Warning: Illegal offset type in isset or empty in /home/ideiasde/public_html/wp-includes/post.php on line 1078
texto | ideias de fim de semana
Warning: Illegal offset type in isset or empty in /home/ideiasde/public_html/wp-includes/post.php on line 1078

Tag Archives: texto

sobre o papel das pessoas (e dos bichos) na vida da gente

Eu sempre digo que eu acredito muito no papel das pessoas uma na vida das outras, e que nada é por acaso. E o mesmo vale para os bichos. Eu acredito que quando conhecemos uma pessoa, nós temos um papel na vida dela, e ela na nossa. É assim com as amizades, os relacionamentos, os colegas de trabalho, a família. Se a gente parar pra pensar, conseguimos ver que viramos pessoas melhores, ou fomos parte da melhora na vida de alguém, depois de um relacionamento. Aqueles amigos que você conhece e se aproxima muito rápido, ou aquelas pessoas que a vida naturalmente cuida de afastar. Nada disso, na minha cabeça, é por acaso. É parte da nossa missão de vida, sabe? É nisso que eu acredito.

E isso também vale para os bichos. Eu fico pensando o que seria da minha vida sem Chica nesses últimos quase 6 anos. Eu passei por tanta coisa enquanto só ela estava do meu lado, sabe? Momentos tão bons, outros tão difíceis, outros tão decisivos. Ela sempre esteve comigo. Assim como eu também estive com ela quando ela esteve super doente, e quando levei pra brincar na praia. É o meu papel na vida dela, cuidar e retribuir tudo que ela faz por mim, todos os dias.

No dia 10 desse mês, dia do meu aniversário, eu resolvi que me daria um presente. Pra mim e pra Chica também. Eu adotei um gatinho! Fazia muito tempo que eu queria um gato e uma companhia pra Chica, e achei por bem fazer isso por nós agora. Então depois pesquisar onde adotaria, como faria, depois de conversar com uns amigos, decidi que ia resgatar um dos Gatinhos da Beira Rio. Sempre paquerei aqueles gatinhos que ficam ali, expostos a tantas maldades e aperreios. Então fui um dia lá com meu namorado e uma amiga nossa, olhar a ninhada que tinha sido abandonada há poucos dias. E eram todos lindos! É quando eu tenho a certeza de que se eu morasse numa casa, eu seria a velha dos gatos e cachorros. Tenho vontade de colocar todos debaixo do braço e levar pra mim. :)

Um deles era o mais serelepe. Brincando de um lado pro outro, começou a subir na árvore. E subiu, e subiu, e subiu… E pronto. Ficou láááá no alto, miando, sem conseguir descer. Ele era tão pequeno, cabia na minha mão. Pois é, eu não ia sossegar enquanto a gente não conseguisse tirar ele de lá. O que adiantava a gente ter ido pra eu adotar um gato, salvar da rua, se eu ia deixar um lá em cima abandonado sem saber se ele ia conseguir descer? Então Victor (meu herói <3) foi num bar próximo, pegou uma escada, subiu na árvore e me “jogou” o gato. Pronto, depois disso eu tive certeza: é esse! E voltamos com ele pra casa.

E o amor por ele foi instantâneo. Tão lindo, tão pequeno, tão frágil. A relação dele com Chica começou melhor do que eu imaginava.. Ela com medo dele, mas cedendo aos poucos. Ele virado, só queria saber de subir nas coisas, no armário, no cabideiro. Estava lindo de ver. Mas como todo gatinho de rua, eu levei no médico pra ver como ele estava. Como era muito pequeno e estava muito frágil, não ia ser vacinado ainda… Então foi apenas vermífugo e anti-pulgas. E os dias passaram tão rápido. Em uma semana tanta coisa aconteceu.

