home sobre mim sobre o blog mídia kit

Todos os posts sobre corpo

8 motivos para usar o coletor menstrual


Desde fevereiro deste ano que eu uso o famoso copinho, o coletor menstrual, e minha vida passou por uma revolução. No começo, eu fiquei me sentindo uma vendedora de Herbalife ou coisa assim, meio que catequizando as pessoas, meio monotemática, era um tal de “Oi Terra, bom dia!” e eu “Bom dia miga cê usa o coletor menstrual porque olha senta aqui…”. E a cada ciclo, ou cada vez que eu vou fazer feira e reparo que a gôndola de absorventes (e de desodorantes!) não me pertence mais, eu tenho vontade de contar pra mais gente sobre como incrível é o copinho.

Então, reuni aqui alguns bons motivos pra você mulher maravilhosa, usar o coletor menstrual.

coletor-menstrual

1. Intimidade com seu próprio corpo

Quando eu vou falar sobre o coletor menstrual, algumas mulheres fazem cara feia sobre “ter que pegar o sangue”, “ter que enfiar a mão” e essas coisas. Então vamos lá. Primeiro, seu sangue não é sujo. Não faz cara feia, amiga. Não vem com “eca” pra algo que é natural seu, é sagrado, é real. Você sabia que o sangue não tem cheiro? Pois é. Aquele “fedor de menstruação” que você sente é culpa do absorvente, que faz o sangue entrar em contato com o oxigênio e ainda abafa geral lá embaixo. O que dá o cheiro é isso. O sangue no copinho não tem cheiro. Pode tirar e levar direito ao nariz, sem nojinho, que tem cheiro de nada.

Não tenha vergonha/ medo/ nojo/ dúvida de se tocar. Algumas mulheres não se tocam mais do que na hora de esfregar o sabonete ou de passar o papel pra se limpar. Tem que se tocar, miga. Tem que se conhecer. Tem que se dar prazer, mas aí é assunto pra outra conversa. ;) Quando você se toca para colocar o copinho coletor você aprende mais sobre o seu corpo e esse tabu de vagina/ buceta/ ppk/ menstruação vai se dissolvendo até sumir.

Além disso, você começa a conhecer melhor o seu fluxo, sabia? Já ouvi de gente que diz que não tem coragem de usar o copinho porque só usa absorvente noturno e que o fluxo vai encher rapidamente e tal… Gente, não apavora. Faz o teste primeiro. Mesmo que você faça o teste com absorvente também, pra garantir. Mas é um momento de descobrir o real volume seu fluxo, e que ele pode não ser tão grande quanto você imagina… Quando ele espalha no absorvente parece ser um rio, né? No copinho é outra coisa. Vai por mim.

2. Economia

Você já fez as contas de quanto gasta com absorvente? Bem, eu fiz uma conta de padaria. A cada mês eu gastava uns 2 pacotes de absorvente que custavam em média R$6 cada um. Em um ano, eu gastava em média R$144 reais em absorvente, fora quando precisava comprar um OB pra ir à praia, aqueles que a gente distribui pras amigas, enfim. Pode parecer pouco, mas quando você compra um copinho que custa em média R$80 e pode durar entre 5 e 10 anos, você entende o tamanho da economia, né?

3. Conforto

Minha gente, tem coisa mais incômoda do que absorvente? Sério mesmo. Não interessa se é fino, com abas, sem abas, anatômico, não rola. São dias seguidos que você passa com aquele incômodo no meio das pernas. Percebi que às vezes a gente até acostuma, mas quando tira você vê o real incômodo que sentia. Você não sente quando está usando o coletor. Sério. Às vezes eu tenho que ir no banheiro dar um check pra saber se eu realmente coloquei o copinho antes de sair de casa, de tão anatômico que ele é. Além do conforto pra usar um biquíni, pra dormir sem calcinha, pra usar rouba sem se preocupar se tá marcando o absorvente, nada disso!

