home sobre mim sobre o blog mídia kit

Todos os posts sobre comida

eu não sou vegetariana (ou, minha experiência sem comer bicho)


vegetariana naoAchei por bem começar logo cortando rótulo. Cada vez mais tenho dificuldade de me definir nas coisas, porque vou querer me definir por meus hábitos alimentares, né? Então digo logo que não sou, nunca fui e não sei se um dia virei a ser vegetariana. Dito isso, vou começar o post. :)

Lá em 2014 eu fiz um #DezembroSemCarne, onde me propus a passar um mês apenas sem comer carne vermelha. Por que? Porque eu quis, ué. Haha :P Quis experimentar e contei aqui nesse post como foi a experiência. Aí no ano passado, mais precisamente no dia 12 de setembro, eu estava almoçando nO Vegetariano, um dos meus restaurantes vegetarianos preferidos, e pensei: vou ficar um mês sem comer carne vermelha e frango, dessa vez. Aí pronto, lembrei que não tinha comido carne no café da manhã, tava almoçando no vegetariano e pensei: vou começar agora mesmo.

Então, como eu sou exibidjinha, tratei logo de compartilhar nas minhas redes sociais o meu novo desafio. Até porque eu tenho a ideia de que se eu falar pra mais gente vai ser mais fácil de manter o desafio e não me boicotar hahaha :P Foi quando Guilherme, meu amigo e responsável pelo restaurante vegano Flô de Jambo, resolveu lançar um desafio em cima do meu desafio: tira também o peixe e frutos do mar, e vem almoçar aqui no Flô de Jambo durante esse mês! Confesso que quando recebi a proposta foi fácil de aceitar, afinal, eu AMO a comida de lá e garantir um almoço maravilhoso e um cardápio variado pra esse mês restrito ia ser uma mão na roda pra mim. Claro que meu coração bateu forte quando pensei: um mês sem caranguejo! Mas segui firme e forte.

Aí me perguntam de novo: mas por que, Terrinha? Sem frescura, foi por mim. Não só pelos animais, não só pelo meio ambiente, não só pela economia orgânica, não só pelo consumo dos pequenos produtores, não só por essas coisas. Também, mas não só. Eu queria ver como o meu corpo ia reagir, queria experimentar. Eu já tento fazer um consumo mais “natureba” em algumas coisas, como produtos de limpeza, produtos de higiene que não testam em animais, cosméticos veganos, feira orgânica local, entre outras coisas. Mas queria experimentar tirar os bichos da alimentação e me observar.

Eu já estava num processo de comer menos carne vermelha. Em casa eu já não fazia mais. Aí comecei a comer muito frango, o que me fez enjoar também. Aí já tinha reduzido naturalmente meu consumo de carne vermelha e frango, e como peixe e frutos do mar não dá pra comer todo dia módi os preços, eu já tinha entrado numa vibe mais veggie sem nem perceber. Ao menos em casa, já que por conta disso eu aproveitava pra ser bem carnívora na hora de comer na rua. hehe :P

Apesar de que comecei a perceber que os meus pratos preferidos de alguns lugares já eram vegetarianos. Como o Falafel do Central, o Croissant Caprese do Castigliani, a esfirra vegetariana do saudoso Snaubar, o queijo coalho do Empório Sertanejo, entre outras coisas que facilitaram minha vida. :)

Confesso que não foi nada difícil passar um mês sem comer bichos. Não larguei ovo, queijo e nem derivados de leite, tá? Acho que isso deixa tudo mais fácil também. Mas achei que seria mais difícil pra mim. No segundo ou terceiro dia eu já comecei a sentir algumas coisas diferentes no corpo. Primeiro, meu intestino começou a funcionar. Eu tenho intestino preso desde que me entendo por gente. Fui aquela criança que tomou Almeida Prado 46, que não podia comer banana, que comia mamão e ameixa como se fosse remédio, e foi assim minha vida toda. Até que parei de comer bicho e ele começou a funcionar. Ganhou uma estrelinha.