Um dia eu acordei e ele estava mancando. Deve ter pulado alto de algum lugar no quarto e se machucado. Levei pro médico e ele ficou tomando a dose de 1 gota de remédio. 1 gota! :) Depois disso, eu vi que ele estava diminuindo o ritmo de alimentação… Bebendo pouca água e tudo. Então cheguei um dia e ele estava fraquinho, molinho. Levei no médico e ele estava desidratado. Ficou no soro por algum tempo, a agulha era do tamanho da pata dele. Tomou umas 6 injeções e voltamos pra casa. Eu estava tentando dar água e comida pra ele na seringa, mas ele não estava aceitando muito.. No outro dia eu voltei com ele pro médico pra pegar o resultado dos exames e reavaliar. Ele estava com brônquio-pneumonia e ia ficar internado. E a partir dali eu já comecei a chorar. Tão pequeno, tão frágil, e já passando por isso tudo. Me parecia tão injusto, sabe?

E no outro dia eu acordei às 6h30 com a ligação do hospital, avisando que “senhora, o gato Biu veio a óbito”. Eu acho que demorei pra entender a mensagem. Acordando, sonhando, pesadelo, o que era? Foi uma eternidade pra mim, mas acho que na verdade foi bem rápido. Já levantei da cama já aos prantos. E me dei conta de que eu posso levar uma vida inteira pra me apegar a uma pessoa, pra dizer “eu te amo”, pra chorar de saudade. Mas por um bicho assim, basta um dia, um olhar, que eu já estou totalmente entregue. E chorava feito uma criança. E, invariavelmente, eu pensava: e quando for Chica? E chorava ainda mais.

Então fui no hospital pra ver o que tinha que fazer, e a médica me disse umas palavras que acalmaram um pouco meu coração: você fez tudo que podia e deu a ele uma morte digna. Ele morreu sedado e respirando no oxigênio. Se tivesse na rua, poderia morrer sem respirar e sofrendo. E foi quando eu comecei a pensar no meu papel na vida dele. Foi rápido e intenso. Foi sincero. Foi lindo. Chorei o dia inteiro. Eu já tinha postado fotos e vídeos dele, e sempre que alguém me marcava numa publicação de gato e cachorro, eu começava a chorar de novo. E de novo. Eu não seguro choro, sabe? Não mesmo. Choro sem medo, sem vergonha. Choro e pronto. E foi assim que eu passei um dia inteiro. Imersa nos meus pensamentos e chorando. Mas meu conforto era esse: eu fiz o que podia e o que não podia por ele. Dei a ele todo meu amor, carinho, atenção, casa, comida, cuidado. Então meu coração ficou tranquilo.

Esses dias recebi a notícia de que a irmã dele, da mesma ninhada, tinha sido morta por um viciado em crack lá na Beira Rio. Não conseguiu ser adotada e foi morta esganada por ele. Meu deus, que tipo de gente é essa? E, por mais triste e horroroso que isso tenha sido, foi mais um conforto pra mim, sabe? Eu tirei ele dessa. Então dei o tempo do meu coração se acalmar, ficar mais tranquilo, e comecei a pensar em adotar outro gato. Porque não, né?

Então desde sexta-feira estou com Gato Gil, adotado da casa de uma moça linda, cheia de gatos e de amor pra dar pra eles. Já maiorzinho, mais esperto, mais danado. A relação dele com Chica ainda é difícil, e talvez continue sendo, mas acho que eles serão felizes juntos um dia. E eu tô feliz com eles. E sei que, aconteça o que acontecer, os nossos papéis são cumpridos dia após dia. Um na vida do outro. E, no fim das contas, a lição que eu tomei disso tudo é que jamais podemos nos deixar endurecer. É assim com qualquer relação. Um coração partido tem o seu luto até se abrir ao amor de novo. Uma confiança quebrada tem o seu luto até uma amizade surgir de novo. A tristeza de perder um animalzinho tem o seu luto até se permitir cuidar de outro. E todos são insubstituíveis. Os amores, os amigos e os bichos. Afinal, cada um é um e tem o seu papel. Jamais serão iguais, jamais serão parecidos. Nos resta aprender e não ter medo de amar de novo.

