Tag Archives: fotografia

sonhos que viram realidade

Eu passei uma época da minha vida meio viciada em histórias de pessoas que largaram tudo e seguiram os seus sonhos. O projeto Continue Curioso mesmo, eu olhei de cabo a rabo. Além de vários outras histórias que pipocavam em blogs como Hypeness, Brainstorm #9 e afins. E o engraçado é que sempre tinha um publicitário protagonizando as histórias… É como se fosse uma profissão que suga as pessoas cedo demais e faz com que elas tenham essa necessidade de soltar as amarras e correr atrás dos seus sonhos. E olhando ao meu redor eu comecei a ver que eu não preciso ir em blogs e mais blogs catar histórias de pessoas distantes pra ter ótimos exemplos de como vale a pena investir nos nossos desejos. Seja largando tudo ou não (ainda). E eu percebi que tenho exemplos que me enchem de orgulho por eu ter visto começar e torcer para crescer.

Loja Prosa – Carol Burgo

Captura de Tela 2015-01-13 às 08.25.38Captura de Tela 2015-01-13 às 08.35.13Eu lembro quando Carolzinha começou o blog dela, o Small Fashion Diary. Eu me ajoelhava no chão (quando não deitava) pra tirar as fotos dela debaixo pra cima “Vai te deixar enoooorme!” hahaha :) E as pessoas encontravam com ela e diziam “Eu não achava que tu fosse baixinha…” <3 A gente foi dupla de criação em duas agências e Carol sempre teve mil projetos paralelos. Pense numa mulher com talento, viu? Tinha um blog de fotos, outro de textos, outro de ilustrações, outro de looks, outro de outras coisas.. E a gente tinha projetos juntas, “Vamos viver de freelas viajando o mundo!”. Coisa linda :)

Mas foi Carol que mesmo com essas pernas pequenas que teve coragem de dar o maior passo. Mudou de cidade como quem volta pra casa… O Rio de Janeiro é a cara dela. E foi lá que a vida profissional sacudiu a cabeça e ela se lançou num terreno que mistura o que ela sempre gostou: arte e moda. E assim nasceu a Loja Prosa, com estampas exclusivas, ilustrações, quadros, tudo que tem a cara dela. Seja nos posters, biquinis, almofadas ou vestidos, a Loja Prosa é a cara de Carol. Não sei se era assim que ela sonhava, mas se não era, saiu melhor que a encomenda. <3

Chocolate, Poesia & Arte – Gordinha Captura de Tela 2015-01-13 às 08.29.11Captura de Tela 2015-01-13 às 08.36.11Eu já conheci a Gordinha vendendo chocolates. Ela chegava na agência que eu trabalhava e causava o maior fuzuê! Eram as palavras mágicas mais esperadas da semana “A GORDINHA CHEGOU!” e a agência inteira ia correndo pra pegar lugar na fila e escolher primeiro os seus doces. E quem trabalha com comida eu tenho que dizer, tem que ter uma energia incrível para passar. Porque é na comida que a gente coloca nossos sentimentos, então comida boa não se faz só com a medida certa dos ingredientes. Tem que ter amor pelo que faz, querer fazer bem feito, querer que as pessoas que comam fiquem felizes. E isso a Gordinha sabe fazer demais. Tanto que de cliente eu virei amiga dela, e tenho o maior orgulho disso. E maior orgulho das dezenas de brigadeiro Romeu e Julieta que eu compro, e dos cupcakes de Nescau Ball, e do bolo de aniversário que ela fez pra mim, e de tudo. :)

E a história dela é linda. Desde pequena ela gostava de esquentar o bucho no fogão da casa da vó, e adolescente já começou a vender uns chocolatinhos de Natal pra garantir o décimo terceiro hahaha :) Até que surgiu o baile de formatura e a famosa viagem do terceiro ano para Porto Seguro, e o que ela fez pra pagar tudo isso? Vendeu mais chocolates! E desde então ela não parou mais. Continuou fazendo o que amava, que são os chocolates, e entrou na faculdade. Fez a graduação e uma especialização em Literatura e passo a passo foi reunindo conquistas que permitiram que ela realizasse o sonho de viver de Chocolate, Poesia e Arte. Montou seu ateliê com seu amor, livros, vinis e muito chocolate.