Depois disso comecei a sentir que meu sono estava estranho. Eu tava acordando pra fazer xixi e não conseguia mais voltar a dormir. Eu acordava cedo e não conseguia dormir de novo. Só que eu comecei a reparar que não era porque meu corpo tava precisando descansar mais e eu não tava conseguindo, era exatamente o contrário. Meu corpo tava dizendo: bora, tá de boa, já tenho energia suficiente pra começar o dia. E o que restava era mais preguiça minha mesmo, hábito, vontade, não necessidade.

Bem, nós humanos gastamos a maior parte da nossa energia da digestão. E quando comemos carne (favor entender carne aqui como qualquer bicho), a digestão é ainda mais trabalhosa e demorada, ou seja, gastamos ainda mais energia pra transformar aquilo tudo em coco. E quando nossa digestão fica mais leve, sobra mais energia pra gente. Essa matemática de padaria também serviu para outras coisas. A meditação ficou mais fácil, a disposição durante o dia ficou melhor, fazer exercício tava mais animador, e depois que eu aprendi a lidar com o meu novo sono, até dormir ficou melhor.

Juntando um intestino que funciona melhor que nunca, meditação fluindo, sono saudável, nem preciso dizer que meu humor melhorou consideravelmente, né? Ainda bem, porque calhou de ser uma fase bem difícil da minha vida. Tomada de decisões, mudanças, tristezas, enfim. Ainda bem que aconteceu quando tinha que acontecer.

Além dos benefícios físico-psicológicos, entrar nessa dieta sem bicho me fez despertar outros sabores, conhecer outros lugares, testar outras receitas e ter outros assuntos com outras pessoas. Não foi uma experiência sobre o que eu como, sabe? Afinal, nunca é “só” sobre comida, porque o nosso alimento/ o que ingerimos, é a base de tudo na nossa vida. Claro, que isso na minha humilde opinião. Há quem viva numa dieta restrita total de alimentação e acredita nisso como a chave da vida, da espiritualidade e da iluminação. Mas, aqui pra nós, eu gosto muito de comida pra parar de comer. :P

Fiquei super feliz em receber o apoio de amigos e seguidores vegetarianos nessa minha empreitada. Mas, claro, nem tudo são flores. Ouvi umas coisas bem peculiares. O básico da família tradicional carnívora brasileira, perguntando o que é que eu ia comer agora e como eu ia me sustentar em pé. Hahaha :P Me coloquei um pouco na pele dos meus amigos vegetarianos que passam a vida toda respondendo a típica pergunta “e nem peixe?”, ou então tendo que dizer “eu como tudo, só não como bicho”. Tem horas que a gente quer desenhar, né? Pois é.

Ouvi também algo tipo “Por tudo que você faz pelos animais, por seu discurso de proteção, acho que você já devia ser vegetariana.”. Pera. Para tudo. Então quer dizer que se não for pra ser vegetariana é melhor nem resgatar gato de rua, porque né? É contraditório demais. Gente, por favor. Não vou chegar aqui pra dizer que é radicalismo ou não, quem sou eu pra julgar isso. Mas não me digam que eu devia ser vegetariana por gostar de bicho. O caminho é longo, as esferas são outras, e por mais que os pontos se toquem em algum lugar, ainda é outro ambiente pra mim. PRA MIM, tá? Desculpa.

Bem, as descobertas, gastronômicas ou não, foram muitas. O que foi de comer eu postei aqui na tag #terrinhavege no meu Instagram, se quiserem dar uma olhada.

Aí vem a pergunta: e então? Quando acabou o mês? Bem, a real é que eu não tive vontade nenhuma de voltar a comer carne. Nenhuma MESMO. E eu resolvi respeitar o meu organismo. Não demorou muito mais de uma semana depois desse mês pra eu correr pro meu caranguejo preferido da cidade, apesar do medo de passar mal. Deu tudo certo, meu organismo recebe bem que só esse bicho. hahaha :P Também comi marisco, aratu… Mas quando me perguntavam eu brincava dizendo que era “ovo-lacto-caranguejiana” já que caranguejo era o único bicho que eu tava comendo mesmo.

