home sobre mim sobre o blog mídia kit

Todos os posts sobre amizade

cachorro quente dazamiga e muito amor na cozinha


Amizade pra mim é o amor na sua mais sincera essência. Porque não é um relacionamento onde nós criamos uma rotina, umas “regras básicas de sobrevivência” ou esperamos muito do outro. Na amizade o amor se mostra na sua forma mais pura e simples. Naquele aniversário que a gente esquece de dar parabéns, naquela visita que a gente faz de surpresa, naquelas conversas que poderiam não acabar nunca. Porque a amizade é aquele amor sem cobrança, que surge sem que a gente saiba como, que pode ter períodos mais distantes e outros mais colados, que mesmo que a gente passe muuuuito tempo sem se ver é como se nossa conversa terminasse sempre numa vírgula. Pra mim amizade é isso.

E eu tenho a sorte de ter colecionado grandes amigos nessa minha vida. Uns amigos de infância, outros de colégio, outros de faculdade, outros da vida mesmo. E alguns foram presentes que a Internet me deu. E Juliana foi um deles. A gente se conheceu graças aos nossos blogs, um dia que Ju entregou no meu trabalho uns cupcakes e um bilhete cheio de carinho, e desde então fomos construindo uma amizade gostosa a base de doces, salgados, comes e bebes. :)

Eu posso dizer que Ju é uma das amizades mais especiais da minha vida. Aquela que a gente conversa sobre tudo, que esteve do meu lado nos momentos mais importantes dos últimos 5 ou 6 anos. Que chorou comigo, que riu comigo e que sempre abre a porta da casa pra me receber. É um porto seguro pra onde eu sempre faço questão de voltar. E esse Dia do Amigo não podia ter tido presente melhor do que dividir com ela a cozinha e um dia tão gostoso como esse. <3

E pra selar essa amizade, nada melhor do que um bom cachorro quente, né? Ela sabe que eu sou louca por isso, e esse ficou ainda mais especial. cachorro quente dazamiga 2Fizemos um cachorro quente com linguiça e creme de queijo coalho maçaricado, que na falta do maçarico pode ir pro forno de boas. A base foi Catchup e Mostarda Tambaú, e cada uma escolheu seu preferido hehehe :P Vejam aqui no vídeo a receita e o passo a passo dessa delícia, e um pouco do que foi esse dia dazamiga cozinharem juntas <3 Ah, e contar com a presença do casal maravilha Fabi e Fifo da Happiness foi ainda melhor, eles arrasaram na produção desse vídeo. :)

Ju, você sabe que tem minha mais profunda admiração. Pela família maravilhosa que você tem, pelo trabalho impecável que você desenvolve e por ser uma amiga tão paciente comigo. Obrigada por tudo. Amo você. Ah, e quando é o próximo comes e bebes, por favor? :D

cachorro quente dazamiga 1

* Post em parceria com a Tambaú Alimentos


eu não preciso de você


Toda dependência é ruim. E precisar é uma palavra que carrega esse peso pra mim. Depender de algo ou de alguém é um pesadelo, sejamos justos. Nossa primeira fase na vida é totalmente dependente. Ou temos alguém pra ajudar, ou morremos. Precisamos da nossa mãe ou de alguém que faça esse papel. E cada conquista ao longo da vida é sempre rumo à independência. Pelo menos pra mim é assim. Desde pequena vendi as pulseiras de crochê que eu fazia pra poder comprar os chicletes sem pedir pro meu pai. Não queria precisar dele. Adolescente vendi os biscoitos de aveia que eu fazia pra poder pagar minhas farras sem pedir pra minha mãe. Não queria precisar dela. E assim vamos caminhando para o portão do “eu não preciso de você”.

Aí nos apaixonamos e sofremos aquele amor arrebatador, somos capazes de mudar o rumo das nossas vidas pra viver essa paixão, somos capazes de mover montanhas. Fazemos e deixamos de fazer tudo pensando no outro. Se brigamos o mundo cai, nada mais presta até se fazer as pazes. E então constatamos: eu preciso de fulano pra ser feliz. E quem nunca passou por isso? Seja no fervor da adolescência ou mesmo amadurecendo enquanto adulto, ou até mais velho, quem sabe? Mas o importante é passar por isso. Passar do verbo não passa mais. Passar de ir adiante e deixar isso pra trás. Não necessariamente o relacionamento, não é isso. Acredito que relacionamentos, especialmente os mais longos, tendem a ser vários namoros dentro de um só. As pessoas mudam, o relacionamento também. Então o que eu digo é que não podemos precisar de ninguém pra ser feliz.

