me anima para ficar e voltar a um lugar. A simpatia das pessoas que estão lá. Não apenas as que servem, mas as que frequentam. A gente pode não trocar uma palavra com elas, mas dá pra ver que, no fundo, são pessoas que estão ali pra relaxar, se divertir e aproveitar o lugar. E foi isso que a gente fez. Sentou na mesa pediu uma gelada e um tira-gosto.

Pra ser ainda mais roots, meu lindo preparou o seu “cafezinho”, misturando Conhaque de Alcatrão com limão e mel, e dividindo comigo de aperitivo, entre um gole na cerveja e uma garfada na galinha guisada. Que, por sinal, estava uma delícia. Podia ser servida com cuscuz ou macaxeira, mas a gente só queria ela pura mesmo pra dar uma mastigada. Macia e com um tempero gostoso, desses caseiros, sem exageros. Delícia.

Depois disso, e de mais algumas cervejas “mofadas” de geladas, a gente pediu um cupim que, sinceramente, não precisava de faca pra nada. Tão macio e suculento que, assim como um bom filé, podia ser comido de colher sem grandes esforços. O que ainda iria facilitar na hora de fazer um cimentinho do molho com farinha ;) E também estava uma delícia.

Então essa foi a grande alegria do Mercado da Madalena. Achar um bar simpático, divertido, com cerveja gelada e comida da boa. Tão pertinho, tão fácil, que eu tô é com medo de ser obrigada a frequentar constantemente :P Então, quem for ao marcado não deixe de ir na Confraria dos Chifrudos porque, sendo corno ou não, vale a pena conhecer :D

confraria dos chifrudos

mercado da madalena

mercado da madalenamercado da madalenamercado da madalenamercado da madalenamercado da madalenamercado da madalenamercado da madalenamercado da madalenamercado da madalenaQuem acompanha o blog sabe que eu estive de mudança no começo do ano, né. E a mudança foi da Zona Sul para a Zona Norte, que é bem brusca pra mim. Nascida e criada na praia, e com a bússola interna desregulada de fábrica, eu saí de onde eu conseguia me localizar pela praia, para um lugar que eu me perco ao atravessar a rua de casa. Mas eu vim com vontade de gostar do lado de cá e, tirando a saudade do mar, eu tenho gostado cada dia mais. Apesar das ruas serem estranhas, mudarem de nome, fazerem curvas e os bairros se engalfinharem, aos poucos eu estou me tornando mais local na área :)

Uma coisa que eu acho bacana da Zona Norte é que aqui tem mais mercados, mais praças e a rua parece que é mais feita para as pessoas andarem, sabe? Dá pra ter mais coisas ao redor de casa e não precisar tirar o carro da garagem nem no fim de semana. No máximo, 10 ou 15 reais de taxi te levam pra onde você quer chegar. E, entre uma andança e outra pelos arredores de casa, resolvi ir com a câmera para o Mercado da Madalena, e aqui está o resultado :)

Desde que começamos a sair juntos, eu e meu lindo ficamos de fazer um roteiro de mercados e botecos do Recife, tomando cerveja e experimentando tira-gostos por aí. Já cumprimos alguns, mas terminamos sem levar esse projeto muito pra frente. Terminou que sábado estávamos de bobeira e o destino foi o Mercado da Madalena, a alguns metros de casa. Engraçado que eu conhecia mais o outro lado do mercado, onde ficam os boxes de comida e tal. Acho que só tinha passado no mercado propriamente dito uma vez, pra atravessar pro outro lado :P Mas foi massa dar uma andada e olhar as coisas com calma.

Achei uma barraca de cachaças muito legal que, por coincidência, divide o box com uma lojinha de doces. Acho que é pra você encher a cara em uma e tomar a glicose na outra :P Achei lugares pra comprar queijo coalho, chaque, frutas e verduras. Só me faltou dinheiro na hora pra levar e experimentar. O engraçado é que, além dos boxes que ficam do outro lado e que só tem comida e bebida mesmo, tipo a praça de alimentação, os boxes que são lojinhas se misturam com uns que são botecos, um do lado do outro. É um vendendo sandálias de couro de um lado, um Pitú com feijoada do outro, e outro vendendo bichos.

Sim, chegamos a parte triste do mercado… Ao menos pra mim é triste.

mercado da madalenamercado da madalena

Eu acho que mais da metade do Mercado da Madalena é de bichos :( Tem até um mercado separado do outro lado que é o Mercado dos Pássaros, onde eu nem quis pisar. Mas andando pelas ruelinhas era o que mais tinha. Lojas e mais lojas de bichos. Peixes, cachorros e pássaros, muitos pássaros. Eu sou do movimento gaiolas sem pássaros, sabe? Mesmo sabendo que esses são criados em cativeiro, que se soltar eles morrem e isso e aquilo outro. Mas não gente, eu não consigo. Acho uma maldade o bichinho preso na gaiola, por mais que muita gente concorde quando Santanna diz que “prefiro bem te ver mais preso dentro da gaiola, do que marca de chubo bem na tua gola, é menos um bichinho pra poder cantar”. Então podem acreditar que foi uma tristeza passar vendo esses bichos.

Esses foram só alguns pássaros que eu fotografei, os que me chamaram mais atenção. Segundo o moço lá, eles podem ser criados porque não são da fauna brasileira (oi? o que foi que eu perdi?), são todos australianos (só pra mim isso não faz sentido?). E quando eu perguntei o preço da cacatua, aquela branca lá de cima que parece grande demais pra pequena gaiola onde ela está enfiada, o cara me respondeu R$25.000,00. GENTE. Que tipo de pessoa paga 25 mil dinheirinhos pra ter um bicho lindo desse preso numa gaiola? Olhem, me desculpem a ignorância no assunto, mas acho uma atrocidade. A verdade é essa.

E os cachorrinhos? Gente, eu tinha vontade de abrir a gaiola e colocar todos debaixo do braço. Levar todo mundo pra fazer companhia pra Chica, sério. Eles não pareceram mal tratados não, sabe… Mas essa carinha deles de tipo “me leva, por favor?” é de partir o coração… E engaiolados, não parece nada confortável. Tive vontade de beijar e abraçar todos, um por um, e cochichar no ouvido deles que em breve alguém vem pra levar eles pra casa. E que eles vão ser amados e cuidados. Ao menos é isso que eu desejo pra eles.

Mas há quem compre e há quem cuide, né. Seja dos pássaros, dos ratos, dos peixes ou dos cachorros. Eu prefiro pensar que cada animalzinho do mercado vai encontrar alguém pra fazê-los feliz.

E, no final das contas, a visita ao Mercado da Madalena foi massa. E a malhor parte dela vocês vão ver no próximo post :D Confraria dos Chifrudos, história, cerveja gelada e um ótimo tira-gosto. Aguardem ;)

 

Página 1 de 212