E vamos seguir nossa vida e nossos papéis, porque ainda tem muita gente, e muitos bichos, precisando de nós por aí.

Gato BiuGato Biu

 

Gato Gilgato gil

Adote um animalzinho e veja a mágica acontecer dentro do seu coração.

Boa semana, gente.

feliz ano novo pra mim

Tem gente que ama aniversário, tem gente que odeia. Eu não sei de qual dos lados eu fico, na verdade. Acho que sou geminiana demais até pra isso. Eu tenho um inferno astral que costuma me botar pra chorar uns dias antes, e se vier junto com uma TPM daquelas então, fodeu. Ao mesmo tempo eu também não sou daquelas que ama fazer aniversário e trata isso como o melhor dia do ano. Eu acho que eu gosto mesmo é de uma boa farra cercada de gente querida, sabe? E o que são as festas de aniversário se não isso, né?

Eu encaro o aniversário como um ano novo de cada um. Aquele momento de virada só seu. E, assim como todo ano novo, é um momento de reflexão, balanço, análise. E, nossa, se eu for pensar em tudo que aconteceu na minha vida nesse meu último ano, eu posso dizer que foi um ano e tanto. E que eu tenho mesmo é que comemorar.

Eu diria que foi um ano de descobertas. Descobri pessoas que eu vou levar pra vida inteira. Dessas pessoas que você conhece e parece que sempre esteve por perto, sabe? Amigos incríveis. Descobri músicas novas e a minha incrível capacidade de me viciar em coisas que eu acabei de conhecer. Descobri receitas novas que eu repito sempre. Tenho descoberto um pouco a cada dia como é trabalhar pra uma empresa minha, construir meu pé de meia. Descobri que tem amor que a gente vai descobrindo a conta-gotas, e que é o melhor jeito de amar. Descobri que por mais que a gente mude e evolua, tem coisas aqui dentro que serão sempre iguais.

Todo dia eu descubro alguma coisa nova sobre mim. Não sei se sou eu mudando, ou me conhecendo, ou se eu sou demente mesmo pra passar 28 achando coisas diferentes na minha própria personalidade. Mas a verdade é que se descobrir é uma reflexão diária, e que a gente termina só fazendo o balanço em dias como o ano novo.

E acho que também é um momento pra gente agradecer pelas coisas boas, sabe? O que será da nossa vida, do nosso dia de amanhã, se não houver gratidão? Então eu queria muito agradecer aos amigos que estiveram comigo em momentos difíceis, e nos felizes também, nesse último ano. Não adianta dizer nome por nome, vocês sabem quem são e o quanto são importantes na minha vida. Agradecer a minha mãe por me mostrar cada dia a força que eu herdei dela. Agradecer ao meu pai por sempre me apoiar nas minhas decisões, mesmo nem sempre concordando com meus passos. Agradecer ao meu irmão e a minha irmã por me mostrarem o lado bom da saudade, e que o bom de ser a irmã mais velha e poder acompanhar os passos de cada um, desde sempre, pro orgulho do caminho ser dobrado. Agradecer a Chica por ser minha companheira de vida todos os dias. Agradecer aos meus sócios que embarcaram nessa aventura empreendedora comigo, pela paciência com as diferenças, pela força nas dificuldades e pelos motivos pra comemorar. Agradecer a você, meu bem, por me lembrar todos os dias que temos todo tempo do mundo.

Agradecer a cada pessoa que me acompanha um pouco e vive um pouco da minha vida junto comigo. Porque eu gosto de viver assim, livre e abertamente, compartilhando minhas alegrias e minhas angústias. E fico feliz quando, de alguma forma, me vejo ajudando alguém a se entender também. Obrigada mesmo.