Quando viajei por umas praias do Rio Grande do Norte e da Paraíba em janeiro eu me peguei numa sinuca. O lugar que a gente foi, que era no meio do mangue e a gente chegou de barco, ou seja, não era só pedir a conta e ir embora, tinha caranguejo e marisco no cardápio. Mas tudo com MUITO coentro. Tipo, MUITO nível que eu não conseguia catar e comer. Eu não suporto coentro, acho que quem me conhece um pouco sabe disso. Foi quando eu comi peixe pela primeira vez, desde setembro. E eu resolvi sair dessa nóia.

Não quero o título de vegetariana. Eu gosto de comer carne. Eu amo comer bode. Eu gosto de comer peixe. Eu amo comer linguiça. Sim sim, eu amo os animais, a natureza, detesto o sistema de “produção” pra ter carne no prato. Mas eu acredito na redução de danos e no equilíbrio entre o que é bom pra mim e bom pro meio. Eu não como bicho, mas nesse meio tempo já comi um pedaço de bode no mercado, comi linguiça de bode, fiz carne de panela pro boy e comi um pouco, comi peixe dia desses, inclusive sushi, e vou caminhando e cantando e seguindo a canção.

Ah, e não tenta o argumento de “porque comer hambúrguer se tem hambúrguer vegetariano?!”. Gente, não. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. Não é substituto. Até porque se for com esse ideal é bem fácil de ficar altamente frustrado. Esses dias comi um cachorro quente vegetariano no Orgânico 22 que foi uma das melhores coisas que comi nos últimos tempos. Mas não é pra comparar com cachorro quente de salsicha com bicho. É outra coisa, outro sabor, outra experiência. Pode ser melhor ou pior, a depender do seu paladar, mas é outra coisa e eu sugiro não comparar. :)

No final desse mês vou fazer uma viagem e passar 20 dias conhecendo lugares que eu nunca fui, outros países e culturas. Eu, que sou apaixonada por gastronomia, vou me privar de descobrir esses sabores? Não vou. Inclusive, já estou começando a inserir peixe e frutos do mar de novo na minha dieta, pro corpo ir se acostumando. Porque vou desbravar os mariscos do Pacífico em breve. Mas as opções de alimentação para os dias de estrada? Todas marcadas como dieta vegetariana. E é isso.

Minha experiência sem comer bicho foi e está sendo maravilhosa. Estou aprendendo muito comigo, com os outros e com os ambientes. E também estou aprendendo a não me julgar e nem me rotular. Acho que quando perguntarem se eu sou vegetariana eu vou responder “sou geminiana com ascendente em capricórnio e lua em câncer, pode ser?”. :P

E pra finalizar, um meme que me representa por aí. :Pmeme vegano


dicas para trabalhar em cafeterias


Trabalhar de qualquer lugar é uma das melhores coisas de ser freelancer, na minha humilde opinião. Em alguns momentos, precisam ser lugares com internet e talvez uma tomada por perto. E como trabalhar em um ambiente agradável faz toda a diferença, as cafeterias são sempre uma boa pedida.

Mas, aqui pra nós, precisa rolar um bom senso nessa relação. Fico pensando naquela galera que vai pra cafeteria, pede um café espresso e passa uma tarde inteira trabalhando por lá. Pensando nisso, vim aqui deixar algumas dicas marotas. E assim, eu nem sou dona de café nem nada, então talvez os donos e funcionários tenham até mais dicas do que essas pra somar. Se tiverem, fiquem à vontade pra contribuir. :)

lalá café Oferecer internet gratuitamente não é um serviço obrigatório.

As redes wifi já viraram algo básico nos estabelecimentos comerciais. Mas, não custa lembrar, que não é obrigatório. Então, caso não tenha, ou mesmo que tenha os funcionários digam que você não pode usar, não reclame, não faça cara feia, não diga que é um absurdo. Pode ser apenas uma opção do lugar, e você também tem a opção de ficar ou procurar outro lugar.

são braz Consuma no lugar.