Ela não mudou de ramo pra seguir o sonho, ela seguiu o rumo do sonho um passo de cada vez, todos os dias, e isso é de dar um orgulho enorme em quem conhece e admira essa mocinha, Ana Maria, a gordinha. <3

Loja Moscou – Liza SiqueiraCaptura de Tela 2015-01-13 às 08.26.41Captura de Tela 2015-01-13 às 08.50.31Liza também foi minha dupla de criação em agência e também uma pessoa que me fez rir muito quando a gente dividia as horas do expediente. Linda e super bem humorada, Liza sempre teve esse traço doce. Seja na aquarela ou na ilustração digital, ela conseguiu ir criando a sua cara, a sua identidade. Ela me deu um quadro que fez retratando eu e Chica, lindo de viver e que fica aqui na minha parede. E eu (e mais umas 1057 pessoas) repetia “Faz uma exposição! Faz pra vender!” E eu tenho que dizer que demorou até a moça sair do armário de verdade, viu? Só vendia por encomenda debaixo dos panos… Um talento desse escondido em fotos no Facebook.. Tsc tsc tsc… Liza linda agora tem a Loja Moscou, que chega com suas aquarelas maravilhosas. E eu fico aqui de longe admirando e torcendo pra que tudo seja leve como ela merece que seja. Vida longa a Loja Moscou! <3

Pó de Lua – Clarice Freire
Captura de Tela 2015-01-13 às 08.30.15Captura de Tela 2015-01-13 às 08.38.04Essa moça dispensa apresentações, né? Acho que é minha amiga mais famosa hahaha :P A gente se conheceu meio que no mercado publicitário, meio que nesse mundo de blog e redes sociais. Éramos aquelas conhecidas de internet, até que nos conhecemos pessoalmente e o carinho foi mútuo na mesma hora. E eu lembro muito de quando o Pó de Lua surgiu no blog e de quando ele foi indo pro Facebook e pro Instagram. E Clarice me perguntava “Tu que é famosa de blog, tá chegando um monte de comentários e eu não consigo responder a todo mundo! O que eu faço?”, imagina… A famosa ser eu! Hahaha :P E a angústia de não se entregar “Mas tem gente querendo anunciar e não tem muito a ver comigo… Como faço pra dizer não?”, uma flor de leveza até pra negar um anúncio. E depois eu fiquei da janelinha vendo as fotos dos agradecimentos a cada novos 100.000 seguidores, com o peito enchendo de orgulho.

Então parei de indicar Clarice pra vagas de redação publicitária, afinal, ela saiu do mercado… Então restou demostrar minha admiração comprando os livros dela pra presentear meus amigos. Qualquer oportunidade, livro. Natal? Livro. Aniversário? Livro. Lembrei de você! Livro. Porque o slogan do Pó de Lua já diz tudo “Pra diminuir a gravidade das coisas”, e se é leveza que a gente quer, é leveza que ela entrega. E assim como cozinhar, escrever também traz uma carga muito grande de energia. E essa energia que tem no livro é a mesma que eu vejo nos olhos claros dela… Límpida e verdadeira, sabe? É como se desse pra ver a alma dela por dentro. Coisa linda. Coisa leve. Vida longa ao Pó de Lua e sua humildade de sempre. <3

Dona Jardineira – Tita de PaulaCaptura de Tela 2015-01-13 às 08.27.31Captura de Tela 2015-01-13 às 08.34.39Se me perguntarem como eu conheci Tita, eu não vou saber dizer. Sabe aquela pessoa que você tem a impressão que conhece desde sempre? Que é amiga dos seus amigos da agência, mas depois descobre que ela é também amiga dos seus amigos da farra, e que ela é amiga de todo mundo? Também não é pra menos… Acho que todo mundo quer uma amiga feito Tita. Linda, sorridente, de um abraço de urso que preenche o peito da gente. Tita também largou a publicidade, vejam só, e foi trabalhar com flores.