E que venha mais um ano. :)

casamarela

um pensamento sobre fazer companhia

companhiaNa sexta-feira me peguei escrevendo um super email de notícias pra mamãe e papai, atualizando eles das últimas da minha vida corrida. E entre as novidades de mudança de emprego, de rotina e de tudo mais, me peguei pensando no quanto pode ser solitária essa vida tão turbulenta.

Acordar pra trabalhar, trabalhar até ir dormir, isso com alguns poucos intervalos no meio. Todos os dias. Sabe aquela sensação de ter trabalhado um mês em 5 dias? Pronto. Aí chega no final da semana e tudo que eu quero é descansar. Não é sair, não é curtir, é apenas descansar. Colocar as pernas pra cima, ver um filme, abrir uma cerveja. E foi quando eu me peguei pensando sobre as companhias para alguns momentos.

É fácil você ter companhia pra fazer qualquer coisa, né? Pra comer, dançar, correr, viajar. É fácil ter companhia pra fazer compras, ir num cinema, numa festa. É fácil até ter companhia pra fazer obra, bater lage, fazer mudança. Mas as vezes tudo que a gente precisa é de uma boa companhia pra fazer nada.

Um encontro que não depende de nada pra existir, sabe? Onde o silêncio não incomoda, mas que a conversa é bem vinda. Onde pode ter uma bebida ou não. Uma comida ou não. Um filme ou não. Uma companhia apenas pela parceria, pelo encontro. Porque na correria a gente vive cercado de gente, mas a sensação de estar sozinho é constante. Não sei se sou só eu que sinto isso, por conta da minha carência geminiana eminente. Mas a verdade é que por mais um bom tempo sozinha tenha o seu valor, as vezes a companhia para o nada faz toda a diferença.

Então começo a semana com esse pensamento que permeou meu fim de semana. Vamos ser a companhia que não precisa de motivo pra estar junto, porque essa sim é a parceria de verdade. Pra fazer qualquer coisa, existe qualquer pessoa. Pra fazer nada, só existe a gente. :)

eu acredito em contos de fadas

Sempre quando eu vou pra uma reunião da família Miranda, eu volto com o coração cheio. Pense numa família incrível é essa que eu tenho, viu? Foi aniversário do meu pai na semana passada, e as comemorações foram de Santos até Juiz de Fora. E dessa vez, especialmente, eu reparei mais em uma coisa: no amor dos casais.

Tudo começou no jantar no dia do aniversário de papai. Ele reuniu uns amigos em Santos, uns 20 casais. Fiquei lá observando um pouco e sem querer fui vendo a beleza daquelas relações. Casais mais velhos, outros mais novos. Uns mais carinhosos, outros mais contidos. Mas todos ali pareciam tão amigos, antes de qualquer coisa. Acumulavam histórias e tinham um entrosamento que as vezes parecia um balé. É amor.

Chegando em Juiz de Fora encontramos um casal muito querido, amigos de papai aqui de Recife e meus tios de coração. Sempre vi Tio Augusto e Tia Zilá como uma família linda, pais de um casal e agora a espera do terceiro neto, eles parecem mais radiantes do que nunca. E passam essa amizade, essa parceria que é linda de ver. E num almoço, Tio Augusto contava a história de uma viagem que eles fizeram. Tia Zilá, com pavor de avião, tomou uma dose a mais do calmante e ficou completamente dopada. Ele tendo que segurar ela enquanto ela balbuciava nada com nada com a aeromoça, entre outras vergonhas que ele passou. Então ele brincou dizendo “Olhe, eu nunca tive vontade de me separar não, mas de matar…”. hahaha! É ou não é uma frase de amor? Porque claro que todo relacionamento teve seus mil perrengues, mas o importante é sempre passar por eles. É amor.

