home sobre mim sobre o blog mídia kit

Todos os posts sobre relacionamento

10 anos de dona de casa


Quando paro pra pensar que já faz 10 anos que eu saí da casa de mamãe, eu vejo quanta transformação cabe em 1/3 da minha vida. Eu saí de casa sem saber fazer nem um arroz, hoje cozinhar é uma das coisas que mais gosto de fazer na vida. Saí de casa era estagiária, fui empregada, empresária e hoje sou empreendedora independente. Saí de casa sem nenhum bicho, tive gatos que se foram, Chica, minha cachorrinha que me acompanha há 8 desses 10 anos, e mais dois gatos que chegaram pra ficar. Nesses 10 anos quanta coisa aconteceu, por dentro e por fora. Morei com namorados, namorei sem morar junto, morei só sem namorar. Morei em 4 casas diferentes e senti bem quando a nossa energia não assenta em um ambiente, e quando ela encaixa perfeitamente. Tomei gosto por decoração, por reforma, por plantas, por minha furadeira e minha caixa de ferramentas. Descobri que sou uma bagunceira e acumuladora crônica e luto contra isso. Engordei, emagreci, engordei, emagreci num loop que nem sei contar, mas que varia entre 15kg para mais e para menos. Impossível listar as mudanças que aconteceram comigo, mas acredito que a maior delas é aqui dentro.

Nesses 10 anos, menos da metade foi morando realmente só. Mas posso dizer que foram os períodos mais intensos dessa experiência. Tive momentos super difíceis de separação, tristeza, solidão. Tive momentos super maravilhosos de mudança, construção e um sentimento de que ficar sozinha não é se sentir só. Aprendi a apreciar minha companhia e vi que só eu posso enxergar a minha maior força e minha maior fragilidade. Engraçado como às vezes é difícil se encarar, e às vezes é tudo que precisamos. Eu aprendi a entender meus ciclos e sigo aprendendo com eles.

Morar sozinha me ensinou que a gente só devia poder ficar doente na casa da mãe quando ela pode cuidar de nós, mas também me ensinou a fazer sopa só pra mim mesmo quando estou pelando de febre. Me ensinou que fazer feira pode ser uma delícia, cozinhar só pra mim pode ser maravilhoso, mas que lavar louça continua sendo um saco, especialmente os talheres (pior parte pra mim, juro). Me ensinou que eu posso fazer da minha casa meu templo, meu covil, minha caverna, meu palco. Mas seja o que eu escolha fazer, eu sou a protagonista deste cenário. Porque morar sozinha me ensinou a ser sim protagonista da minha vida.

E isso é um trunfo sem tamanho. A gente aprende o peso e a alegria de fazer o papel principal todos os dias, da hora que acordamos até a hora que vamos dormir. Que muitas vezes a fragilidade não é uma opção, mas que ela também não é algo que devemos nos envergonhar ou negar. Morar só me ensinou que eu tenho que ser forte, mas que eu posso fraquejar e que tá tudo bem. Me ensinou que eu posso chorar sozinha sem motivo, que eu posso rir sozinha sem motivo, que eu posso falar sozinha sem motivo, e que tá tudo bem. Me ensinou que eu posso não querer falar com ninguém ou que eu posso querer falar com todo mundo ao mesmo tempo pra não sentir o peso do silêncio, e que tá tudo bem. Me ensinou que existem épocas de vacas gordas e épocas de vacas magras, mas que sempre fica tudo bem. Me ensinou que cuidar de uma casa toda sozinha com três bichos cansa, e que tem horas que eu não quero ter que lidar com isso, e que tá tudo bem. Me ensinou que fazer faxina pode ser uma terapia ou um castigo, e tá tudo bem. Morar só me ensinou que você pode querer sua individualidade ou querer dividir a vida com outra pessoa, ou com outras pessoas, e que tá tudo bem.

Na real, morar só tem me ensinado muito, todos os dias uma coisa diferente. E me sinto muito feliz por ter a oportunidade de viver essa experiência tão intensa há tanto tempo. Morar só me ensina a me julgar menos, o que é uma das coisas mais difíceis da vida, acredito. E me ensina sobre limites, que é uma das coisas mais importantes da vida.

Esse não é um texto pra dizer que morar só é melhor ou pior do que casar, dividir casa com amigos ou morar com a família. Passei por tudo isso e tenho aprendizados memoráveis de cada uma dessas etapas da minha vida. Mas moro só há alguns anos e é essa realidade que pulsa aqui dentro, do quão valioso é viver e entender nosso espaço.

Desejo que todos um dia possam ter essa difícil e deliciosa experiência de autoconhecimento.