Ela cresceu numa casa grande, com horta e jardim (tipo meu sonho…) e sempre gostou de colocar a mão na massa. Ela gostou tanto que fez um curso de paisagismo e começou a colocar a mão na massa pra valer, decorando alguns espaços até que fez o primeiro casamento e não parou mais. Hoje a Dona Jardineira tem a floricultura ambulante na bicicleta mais feliz da cidade, faz buquês, arranjos, consultoria de paisagismo, decoração de casamentos e o que for feliz e envolver flores, pode contar com ela. Porque assim como comida e poesia, as flores também precisam de boas energias. E isso dá pra sentir no olhar de Tita. Que seja leve como as pétalas e linda como as flores. Vida linda e leve a Dona Jardineira. <3

Risoflora – Belle Souza
Captura de Tela 2015-01-13 às 08.40.11Captura de Tela 2015-01-13 às 08.41.10Belle foi outra pessoa que a publicidade trouxe pra minha vida. Nos conhecemos na agência e mesmo ela trabalhando em outra área e sendo dotada daquela beleza que incomoda e ofusca o olho, fomos nos aproximando e nos conhecendo. Foi quando eu descobri uma pessoa engraçada, escrachada, sem papas na língua e com uma energia incrível. Aquelas que o santo bate, sabe? Pronto. Porque não basta ser bonita, a menina tem que ser inteligente e desenrolada pra fazer tudo o que quer, como correr atrás dos seus sonhos. E viver dentro de uma agência de publicidade fazendo pose pra cliente definitivamente não era um deles… Foi por conta disso que Belle viajou, estudou, respirou novos ares, fez uns planos que deixou de lado e outros que viraram realidade. E o espaço Risoflora é o que está dando certo desse sonho.

Uma casa massa, toda reformada e cuidada por ela e os sócios. Um espaço que Recife estava precisando, sabe? Aberto pra festa, arte, cultura, encontros felizes ou alopração mesmo. Uma cozinha pra receber convidados, um menu que varia de acordo com o evento e a cerveja sempre gelada. Belle quase não tem mais final de semana, dia santo ou feriado, mas nunca a vi tão leve e satisfeita com o que está fazendo. E também nunca vi suar tanto, porque começar um negócio desses é lavar o chão do banheiro, fazer a contabilidade, colar cartaz e estar linda e cheirosa no bar pra receber as pessoas, tudo ao mesmo tempo. É trabalho de muito que eu fico super feliz em ver dando certo. Porque assim como comida, poesia e flores, trabalhar com serviço exige muito uma energia e uma plenitude de espírito, afinal, as pessoas estão indo pra sua casa pra se divertir, e tudo precisa estar em harmonia para a felicidade acontecer. Música e alegria pra Risoflora. <3

Dona Maroca – Gabi BarretoCaptura de Tela 2015-01-13 às 08.28.20Captura de Tela 2015-01-13 às 08.48.52Gabi foi outra pessoa maravilhosa que a publicidade me trouxe. Nunca chegamos a trabalhar juntas, mas esse mercado é assim mesmo, todo mundo se conhece e quando vê já está amigo. E o sorriso dela é um cartão de visitas, daqueles que te convidam pra um abraço e quando você vê está sentada falando da vida. Conheci Gabi na época que ela estava com um projeto lindo chamado Gabi Poraí, que levava música para lugares diferentes. A voz dela se misturava com os sons do ambiente e tudo era mostrado num vídeo fofo. Depois disso o projeto mudou e evoluiu para o Música de Vitrine, onde ela levou música para algumas lojas e atraiu muitos olhares. Coisa linda de vivier, assim como a voz e o violão dela. E aos poucos a publicidade foi ficando de lado até que… Puft.