Não tô falando de pegar um cafezinho e passar a tarde inteira. O produto da cafeteria não é a internet ou a energia que você vai usar de favor. Eles trabalham com comes e bebes, e é isso que você deve consumir lá. Essa é uma das coisas que deve levar você até lá, inclusive. Não apenas pra você trabalhar em um lugar diferente a cada dia. Isso tem seu preço.

bogart café Não seja uma mesa ocupada com um computador.

A preferência é sempre de quem vai comer, correto? Então se você já comeu suas coisas e ainda está no ambiente, tenha o bom senso de olhar ao redor e ver se tem mesa desocupada pra quem chegar. Se o lugar estiver cheio e você for uma mesa com um computador, ou você come, ou você pede a conta e sai. Ficar é uma falta de respeito com as pessoas que chegam e também com o próprio estabelecimento.

organico 22 Não seja barulhento.

O ambiente da cafeteria é pra ser agradável para todos os presentes. Geralmente tem uma música ambiente, pessoas conversando. Então fique atento ao barulho que você produz enquanto fica no telefone ou se é alguma reunião com várias pessoas. A dica também vale para os barulhos do computador/ celular. Não passe vídeos, áudios e nem escute música pelas caixinhas, use fones. Não deixe habilitados os sons de aviso do computador, como whatsapp web ou outros ruídos. Não fique batendo caneta ou qualquer outra coisa fazendo barulhos repetitivos enquanto você pensa ou fala no telefone, eles são insuportáveis.

castigliani Agradeça e seja gentil.

Pode parecer besteira falar isso, mas é bem sério. Você ficar lá trabalhando é um favor que eles te fazem, sabe? Então agradecer, postar uma fotinho na internet pra divulgar o lugar, ser gentil com os atendentes, tudo isso é importante. Afinal, você deve querer voltar lá outro dia pra trabalhar, e a política da boa vizinhança é fundamental.

Em lugares como Rússia, Alemanha e Londres já existe há muitos anos uma cultura que está começando a chegar por aqui e já tem em São Paulo: ambientes que cobram pelo tempo que se passa lá dentro, e não pelos produtos. Então é um espaço onde essas dicas vão por água abaixo, afinal, o produto é outro. Você pega pelo tempo que fica lá e pode consumir as ouras coisas “de graça”, como café, água e biscoitos à vontade. É um modelo super interessante e válido pra quem busca ambientes legais e diferentes pra trabalhar.

Eu sou membro do coworking Impact Hub, e volta e meia vou trabalhar por lá, mas confesso que gosto de procurar lugares diferentes pra experimentar. Até porque eu amo café e amo comidinhas, então nada melhor que juntar o útil com a vontade de comer hahaha :P

Cafés legais pra trabalhar em Recife:

São Braz

Gosto muito do que tem na Praça de Casa Forte. Internet free, espaço ao ar livre (sem tomadas) ou com ar condicionado (com tomadas), mesas maiores pra reunião e um bolo de laranja que vou te contar…

Lalá Café e Loja Afetiva

Um oásis no meio de um caos no Espinheiro, além da internet free e dos espaços com e sem ar condicionado, eles são pet friendly e tem um café coado com cardamomo que olha…

Bogart Café

Internet free com rede aberta (evito usar redes sem senha por motivos de segurança dos dados, vale pesquisar sobre isso) espaço ao ar livre (sem tomadas) ou com ar condicionado (com tomadas), mesa redonda pra reunião e uma soda italiana de amora pra acompanhar qualquer coisa…

Livraria da Praça

Eu gosto do ambiente de livrarias, e é por isso que gosto de passar um tempinho trabalhando de lá. A internet é free e tem espaços aberto e no ar condicionado, mas não tem tomadas em nenhuma das opções. Por isso, só vá se o notebook estiver carregado. ;)

Orgânico 22

Uma delícia de lugar, de atendimento e de cardápio. Com internet free e os espaço ao ar livre (sem tomadas) ou com ar condicionado (com tomadas distantes da mesa, bom levar extensão), também é pet friendly e só serve café coado, nada de espresso, que vai muito bem com um bolo de maçã, canela e linhaça. Isso diz muito sobre o ritmo do lugar, que fica ao lado de um estúdio de tatuagem o que me fez sofrer trabalhando e ouvindo o barulhinho da máquina. <3