Depois disso tivemos a chance de sentar com meus avós num quartinho da casa, e conversar um pouco sobre a vida deles.vovó e vovôEsse mês fez 50 anos que eles estão morando na mesma casa. Na verdade, no mesmo lugar, porque a casa antes era um barraco sem água, sem esgoto e sem espaço pra família com 8 filhos. Mas eles persistiram e resistiram, e foi com muita força e fé que construíram a vida deles. A história é longa e vale um livro. Mas posso dizer que eles criaram todos os filhos com o suor do trabalho, com honestidade e passaram por poucas e boas. Saíram da roça, do Alto do Rio Doce, e a trajetória deles ao longo de mais de 70 anos de casados reúne tristeza, superação, alegrias, sustos, alívios e tudo mais que uma verdadeira história de amor precisa ter. E é incrível ver os dois juntos, se olhando, sorrindo. Um cuidando do outro. Trocando carinhos. E reparar no orgulho que eles tem em contar a história deles é inevitável, porque os olhos brilham. É lindo. É amor.

E com uma família grande, sempre tem gente apresentando namorado, marcando casamento, comemorando aniversário de casado. E entre tanto amor acontecendo, eu recebi também a família que a gente escolhe, que são nossos amigos, né? Tive o prazer de reencontrar Rafa e Cami (lembram do Naminhapanela?) que foram lá pra Juiz de Fora comemorar com papai. São um casal que eu amo e que desde que voltaram pro Rio eu sinto a maior saudade. São amigos que eu sei que posso contar, que não importa o quanto a gente passe sem se ver nem se falar, o carinho não muda. São família de coração. E quando eu vejo os dois juntos, entre carinhos e reclamações, eu lembro que além de admirar cada um por si, eu admiro o casal. Com 30 anos, eles têm 16 anos juntos, é mais da metade da vida compartilhada, mesmo tão novos. E já passaram por tanta coisa. Mudaram pra Recife, voltaram pro Rio, alegrias e perrengues, e os dois sempre juntos. E o brilho no olho é vivo, uma coisa linda de se ver. Porque não importa a idade, o que importa é que é verdade. É amor.

No último dia, já esperando a hora pra pegar a estrada e voltar, vi o quanto de amor existe na saudade. Da família inteira, desde os meus avós até os 3 tataranetos deles, nós só perdemos uma tia. Tia Nézia, irmã de papai. Mas claro que a família inteira é uma só, e Tio Vicente, marido dela, sempre faz parte de todas as comemorações da família Miranda junto com toda a trupe de Barbacena. E eu nem tinha me dado conta que já faz quase 10 anos que minha tia se foi, até ele começar a falar dela. Ele fala com um amor que enche os olhos dele e de quem estiver perto pra ouvir. A cumplicidade que existe ainda é impressionante. Ele diz que ela está com ele sempre, e conta as histórias de que nunca saiu de casa sem dar um beijo de despedida. E se na correria ele fosse saindo pela porta despedindo só com um tchau, ela perguntava veemente “não está esquecendo nada não?”, e ele voltava pra um afago. Isso durante quase 40 anos de casados. Uma vida dedicada ao amor e a família, que vira história e emociona. É amor.

Então deu pra perceber que esses dias eu tive uma overdose de amor, né? Porque isso foi só o que eu consegui contar, mas se a gente parar pra observar o amor pipoca do nosso lado o tempo inteiro. Em pequenas cenas. Em grandes histórias. Em pequenos casos. Em grandes casamentos. Se você parar pra ver, vai poder reparar que muito mais vezes, é amor. E eu finalizo esse post com um poema que meu avô escreveu pra minha vó, em 1995. Sim sim, ele é poeta e em todo aniversário dela e aniversário de casamento ele escreve uns versos, que ele fez questão de ir trazendo pra mostrar pra gente, um a um. Então meus amigos, se isso não é conto de fadas, eu não sei o que é. Só sei que se tem amor, eu acredito. E ponto.poema vovôFiquem com amor, muito amor. <3

 

Página 1 de 221234567...20...Última »