home sobre mim sobre o blog mídia kit

Todos os posts sobre carne moída

marmita do dia: rocambole de carne moída


Eu digo que esse é o coringão das marmitas. É a coisa mais simples do mundo, e depois dele ninguém pode dizer que não sabe cozinhar. Não querer é beeem diferente de não saber ;) Esse rocambole é para aquele dia que você quer algo rápido, simples (como eu quero todos os dias), ou que você quer fazer para congelar e comer depois. Muitas vezes faço porções individuais dele, congelo e como durante a semana. É a praticidade em forma de rocambole :P

Algumas pessoas me pediram para fazer mais passo-a-passo das receitas, mas as minhas são sempre tão simples que dá até dó. Mas para mostrar que é simples mesmo, tá aí os detalhes do coringão. Primeiro você pega aquela carne moída de primeira, com menos gordura, e coloca numa bacia, aí é acreditar nos temperos. Antes, quando eu realmente não sabia fazer nada na cozinha, eu temperava a carne só com um pacote de sopa de cebola em pó e pronto. Mas quando comecei o meu processo de desintoxicação na cozinha, tirando todos esses temperos prontos, descobri como a sopa de cebola deixava o rocambole enjoativo.

Então eu joguei na bacia uma cebola ralada, sal, sal defumado, pimenta preta, salsa, canela, orégano e um pouco de aveia pra dar uma liga, mas você pode fazer com o que tiver em casa :) Depois de colocar a mão na massa e deixar a carne bem homogênea, é abrir para enrolar. Para rocamboles maiores, e que vão ser assados na hora, eu recomendo abrir num papel manteiga. Para rocamboles menores, porções diárias, para assar no outro dia ou para congelar, sugiro o papel filme, como eu fiz. Abri numa superfície que ele conseguisse aderir. O ideal era a minha falecida mesa de vidro, mas funcionou no tampo de granito. Aí é abrir a “massa” e preparar o recheio, que mais uma vez é com o que tiver em casa. Fiz muitas vezes com queijo, persunto e orégano, que minha irmã adora, mas o de hoje levou cenoura cozida no vapor e queijo mussarela com orégano povilhado. Aí é só enrolar, o que não dá pra descrever detalhadamente. Mas o que eu posso dizer é que você levanta a ponta que vai começar a enrolar, e com a ponta dos dedos amassa quando completar uma volta. Então é ir soltando do plástico/papel e ir enrolando e amassando de leve, só pra compactar.

Dica: Se for assar só no outro dia, como é o caso desse rocambole que fiz pra Paolo almoçar com nossa diarista, eu aconselho deixar ele cru, enrolado no plástico filme, para apurar o tempero. O meu, esse pequeno e pronto da foto, eu assei hoje mesmo, porque depois da foto ele pulou direto pra minha marmita :)

Aí é a parte mais difícil, que é colocar em forno pré-aquecido, coberto com papel alumínio e esperar :P O tempo varia de acordo com o tamanho do rocambole, mas sugiro colocar primeiro com o papel alumínio, e depois tirar para ele dourar. Difícil, né? O de hoje acompanha um arrozinho do marido, salada e uma batata de forno igualmente difícil de fazer :P Cortei as rodelas, joguei um molho branco por cima e priu, forno.

Agora por favor, não vai dizer por aí que só sabe fazer ovo frito, tá? :)


beringela pra quem não gosta de beringela


Vou começar o post como a maioria dos posts sobre beringela começa. Beringela ou berinjela? Os dois estão certos. Sim, os dois. Então pode escrever como quiser tá? :P

Bem, agora vamos ao que interessa. Confesso que aos poucos tenho aprendido a gostar de beringela, e dou os créditos disso a Cami e minha mãe, que foram me convertendo. Não que hoje eu seja uma apaixonada, mas já posso dizer que gosto. A única coisa que eu já gosto muito, é o antepasto de beringela, e hoje Cami colocou uma receita delícia lá Na Minha Panela.

É só a segunda vez que eu faço beringela em casa, mas pretendo ir colocando cada vez mais no cardápio. Essa que eu fiz dessa vez é realmente um prato com beringela pra que não gosta dela (eita, rimou). Então vamos lá, pra começar você corta a beringela, que já foi bem lavadinha, no sentido do comprimento. As fatias não precisam ser finas, mas o ideal é que elas sejam todas da mesma espessura mais ou menos (que é uma coisa eu eu realmente não consigo fazer).

Ai você pega essas fatias e deixa uns 20 minutos de molho na água salgada, e em seguida lava e enxuga cada uma das fatias com papel toalha. Esse ritual todo é pra tirar o amargor que tem nela. Então você dá uma assada nelas na frigideira antiderente ou numa grelha, até que elas fiquem moreninhas. Essas marcas de grelha nas minhas beringelas são fakes hahaha :P É que eu fiz com a espátula, pra ajudar a liberar mais da água que tem dentro dela.

Então é só arrumar numa assadeira camadas de beringela e de um bom refogado de carne moída, que eu fiz com cebola, alho, pimenta do reino, sal defumado, sal marinho, louro, canela, salsa, orégano e por fim meia lata de tomate pelado com o suco, pra dar uma molhadinha.

Ai com as camadas feitas, finalizando com carne moída, é só cobrir de queijo e colocar pra gratinar no forno. Claro que o ideal seria um queijo mussarela, mas como a anta aqui foi ao mercado e esqueceu de comprar, cobri com queijo minas e ficou delícia. Pra acompanhar, fiz só um macarrãozinho integral no azeite, povilhei ainda mais pimenta por cima e pronto. Ficou ótimo e lindo :)

E sabe porque é beringela pra quem não gosta de beringela? Porque não tem gosto de beringela, ué :)



© 2016 - ideias de fim de semana