4. Praticidade

Praticidade é a palavra de quem não tem tempo a perder, né? Então nada de ter que ficar indo no banheiro de instante em instante pra trocar o absorvente. Você pode passar até 12h com o coletor, dependendo do seu fluxo. E se precisar tirar é só higienizar bem as mãos, tira o copinho, esvazia, lava com água e sabão neutro e pronto, tá ótimo pra botar de novo. Aí a cada ciclo você pode ferver ele numa panelinha esmaltada, ou até no meio do ciclo se você quiser.

Também é super prático fazer xixi sem sangue, né? Aqui pra nós. E com o copinho o sangue fica presinho lá de boas. Sabe quando você tá na rua e não tem papel no banheiro, então você dá aqueles pulinhos e veste a calcinha? Menstruada não rola, né? Mas com copinho rola! Você pode fazer seu xixizinho em paz, limpar com o papel normalmente (se tiver) e pronto! Quantas vezes você precisar até a hora de tirar o copinho pra esvaziar e higienizar.

5. Higiene

Algumas mulheres que têm nojinho do contato com seu próprio sangue, não sabem que sujo mesmo é o tal do absorvente com seu sangue exposto, seus odores e aquilo tudo.O copinho é feito 100% de silicone e fica totalmente dentro do canal vaginal. Ele é muito limpo e a manutenção desta limpeza é super fácil (água e sabão neutro cada vez que tirar e ferver por 5 minutos em panela esmaltada no início e no final de cada ciclo).

6. Saúde

Bem, como eu já disse ali em cima, não tem isso de sangue exposto, de abafar a vagina, nada disso. O coletor é bem mais higiênico que o absorvente. As bactérias gostam de se proliferar em lugares úmidos e quentes, ou seja, seu próprio absorvente.  A maioria das mulheres que têm recorrência de candidíase e outras doenças causadas por fungos e bactérias, podem se beneficiar com o uso do copinho na sua prevenção.

7. Meio ambiente

Além de todo benefício pessoal, também está em tempo de pensar no planeta, né? Já pensaram na quantidade de lixo que geramos com os absorventes? Pois é. E eles demoram mais de 100 anos pra se decompor na natureza. Agora pensa nessa quantidade de mulher menstruando, trocando absorvente umas 10x por dia, e jogando (além de dinheiro) muita sujeira na natureza. O copinho é reutilizável e pode durar de 5 a 10 anos! Faz as contas aí de quantos absorventes tu não vai jogar no lixo e vai somando aí na tua matemática das vantagens.

Ah, e sabe uma coisa massa? Mas aí é pro meio ambiente na nossa casa, do nosso jardim hehehe :P O sangue é um fertilizante natural para as plantas! Então, se você quiser, pode despejar o conteúdo do seu copinho na suas plantas e ver como elas vão ganhando um up, ficando mais vistosas e felizes. Pois é, nosso sangue é sagrado e carregado de vida, meninas. :)

8. Liberdade

Pois é, migas. A verdade é que a sensação é de liberdade. De botar biquíni, de praticar esportes, de ficar só de calcinha ou sem ela, de não ter que andar com absorvente pra cima e pra baixo como uma muleta, de ter que ficar caçando aquele banheiro maneiro toda hora, de ter que ficar indo na farmácia comprar absorvente, ter sempre um em cada bolsa e um estoque em casa ou no trabalho, enfim… É a liberdade em sua diferentes facetas. Inclusive, a liberdade de conhecer o seu corpo, de falar sobre ele, de entrar com os dois pés na luta contra a menstruação como tabu. Vamos ser mais livres. <3

Claro que tudo tem seus prós e seus contras, né? Nada é 100% flores. Eu já tive amigas que não se adaptaram ao copinho nem a pau, que ficaram incomodadas, que sentiram cólicas, que disseram que sempre vaza, enfim. Nunca será para todas, infelizmente. Mas vale experimentar. Vale o teste. Vale insistir um pouco mesmo quando tiver dando errado. Os benefícios são muitos!

Procurem mais na internet sobre os coletores menstruais, vejam detalhes de como botar, de como tirar (tem gente que se desespera por não conseguir tirar o vácuo e acha que o copinho tá preso), da possibilidade de cortar a haste para ficar mais confortável, de como saber se fez o vácuo, se vazar, enfim. Leiam mais, procurem outra opiniões, mas não deixem de testar vocês próprias. Vale o investimento de R$80 ou R$90 reais para um teste que pode mudar a sua vida, sem exageros.