Quando precisamos, dependemos. E quando dependemos, não temos opção. E não ter opção faz a gente viver aquilo de forma forçada, obrigada, e tem coisa pior do que você se sentir forçado a fazer algo por não ter outras alternativas? Mas isso não pode acontecer no amor. Ou melhor, quem sou eu pra dizer o que pode ou o que não pode acontecer no amor, né? Mas eu tenho a ousadia de dizer que se você quer ser feliz de verdade, não pode deixar o seu coração ser contagiado pelo vírus do “eu preciso”. Pra ser feliz com alguém é necessário, antes de tudo, ser feliz sozinho. Desculpa, poetinha. Mas é possível, e só é possível, ser feliz sozinho. Porque só assim vamos vislumbrar o outro com nosso coração inteiro.

Isso. Inteiro. Ninguém precisa de metade da laranja, gente. Ninguém pode ser metade. Só se é feliz quando se é inteiro, em busca de outro inteiro para, então, ser feliz a dois. Não virar um só, que coisa insuportável. Somos felizes nós dois, eu e você, lado a lado. E sempre com a opção de soltar as mãos e continuar sozinho. Só me importa caminhar ao lado de alguém que caminhe bem sem mim, porque sei bem que meus passos traçam qualquer caminho sozinhos, por mais tortuoso que seja. Se não for assim, tem um puxando o outro sem nem perceber. E, felizmente, a fase de precisar de ajuda pra andar já ficou pra trás faz tempo.

Posso dizer isso também de outras relações, vale pra todas. Meu relacionamento com a minha mãe, por exemplo, melhorou muito desde que eu saí da casa dela e cortei o cordão umbilical da dependência do mesmo teto. Passei a sentir saudade, a querer mais a presença dela, a querer estar mais em casa com ela, e valorizar mais esse tempo que estamos juntas. Porque eu não preciso. Eu quero. E quero, cada dia mais, estar mais junto dela.

Isso vale para o trabalho. Quando estamos trabalhando apenas porque precisamos daquele dinheiro no final do mês, ou porque devemos uma satisfação, ou porque não temos coragem de soltar as amarras e alçar nossos vôos solo, não rendemos do mesmo jeito. São aquelas pessoas que quando são questionadas “e se ganhar na mega sena?” a primeira coisa que responde é “não venho trabalhar mais”. Porque não tem paixão, não tem vontade. Tem só dependência.

E, claro, que isso vale para os relacionamentos à dois. Não precisar do outro é o primeiro passo para a felicidade. E quando, naquele balanço da relação que volta e meia nos pegamos fazendo, o “preciso” vier demais a mente, está na hora de repensar.

Não quero ninguém precisando de mim. Não quero precisar de ninguém. Quero estar por querer, por vontade, por desejo, por tesão. Quero estar por ser inteira, por querer inteiro, por acreditar que nunca seremos um. Seremos sempre dois unidos pelo amor e pela vontade.

Eu não preciso de você. E isso quer dizer que eu te amo.


sobre “para sempre”


Ontem, na academia, eu ouvi uma conversa entre um homem que queria se tatuar e outro nitidamente contra a ideia. E o argumento dele foi exatamente esse “Não se marque não, véi. Nada nessa vida é pra sempre, nem a tua filha.”. Eu fiquei tão chocada com o comentário que postei isso no Facebook. Foi quando Milena comentou “Essas pessoas que não sabem conviver com o eterno.. <3”, e isso me deixou pensando sobre esse “para sempre” das coisas.

Quando a gente é mais novo, tudo parece uma eternidade. A espera pela hora do programa preferido, a demora na casa da tia chata, a viagem de carro, o dia de começo das férias. Depois, as coisas começam a acontecer rápido e a gente quer que elas durem pra sempre. O primeiro beijo, o primeiro namorado. Então vem a primeira fossa e a gente acha que também vai durar pra sempre, ainda mais pra sempre do que esperar sua mãe chegar em casa quando ela dizia “Quando eu chegar a gente conversa”.