Foi quando um dia eu estava trabalhando e descobri que ela também era a Dona Maroca! A irmã dela é a mestre cuca e faz os chocolates, mas ela pegou todo conhecimento de publicidade e aplica no negócio, que tem embalagens lindas, produtos temáticos, kits, novidades sempre, uma presença na internet muito organizada, uma marca linda e, claro, uma qualidade maravilhosa. Os doces são coisa de outro mundo! Enfim, tudo que um produto precisa pra dar certo reunindo num só lugar. E ela vende em Recife e Vitória de Santo Antão, onde mora. E de projeto e projeto, a busca pelo sonho vai traçando o seu rumo. Lindo e inspirador, né? <3

Casa de Criação a Vó Queria – Ana MedeirosCaptura de Tela 2015-01-13 às 08.31.44Captura de Tela 2015-01-13 às 08.33.45Eu conheci Ana pela internet e nesse mundo de blogs, que vai juntando as pessoas, sabe? Acompanhei algumas mudanças dela, que é de Recife, aí se mudou pro Rio de Janeiro, depois voltou pra morar em Gravatá e nesse meio tempo já teve dois filhos. Casada, ela foi realizando junto com o marido os sonhos deles. De decorar a casa, cuidar da casa e, porque não, vender coisas de casa. Ela já tinha o blog, A Casa Que Minha Vó Queria, e sempre foi super dedicada a ele. Então porque não assumir a paixão e ir colocando o hobby como prioridade? E assim foi surgindo a Casa De Criação a Vó Queria. Lá ela começou a fazer e vender os produtos que ela gosta, que ela usa na casa dela, tudo com o jeitinho do casal, sabe? Isso que eu acho massa. As coisas são feitas com a cara deles e por serem de tão bom gosto, vão gerando interesse nas pessoas também. Não é fazer o que as pessoas gostariam, é fazer o que você gosta para as pessoas gostarem também. Acho que esse caminho é corajoso e forte, e é por isso que eu admiro a família que aos poucos foi se concentrando em viver disso. E hoje eles moram numa casa linda, com uma família linda e vendem coisas lindas. Feliz, né? :)

Bem, eu sei que esse post foi a maior rasgação de seda do mundo, mas eu tô muito feliz em ter reunido aqui exemplos tão inspiradores e tão próximos pra contar a história. É nessas horas que a gente repensa nosso caminho, nossa felicidade e nossa coragem, né? Então olhem de novo cada um desses projetos, cliquem, comprem, compartilhem. Porque tudo que está aqui é fruto de muito esforço, coragem, dedicação e principalmente de amor. Então vamos compartilhar amor sempre. <3

a leveza e a tríade do relacionamento

leveza 2 leveza leveza 3 leveza 4A maior bagagem que a gente tem que carregar na vida é a leveza. Irônico, né? De ponto em ponto carregamos algo mais para ser mais leve. Porque ser leve não é ser vazio, é ser preenchido de plenitude. E só se consegue a leveza plena quando temos dentro de nós o amor.  O amor é esse bicho que as vezes pesa no peito, as vezes nos faz flutuar. Mas é só através do amor que conseguimos ser inteiros, preenchidos e leves.

Quando falamos de amor, pensamos muitas vezes nos relacionamentos. Mas o amor é muito mais do que o relacionamento entre as pessoas. E os relacionamentos são muito mais do que o amor. Estive pensando nas bagagens que eu carrego da vida, nos pontos que colhi, e percebi que o amor faz parte de uma tríade do relacionamento. Na minha cabeça eu descobri isso, e percebi que o relacionamento tem três pilares: o amor, o tesão e a felicidade.

Se pararmos para pensar, todos os três podem existir entre as pessoas de forma independente. Mas para que um relacionamento seja pleno, os três precisam existir juntos e alinhados. Pode tesão sem felicidade, amor sem tesão, mas o que é mais difícil de aceitar é o amor sem a felicidade. Aceitar que o amor não basta pra ser feliz é uma elevação de espírito. Deveria bastar, na verdade. De tão intenso, forte e completo, o amor deveria bastar. Chega a ser injusto.