Para quem é do Recife, eu comprei o meu no Copinho de Lua, com a querida e atenciosa Scharlene Guedes. Que além de entregar gratuitamente em alguns lugares da cidade, também compartilha informações, presta suporte e é uma simpatia de mulher. Dessas que sentem o maior prazer em ver as outras mulheres se empoderando.

E vocês, querem compartilhar suas experiências e observações sobre o copinho? :)


o que eu aprendi com o projeto na pele


projeto na pele anna terra 3Eu nunca tinha pensado muito sobre fazer fotos “sensuais”, sabe. Fotos assim, pra postar, pra olhar, pra mostrar. Já tive vontade, já fiz caseiras, mas vários motivos não me levavam a pensar em fazer parte de um projeto desses.

O primeiro ponto é a insegurança e insatisfação com o corpo. Minha vida é uma eterna sanfona na balança. Engordo, emagreço, engordo, emagreço não tanto, engordo mais, não consigo emagrecer. Eu já fui bem mais preocupada e paranóica com isso, na verdade. Hoje eu percebo que minha autoimagem era bem derrotada para o que eu era na época. Me danava a dietas, exercícios mil, e tudo com foco não na saúde, não no bem estar, não no cuidado, mas sim no corpo. Não tô dizendo que isso é errado não, tá? Até porque a estética e a vaidade fazem parte de algo muito maior que envolve autoestima e autoaceitação do que ser “frescura” como alguns podem achar. Mas a real é que essa busca pelo corpo não tava me fazendo bem, pelo contrário, tava me deixando mal por muito pouco.

De um tempo pra cá relaxei mais com isso. Tentei controlar minha compulsão alimentar de outras formas, procurei exercícios físicos que me dessem mais prazer do que fossem uma obrigação mortal, busquei me alimentar melhor sem neurose e, melhor de tudo, comecei a aceitar mais o meu corpo do jeito que ele é. Com dobras, com barriga, com celulite, com estria, com manchas, flácida, com ruga, inchada, mole, o que for. Sou eu, faz parte de mim e eu não posso negar isso. Eu não preciso esconder. Não é feio. Não é defeito. Esse é o ponto: não é defeito.

Nós, mulheres, somos massacradas a vida inteira com um padrão de beleza surreal imposto pela sociedade. Pelas revistas, pela propaganda, pelo cinema, pelo jornalismo, pela música, pela família, pelos parceiros, pelos amigos, por tudo que nos rodeia. Nas pequenas coisas vamos “aprendendo” que bonito é ser magra, inteira, durinha, bela, recatada e do lar. E só a gente sabe o quanto isso mexe com a cabeça e com a vida de cada uma de nós. O processo de autoaceitação é constante e demorado, e eu posso dizer que ainda não cheguei lá.

Hoje, me amo muito mais do que antes. Me curto, me olho com mais sutileza, me admiro mais, me toco, me exibo, me critico, me cuido. Hoje eu sei que essa sou eu, e que eu sou muito mais do que o meu corpo pode mostrar. Mas que ele faz parte de mim, cada pedacinho, da manchinha de nascença a tatuagem recém terminada. O que eu escolhi e o que eu não posso evitar, ou escolho não evitar. Essa é Anna Terra, e ela é linda.

Eu posso dizer que cresci com as pessoas me dizendo o quanto eu sou bonita. Desde criança, popularzinha no colégio, sucesso com os meninos na adolescência, nunca me faltaram elogios. Mas aqui dentro, eu nunca entendi, nunca visualizei o que as pessoas viam, nunca enxerguei. Não é drama, não é mimimi. É a construção sofrida de uma autoimagem deturpada. E hoje, com 30 anos, eu me acho mais bonita do que nunca. Sem aquele ar jovem que faz tão bem, mas com a segurança que empodera e diz que estou aqui pra viver a melhor década da minha vida.