E, sem perceber, vamos acumulando eternidades na nossa vida. Pequenos momentos de pra sempre que as vezes passam rápido, as vezes demoram, as vezes ainda estão acontecendo. Porque chega um momento na nossa vida que a gente realiza que tudo é pra sempre. Geralmente é o mesmo momento que a gente aprende que nada é eterno, sabe? Pois é. Pode parecer meio confuso, mas é, pra mim, a realidade.

A única coisa que dura pra sempre nessa vida é o momento. As pessoas que passam na nossa vida são eternas, mesmo quando se vão, quando se afastam, quando mudam. Os sabores são eternos, os cheiros também. As viagens que fazemos, as ressacas que tivemos, os sustos, os medos, os sonhos. Tudo é tão pra sempre que eu queria ter uma memória melhor pra guardar mais na cabeça do que no coração certas cosias e pessoas que passaram na minha história.

E pensando no comentário de Milena, realmente tem gente que não sabe conviver com a ideia do eterno. Mesmo que cada passo que a gente dê, que cada palavra que diga, que cada gesto que faça seja eterno, a ideia de fazer algo que dure pra sempre ainda incomoda. Tem coisa que seja mais eterna do que as palavras? A gente lembra de quando ouvimos eu te amo pela primeira vez, lembra daquela poesia, daquela música e daquele fora que levamos numa discussão. Lembramos que as vezes falamos só pra machucar, mas que terminamos marcando mais do que se batêssemos na cara. As palavras são muito mais eternas do que qualquer tatuagem, são a cicatriz mais profunda que se pode carregar.

E sim, é difícil conceber que somos feitos de pequenas eternidades. Que somos eternos pra outras pessoas e que transformamos qualquer bom dia num pra sempre na nossa vida. Mas quem disse que viver é fácil? Então, se eu pudesse voltar lá e olhar no olho daquele moço que proferiu essa frase sobre nada ser pra sempre, eu diria: “moço, se você não faz nada pra ser eterno na vida, então você não está vivendo.”.

Então vamos viver sem medo do pra sempre. Vamos viver é com medo de que tudo seja passageiro e desapareça. Porque eu quero que tudo que passe, passe pra sempre como um filme em mim.


sobre relógios internos e aquele tempo só nosso


O tempo é relativo, já dizia Einstein. Mas quando o grande gênio ditou nisso, acho que ele não estava pensando no nosso relógio interno. Sim sim, esse que bate bem aqui no meio do peito, sabe. Esse relógio que tem um tempo só dele. Só nosso.

Ontem eu li uma frase de um amigo que também bota pra fora essas verdades, Ciro Viegas.

hora de amarE esse pensamento me lembrou de uma coisa que eu escrevi há quase dois anos atrás, que também falava desse tempo.ate o ultimo

E tudo isso me deixou pensando sobre esse tal tempo. Quantas vezes nós desistimos por pensar que “é tarde demais”. Ou, pior, abrimos mão por pensar que “é muito cedo”. Que tempo é esse que pauta nossas decisões? Não é o mesmo tempo dos relógio e despertadores. É o tempo que bate conforme a música do nosso coração, e cada um tem o seu ritmo próprio.

É o tempo que vira remédio, quando sabemos que só vai curar quando ele passar. É o tempo que transforma ausência em saudade. É o mesmo tempo que para quando trocamos aquele olhar. Porque nem só de passar vive esse tempo. Ele também é um tempo que congela, que para e que podemos até emoldurar.

O tempo é esse que algumas vezes apenas assistimos, e que em outros tempos vivemos. É aquele suspiro de saudade dos bons tempos que não voltam mais, mesmo quando sabemos que bons tempos também estão por vir. É aquele cheiro, aquele gosto, aquele som que ficou no tempo e virou memória. Inesquecível.

E quando eu parei pra pensar sobre esse tempo, vi que ele tem mais perguntas e respostas do que eu posso pensar. E, no final das contas, a única conclusão que eu consegui chegar é que o nosso tempo, o mais importante, é o agora. Esse minuto. Esse compasso. Porque o tempo que já passou é a certeza que nós temos. O que ainda está por vir são as dúvidas intermináveis. E o agora, querido relógio, é o tempo que merece meu coração inteiro.



© 2016 - ideias de fim de semana