CaféCafé

Esse parece que é um café feito pra trabalhar, sempre que eu vou tá cheio de gente em reunião, nos computadores e tudo mais. Só tem lugar no ar condicionado e algumas mesas tem tomada perto. O cardápio do almoço é uma delícia, e os doces…

Bistrô 858

Além da internet ótima e dos ambientes ao ar livre (sem tomadas) ou com ar condicionado (com tomadas) e mesa de reunião, também é pet friendly e tem um cardápio bem grande desde o café da manhã até o jantar.

Galo Padeiro

Não é bem um café, é uma padaria super maravilhosa. Nunca fui lá exatamente pra trabalhar, então nem tô ligada nas tomadas. Mas é bem confortável, sei que tem internet free, mesinhas dentro e fora do ar condicionado e uma vitrine incrível de pães, doces e salgados, além do cardápio de café da manhã, almoço e jantar.

Café do Brejo

Também nunca trabalhei por lá, mas sei que tem internet free e é confortável e quietinho pra trabalhar com concentração, além de uma geléia de goiabada cascão…

Castigliani

O melhor café da cidade reabriu bem pertinho da minha casa, e eu tô saltitante! Ainda não tem internet, reabriu agorinha mesmo e tá em soft open, e eu nem vi se tem tomada também. Mas eu não podia deixar ele de fora dessa lista. Vale a pena ir até pra trabalhar do teu 3G na mesinha do lado de fora, comendo um croissant caprese na frente daquele neon lindimaravilhoso e depois tomando um café vienense ou um kalita ou um capuccino da casa ou qualquer coisa do cardápio que vai ser incrível. <3

Tenho certeza que tem vários outros lugares massa pra trabalhar por aqui, mas eu talvez não conheça ou não esteja lembrada. Então, quem tem uma boa indicação? :D


meu instagram viu – junho/15


O mês de junho é o meu mês, e nele aconteceram várias cosias importantes e que mudaram um pouco a minha vida e a minha percepção das coisas. Aqui nem tem tantas delas, porque muitas são só na cabeça e no coração, e nem passam pela lente da câmera. Mas tem uns momentos legais e que super valeram o registro. :Dmeu instagram viu 10Meu Instagram Viu o show de Backstreet Boys que foi um dos melhores da minha vida. Fui por acaso, sem expectativa e me surpreendi muito! Eles cantam mesmo! Eles dançam mesmo! E deu pra sentir que eles fizeram o show com vontade e alegria, sabe? Foi arretado.meu instagram viu 9Meu Instagram Viu o conhecimento das ruas aqui em Casa Amarela. O amor é importante, porra.meu instagram viu 8Meu Instagram Viu Chica sorrir para a foto na rede do Olodum. meu instagram viu 7Meu Instagram Viu como tomar picolé em casa pode não ser tão fácil quanto parece.meu instagram viu 6Meu Instagram Viu meu sorriso frouxo num clique de Ivan Alecrim lá no Instituto Candela.meu instagram viu 5Meu Instagram Viu a igreja do batman aqui em Recife.meu instagram viu 4Meu Instagram Viu o clima junino chegar pro café da manhã, com queijo coalho assado e goiabada. Pense numa mistura boa!meu instagram viu 3Meu Instagram Viu quando eu comecei a colorir meu livro de mandalas mágias e ó, adorei.meu instagram viu 2Meu Instagram Viu quando eu levei Chica pra trabalhar lá no Candela, mesmo que na foto só dê pra ver uma mancha preta com língua. :Pmeu instagram viuMeu Instagram Viu o banzo desses irmãos num dia de chuva.meu instagram viu 11Meu Instagram viu quando Malu fez o meu aniversário ficar ainda mais especial, ficando comigo o dia todo, da praia ao bar. <3

Para acompanhar todos os posts do meu Instagram, segue aqui: Terrinha.