E foi por isso que eu topei fazer parte do Projeto Na Pele. Esse projeto lindo, do casal amado Felipe Lorega e Fabi Araújo. É um projeto que não se resume a fotos sensuais. Na boa? Nunca me enxerguei nesses projetos que vejo por aí. Só parecem replicar os padrões de beleza mais ariscos, ou tentar fazer você se encaixar neles. Mas no Na Pele não. Não é só sobre o corpo, não é só sobre a mulher, não é só sobre tatuagem, não é só sobre sensualidade. O Projeto Na Pele é sobre um olhar que fisga a gente por dentro, que mostra as tatuagens dentro do nosso contexto, que mostra nosso corpo dentro do nosso conforto. É um projeto que cuida, que respeita e que faz um carinho danado na autoestima.

Aqui tem algumas fotos, e vocês podem ver o ensaio completo no site.
projeto na pele anna terra 2 projeto na pele anna terra projeto na pele anna terra 4 projeto na pele anna terra 5 projeto na pele anna terra 6 projeto na pele anna terra 7 projeto na pele anna terra 8 projeto na pele anna terra 9 projeto na pele anna terra 10Lembro que quando as fotos saíram, algumas pessoas me perguntaram porque publicar as fotos nas redes sociais, porque se mostrar. Diziam que as fotos estavam lindas mas que não precisava desse tipo de exposição. E eu entendo esse pensamento. Mas, pra mim, faz parte do processo de autoaceitação. Além disso, precisamos desconstruir os padrões de beleza. Precisamos mostrar que isso é lindo, que vida real é lindo. Tem muitas mulheres que precisam dessa força, que precisam desse tipo de projeto pra se enxergar melhor. Mesmo aquelas que não fizeram as fotos, tenho certeza que se sentem mais representadas quando vêem mulheres reais assim. Sem tanto glamour, sem photoshop, sem defeitos. É assim que a gente é. :)

O dia do ensaio foi incrível, um presente pra mim. Começamos a fotografar de manhã, entre caipirinhas, risadas, macacadas, música boa, cachorro, gato, brilho. Minha vida virou um carnaval, e eu por dentro era só alegria e cor. E por fora também. :P Passamos o dia juntos. Chegaram amigos, chegou meu namorado, comemos, bebemos, conversamos, relembramos os cliques, foi incrível.

A Felipe (Fifo, para os íntimos hehehe) eu só tenho a agradecer pelo carinho, respeito e cuidado. O seu olhar me fez muito bem. Me fez linda. Me fez leve. Me fez dar um largo passo rumo a minha autoaceitação. E cada vez que eu olho essas fotos eu abro um sorriso largo, e vejo que a gente botou mesmo pra fuder. Fabi, você foi incrível. Melhor produtora pra me acompanhar não poderia ter. Amiga, tiradora de onda, me deixou super confortável e ainda me ajudava a cobrir e mostrar as coisas todas hahaha <3 Victor, meu bem, você foi maravilhoso. Tenho orgulho de ter um namorado que me apoiou neste projeto, e que mais do que isso, gosta e valoriza cada pedacinho do meu corpo como ele é. E me vê além dele. Obrigada. <3

Afe, eu chega me emociono aqui. Engole o choro, Anna Terra! :) Mas é que tem coisas que mexem muito com a gente, sabe? E eu posso dizer que o Projeto Na Pele me fez um bem sem tamanho, e eu vou ser sempre grata por isso. <3

Vou deixar vocês com mais fotos de outros ensaios lindos, outros corpos lindos, outras tatuagens lindas, outras luzes lindas e principalmente: outras essências lindas que transbordam em cada foto. Só de olhar, dá pra sentir o clima dos cliques, imaginar a música que estava rolando, ouvir a gargalhada, imaginar a piada. Ah gente, como é bom se ver e se gostar. :)

projeto na pele raquel projeot na pele leonardo projeto na pele elisa projeto na pele renata projeto na pele ivan projeto na pele nathalia projeto na pele carol projeto na pele andré projeto na pele sarah projeto na pele malu Vida longa ao #ProjetoNaPele. <3

www.projetonapele.com

www.instagram.com/projetonapele

www.facebook.com/projetonapele



© 2016 - ideias de fim de semana