Mas o amor não basta. O tesão não basta. A felicidade não basta. A leveza só se encontra num relacionamento quando esses três caminham juntos. Só existe força diante disso. Só existe amanhã diante disso. E quando a gente achar que sorrir é ser feliz, vamos lembrar que “só” feliz não basta.

Essas fotos foram tiradas por Ivan Alecrim, do Instituto Candela. E quando eu olho pra elas me inspiro em falar de leveza e plenitude. Porque nós precisamos nos encarar de frente, nos ver, nos observar, para só então nos encontrar. E as vezes não tem espelho que faça isso pela gente. Muito obrigada pelas imagens, Ivan. Aqui eu enxergo um pouco de mim e lembro que preciso ser plena e carregar a leveza sempre. Obrigada. Mesmo.

leveza 6

a casa do cachorro preto

a casa do cachorro pretoa casa do cachorro pretoa casa do cachorro pretoa casa do cachorro pretoa casa do cachorro pretoa casa do cachorro pretoa casa do cachorro pretoa casa do cachorro pretoa casa do cachorro pretoa casa do cachorro pretoa casa do cachorro pretoA Casa do Cachorro Preto é o tipo de espaço que Recife/Olinda estava precisando há um tempo. Um lugar totalmente dedicado a arte e cultura, que só tem gente boa envolvida. O espaço completou 2 anos agora, e muita coisa massa já rolou por lá. Exposições de artistas locais estão sempre acontecendo na galeria, que tem ambientes que são totalmente personalizados de acordo com quem está expondo. Eu já visitei várias exposições lá, e é massa ver como o espaço fica com a cara do artista. Ao final da galeria tem a lojinha permanente, que tem produtos que são frutos das exposições que passaram por lá. Posters, reproduções, camisas, quadros, imãs, itens de tabacaria, livros e mais num monte de coisa que vale ir lá ver e comprar. :)

Além da galeria, A Casa do Cachorro Preto tem o espaço de bar e música. O quintal da casa é o palco para bandas, DJs, audição de discos, exibição de filmes, festas e tudo mais. O bar funciona sempre com cerveja gelada e pronto. Precisa mais de quê? :) É um ambiente gostoso de frequentar, com aquele clima de olinda, cheio de gente bonita, elegante e sincera. hahaha :)

Parabéns pra Raoni Assis e toda a turma envolvida n’A Casa do Cachorro Preto por oferecer tanta coisa boa num espaço tão massa. Que venham novas exposições, novos projetos e vida longa ao black dog. :) Confiram a programação lá na página A Casa do Cachorro Preto. As fotos do post são de Victor Jucá, e lá na fanpage dele também tem um monte de outras fotos de exposições e eventos que já rolaram. Vale dar uma olhada e sentir o clima. ;)

Pronto, agora já tem a programação do fim de semana :Da casa do cachorro pretoServiço:

Rua 13 de Maio, nº 99 – Olinda

Telefone:  081 3493-2443

Aberto de quinta a domingo, a partir das 16h.

paço do frevo

paço do frevopaço do frevopaço do frevopaço do frevopaço do frevopaço do frevopaço do frevopaço do frevopaço do frevopaço do frevopaço do frevopaço do frevopaço do frevopaço do frevopaço do frevopaço do frevopaço do frevopaço do frevopaço do frevopaço do frevoAqui em Recife a gente tem ativismo pra tudo. Ecochatos, ciclonazis, carrocratas, entre tantos outros. Acho que eu tô criando uma nova onda de ativismo e virando frevocrata. Gente, eu tô evangelizando todo mundo que eu encontro a visitar o Paço do Frevo, sério. Acho que tá ficando chato já, mas qual ativismo radical não é, né? hahaha :P

É brincadeira mas é sério :P VISITEM O PAÇO DO FREVO. É um prédio lindo, todo dedicado a história do frevo, que se confunde com a história do próprio carnaval. É um banho de cultura. O único problema é que você sai de lá com uma vontade urgente de carnaval. Tipo, URGENTE. Você sai querendo ir pra Olinda, pro Recife Antigo, dançar, pular, correr atrás de bloco, cheirar lança-perfume, tomar batida, subir e descer ladeira, já pode ser carnaval de novo? PORFAVÔ?