E aqui estão os outros posts da série “Meu Instagram Viu” e até o mês que vem!


meu instagram viu – maio/15


Mais um post da série Meu Instagram Viu, que fica muito mais legal quando tem uma viagem no meio. :)meu instagram viu 1Meu Instagram Viu quando eu coloquei um pouco mais de amor na entrada da minha casa. Cada prancheta dessa custou R$2 e a impressão custou R$3, então cortei o papel no meio e usei nas duas. Colei na parede com fita 3M e ainda coloquei um coraçãozinho na campainha, que foi resto do adesivo que usei pra fazer os corações na parede do banheiro.meu instagram viuMeu Instagram Viu o dia que o Recife chorou quando o prefeito sancionou a lei que torna oficial o projeto Novo Recife, que vai construir 12 torres gigantes numa área histórica da cidade. Quem não conhece, o movimento Ocupe Estelita ainda está na luta para derrubar o projeto. #ResisteEstelitameu instagram viu 2Meu Instagram Viu a melhor moela da cidade, no Bar da Buchadinha que é a garagem da casa de Galdêncio. meu instagram viu 3Meu Instagram Viu minha declaração de amor no Dia das Mães, que faço questão de reproduzir na íntegra: Mãe, obrigada por todas as vezes que você escolheu meu corte de cabelo, e por todas as outras que cortou minha franja em casa. Obrigada por sempre me deixar escolher que roupa usar e pelos discos da Xuxa. Obrigada por sempre pedir pra eu segurar na planta pra tirar foto e, principalmente, obrigada por me ensinar que o tempo só vem pra melhorar as coisas na nossa vida. Feliz Dia das Mamis ❤️

meu instagram viu 4E Meu Instagram Viu a comemoração muitcho louca do Dia das Mães com mamis e pixus ❤️meu instagram viu 5Meu Instagram Viu uma saudade imensa que não morre nem a pau e nem a beijo. Minha ida pra São Paulo ver meu irmão que tava de passagem pelo Brasil ❤️meu instagram viu 6Meu Instagram Viu uma barraca de praia em Santos que faz drinks incríveis e super incrementados.meu instagram viu 7Meu Instagram Viu frango com quiabo e angú, porque casa de mineiro tem que ter comida mineira em qualquer lugar do Brasil.meu instagram viu 8Meu Instagram Viu o bar Asterix que tem uma das maiores variedades de cerveja que eu já vi na vida. Eles dizem ter todas geladas pra consumo no bar, e as que não tiver, eles têm na torneira em chopp, e as que não tiver eles botam numa máquina que gela em 6 minutos. 6 MINUTOS!meu instagram viu 9Meu Instagram Viu quando eu fui no dia da inauguração da Eataly em São Paulo e queria ir de mala e cuia pra morar lá pra sempre. Que lugar maravilhoso, gente. Que comidas deliciosas. Que tantas opções pra comprar. Que vontade de ser milionária. hahaha :Pmeu instagram viu 10Meu Instagram Viu quando eu fui surpreendida no Mercadão por essa combinação perfeita de tâmara com morango. “Isso é servido no café da manhã dos hotéis 7 estrelas de Dubai, moça. É o Ferrero Rocher das arábias”, disse o vendedor. :Pmeu instaram viu 11Meu Instagram Viu quando eu pendurei o minha cabeça de alce que eu trouxe de São Paulo. Fazia tempo que eu queria um toque de taxidermia fake na minha decoração, e quando eu encontrei essa cabeça no estande do Quebra-cabeça 3D numa galeria da Benedito Calixto, eu me apaixonei. E acho que Gato Gil também. :Pmeu instagram viu 12Meu Instagram Viu essa dupla maravilhosa que são as coisas que eu mais amo no mundo.meu instagram viu 13 Meu Instagram Viu quando eu fiquei doente, o pior momento pra quem mora sozinha. Mas desenrolei uma sopinha de jerimum com frango e queijo que aqueceu o peito e fez um bem danado. :)

Para acompanhar todos os posts do meu Instagram, segue aqui: Terrinha.

E aqui estão os outros posts da série “Meu Instagram Viu” e até o mês que vem!



© 2017 - ideias de fim de semana