Esse autoretrato é antigo, mas eu gosto dele. Um domingo, eu, um vinho, meus bichos e alguma coisa na TV pra espairecer. Acho que é uma boa representação do texto. :)

Em breve, novos posts sobre a viagem. <3


a liberdade que oprime


a667836799f6054ad7f5f5058562b6b6Arte: Shiko (Derby Blue)

Qual é o problema de mostrar os peitos? Se os homens podem as mulheres também podem. As mulheres devem mostrar. E porque você não mostra também? Não vai mostrar?! Mas se for mãe tem que mostrar. Tem que amamentar em todo lugar. Quer cobrir com uma fralda? Não pode, tá errado. Claro que o parto vai ser na água, humanizado. O seu relacionamento é aberto, né? Monogamia é uma hipocrisia, todo mundo trai. Selinho não é gaia, e se for amigo também não é, né? Toda mulher fica com outras mulheres, que besteira. Vai dizer que você não tem vontade de um menáge. Voltar da festa antes de terminar? Nem amanheceu ainda. Você nem parece tão bêbada. Fuma maconha mas nunca cheirou pó? Que mentira. Todo mundo fuma. Todo mundo cheira. E daí que é dia de semana? Trabalhar é um saco. Você é escravo do seu chefe. Viciado em trabalho. Só pensa em dinheiro. É de direta. Cadê sua camisa da CBF? Não perde a hora do panelaço. E a dancinha do impeachment? Tudo coxinha. É de esquerda. Tem que ocupar a rua. Cadê o cartaz? Não vi seu textão ainda. Qual é o protesto do dia? Tudo mortadela. Protege os animais? Que mentira, nem compartilhou aquela foto. Sem coração. Não vai resgatar aquele gatinho? Não vai doar pro cachorrinho? Diz que gosta de bicho mas não é vegetariano. Diz que é vegetariano mas as come peixe. Devia andar de bicicleta, seu carro é a culpa do caos. Não sabe da última? Desconectado do mundo. Só vive na internet. Desconectado do mundo. Que mundo? Que mundo é esse.

O mundo onde a liberdade pode oprimir. Sabe quando éramos do crianças e sempre tinha aquele que te chamava de otário porque você não queria tomar uma cerveja? Porque não queria experimentar cigarro? Porque nunca tinha mentido pros seus pais? Porque não queria sair escondido? Mas todo mundo faz. O peso do “todo mundo faz” é enorme. Vivemos uma era de empoderamento linda, majestosa. Mas, como tudo nessa vida, tem o seu reflexo negativo. Um mundo onde as pessoas estão com seu direito de escolha cada vez mais livre, é justamente onde o julgamento vem diante dessa liberdade.

É difícil de explicar o que sinto sobre isso, eu acho. Mas gozando dessa liberdade de escolha em todos os níveis, julgamos e somos julgados o tempo inteiro por quem não faz as mesmas escolhas que a gente. Sinto inclusive uma disputa de quem faz mais, quem faz melhor. Isso não é liberdade. As motivações estão nebulosas, sabe? Algumas vezes não fazemos as coisas pelo nosso propósito, e sim para mostrar que estamos fazendo. Para contar pontos no placar do ativismo daquela causa que resolvemos seguir e ser os melhores nisso. E então começamos a perceber que o julgamento começa no nosso espelho, e transborda por todas as nossas relações.

Vamos aproveitar o tempo de liberdade para sermos, então, livres. Julgar menos os outros. Julgar menos a nós mesmos. Seguir ativistas pelas nossas causas e por aquilo que acreditamos. Seguir defendendo nossos ideais. Seguir respeitando aqueles que não são como nós, e que nem por isso são menos que nós.

Importante, para não haver qualquer mal entendido: machismo, misoginia, homofobia, racismo e todo tipo de preconceito ou violência não é liberdade e não merece ser respeitado. Merece sim ser julgado e exterminado da sociedade.


a leveza e a tríade do relacionamento


leveza 2 leveza leveza 3 leveza 4A maior bagagem que a gente tem que carregar na vida é a leveza. Irônico, né? De ponto em ponto carregamos algo mais para ser mais leve. Porque ser leve não é ser vazio, é ser preenchido de plenitude. E só se consegue a leveza plena quando temos dentro de nós o amor.  O amor é esse bicho que as vezes pesa no peito, as vezes nos faz flutuar. Mas é só através do amor que conseguimos ser inteiros, preenchidos e leves.

Quando falamos de amor, pensamos muitas vezes nos relacionamentos. Mas o amor é muito mais do que o relacionamento entre as pessoas. E os relacionamentos são muito mais do que o amor. Estive pensando nas bagagens que eu carrego da vida, nos pontos que colhi, e percebi que o amor faz parte de uma tríade do relacionamento. Na minha cabeça eu descobri isso, e percebi que o relacionamento tem três pilares: o amor, o tesão e a felicidade.

Se pararmos para pensar, todos os três podem existir entre as pessoas de forma independente. Mas para que um relacionamento seja pleno, os três precisam existir juntos e alinhados. Pode tesão sem felicidade, amor sem tesão, mas o que é mais difícil de aceitar é o amor sem a felicidade. Aceitar que o amor não basta pra ser feliz é uma elevação de espírito. Deveria bastar, na verdade. De tão intenso, forte e completo, o amor deveria bastar. Chega a ser injusto.

Mas o amor não basta. O tesão não basta. A felicidade não basta. A leveza só se encontra num relacionamento quando esses três caminham juntos. Só existe força diante disso. Só existe amanhã diante disso. E quando a gente achar que sorrir é ser feliz, vamos lembrar que “só” feliz não basta.

Essas fotos foram tiradas por Ivan Alecrim, do Instituto Candela. E quando eu olho pra elas me inspiro em falar de leveza e plenitude. Porque nós precisamos nos encarar de frente, nos ver, nos observar, para só então nos encontrar. E as vezes não tem espelho que faça isso pela gente. Muito obrigada pelas imagens, Ivan. Aqui eu enxergo um pouco de mim e lembro que preciso ser plena e carregar a leveza sempre. Obrigada. Mesmo.

leveza 6



© 2017 - ideias de fim de semana