O Paço do Frevo é lindo, isso dá pra ver pelas fotos né. E olhe que nem são fotos com essa qualidade toda, de celular mesmo, mas dá pra traduzir um pouco do que vocês vão ver por lá. No térreo fica uma exposição que conta, ano a ano, a história do frevo, do carnaval, dos blocos. Tem também drops da história do Brasil e do mundo pra contextualizar. Dica: vão com tempo pra ir lendo quadrinho por quadrinho, vale a pena. Ah se os livros de história fossem assim tão legais.. hahaha :) No térreo ainda tem um centro de documentação, com computadores para pesquisa e tudo mais. Organizado, pra quem quiser e precisar se aprofundar na história.

No primeiro andar não tem exposição, mas tem escola de música. São diversos instrumentos e, pelo que eu entendi, diferentes professores em diferentes horários. Hoje, temos aulas como os maestros Spock, Édson Rodrigues, Nenéu Liberalquino e Clóvis Pereira, cada um com um foco diferente. Vale visitar pra conferir preços, horários e datas.

No segundo andar tem o espaço para outras aulas de música, aulas de dança e para exposição temporária. A exposição que está atualmente é a São José, territórios do frevo. É uma exposição multimídia, onde você entra pisando no mapa do Bairro do Recife e pode assistir a vídeos que falam sobre o bairro de São José, o Pátio de São Pedro. E ainda tem a representação do Pátio com as barracas de frutas e tudo mais. É uma imersão. :)

E o terceiro, último e mais lindo andar, é onde fica a exposição permanente. Antes de entrar na sala mais linda, tem duas salas menores, uma de cada lado, que trazem projeções sobre a história do frevo e umas peças importantes, como a antiga sombrinha de frevo e o belo clarinete. Depois, é hora de entrar no salão dos estandartes.

Gente, é lindo. É de ficar encantado só de pisar. Eu sugiro começar pelo começo, pela rampa que traz o glossário do carnaval. É esse mural com várias palavras que trazem o significado atrás, e você pode ir mexendo de um por um. Desculpem a matutice, mas eu acho massa pequenas coisas que você interage assim, dá vontade de ir vendo um por um. :)

Depois você entra no piso dos estandartes, onde vai vendo como são lindos, bem trabalhados e cheios de histórias os estandartes de cada bloco tradicional. As paredes trazem coleções de fotos lindas, que não tem como a gente não se identificar. Por mais antigas que sejam, você se vê ali. Naquele apertado, naquele suor, com a latinha na mão, nas fantasias, nos espetinhos de salsichão. Dá vontade de ir vendo uma por uma, mas são tantas que eu tenho a impressão de que se eu for 20x eu vou ver fotos diferentes em cada uma das visitas.

Nas janelas temos trechos de músicas que você vai lendo e cantarolando mentalmente. E as que a gente não conhece vai lendo como um poema mesmo, que é o que é, afinal. Lá de cima dá pra ver o mar, os prédios do recife antigo, as árvores da Praça do Arsenal, é lindo. E ainda tem um espaço com pufes pra gente apenas relaxar enquanto toma um banho com aquelas cores e aquelas histórias de carnaval. Então, já pode ser fevereiro de novo?

Então é isso, eu já falei que vocês PRECISAM CONHECER o Paço do Frevo, né? Então é isso. Ele fica na Praça do Arsenal da Marinha, no Recife Antigo. Se liga no horário de funcionamento: Fechado às segundas. Terças, quartas e sextas, das 9h às 18h. Quintas, das 9h  às 21h, e sábados e domingos das 12h às 19h. A entrada é de grátis nas terças e nos outros dias é R$6 a inteira e R$3 a meia. Vale cada centavo. E aí, já estão se organizando pra ir tipo, AGORA? :)

Página 1 de 281234567...20...Última »