home sobre mim sobre o blog mídia kit

Todos os posts sobre gato

faça você mesmo: fonte de água para gatos


bebedouro fonte de agua para gatos 8Depois do faça você mesmo um arranhador para gatos, chegou a minha vez de testar as habilidades (e a boa vontade de Gato Gil) pra fazer uma fonte de água. Antes que eu esqueça, gostaria de dizer que Gato Gil está usando o arranhador, ao contrário do que ele me fez pensar nos primeiros dias hahaha :P

Desde novinho Gato Gil gosta de beber água na torneira, e várias vezes quando eu passo o dia fora e chego de noite ele dá uma carreira pra cima da pia do banheiro e fica me esperando pra ligar a torneira. E como a gente sabe, gatos podem ter problemas renais e, por isso, precisam beber muita água. Aí pra que ele tivesse sempre uma água fresquinha em movimento, pensei em comprar uma fonte para ele.

Pesquisei na Internet e uma fonte legal era na casa dos R$200 pra cima, e eu certamente piranguei valendo. Então comecei a ver algumas formas de fazer a bomba, e cheguei num formato que gostei: sem cola, sem grandes apetrechos e bonitinha. É uma fonte pro gato, não é decorativa. Mas de toda forma eu achei uma graça, e já paquerava esse baldinho faz tempo e não sabia onde usar hahaha :P

Então aqui vai o passo a passo pra ver que é bem simples.
bebedouro fonte de agua para gatos bebedouro fonte de agua para gatos 2De material vamos precisar de um baldinho (eu escolhi de alumínio pra deixar a água sempre geladinha) que tenha uma profundidade legal para cobrir a bomba de aquário que precisa ficar submersa. Aí também vamos precisar de uma “tampa” que eu fiz com uma forma de bolo também de alumínio, que encaixe no baldinho. Nela vamos fazer dois furos, um para passar a mangueira de plástico e outra pra ser o ralo da água. Os furos eu fiz com a furadeira mesmo. Furei com a broca de metal, mas como não tinha de tamanho grande eu “arrombei” com uma broca nº 10 de parede mesmo. Na foto eu ainda não tinha alargado o segundo buraco, mas vi que a água não tava descendo como deveria, aí alarguei também. Comprei um pouco de arame também, caso fosse preciso para segurar a mangueira no suporte. Mas nem precisou.bebedouro fonte de agua para gatos 9bebedouro fonte de agua para gatos 5Eu comprei a bomba de aquário e na própria loja o moço me ensinou como faz pra usar e onde deve encaixar a mangueira de água. A que vem junto com a bomba é muito fininha, aí fui no armazém e comprei uma maior. Essa foto aí de cima é o retrato da inexperiência. Com o cano nessa altura e sem noção da força da bomba, eu liguei na tomada e joguei água em todo lugar, menos dentro do balde hahaha :P Acontece, né? Então cortei mais um pedaço dele e ficou assim, bem de boas. A bomba que eu comprei tem umas ventosas que grudam na lateral do baldinho e faz com que ela não encoste no “chão” do balde. Aí também é preciso deixar uma margem de uns 2 dedos de água acima da bomba, pra ela não estragar.bebedouro fonte de agua para gatos 4 bebedouro fonte de agua para gatos 3Depois que coloquei água e liguei a bomba levei Gato Gil pra conhecer, mas ele ficou todo desconfiado. Nesse vídeo aqui no Instagram dá pra ver a cara de assustado dele. E eu achei que seria mais uma coisa que eu ia me dedicar pra fazer e ele não ia ligar. bebedouro fonte de agua para gatos 6 bebedouro fonte de agua para gatos 7 Mas eis que tudo mudou e depois de pouco tempo ele tava super empolgado bebendo no baldinho! Uhu! Ele não tava bebendo da água que sai da mangueira, como seria na torneira… Mas… Estava bebendo água e é isso que importa, né? :) Aqui embaixo o vídeo que não me deixa mentir hahaha :)

Dá um prazer danado fazer as coisas para os nossos filhos, né? E o melhor: ao invés de gastar R$200 eu gastei R$80 e pude fazer do meu jeitinho. :) O único problema dessa fonte é que ela fica em cima da mesa que eu trabalho, e esse barulhinho de água o dia todo só me deixa com vontade de fazer xixi o tempo todo hahaha :P


meu instagram viu – abril 2015


Eu tô bem decidida a tornar esse Meu Instagram Viu uma série mensal, tanto que tirei os números e tô colocando o mês que as fotos foram tiradas, assim acho que vou conseguir manter a frequência hehehe :P É que eu adoro rever as fotos do meu Instagram, e quando começo a selecionar quais eu trago pra cá, dá vontade de colocar todas! :P Mas aí deixo aqui só um pouco do que eu mais queria repetir, aí já vale :) E quem quiser acompanhar todos os posts, segue lá o @terrinha :)meu instagram viu Meu Instagram Viu a alegria de Chica à milanesa num dia de praia.

meu instagram viu 2Meu Instagram viu o brownie recheado incrível da Chocolate, Poesia e Arte, que me faz chorar de saudades só de lembrar.

meu instagram viu 3Meu Instagram Viu meu afilhado Cuscuz ser lindo, num dia que fui ficar de babá e babar por essa beleza toda <3

meu instagram viu 4Meu Instagram Viu meu novo vício em receita de peixe: tilápia coberta com wasabi. <3

meu instagram viu 5Meu Instagram Viu um pouco do #meumoleskine pra juntar a cabeça e o coração. <3

meu instagram viu 6Meu Instagram Viu meu dia começar com tapioca, café e o livro lindo que ganhei de presente da linda Rafa <3

meu instagram viu 7Meu Instagram Viu meus oréganos começando a nascer pra fazer minha horta brotar de verdade. :D

meu instagram viu 8Meu Instagram Viu quando eu precisei arrumar sozinha a corrente da minha bicicleta, e ostentei as marcas de graxa como um troféu. :P

Para acompanhar todos os posts do meu Instagram, segue aqui: Terrinha.

E aqui estão os outros posts da série “Meu Instagram Viu” e até o mês que vem!


sobre o papel das pessoas (e dos bichos) na vida da gente


Eu sempre digo que eu acredito muito no papel das pessoas uma na vida das outras, e que nada é por acaso. E o mesmo vale para os bichos. Eu acredito que quando conhecemos uma pessoa, nós temos um papel na vida dela, e ela na nossa. É assim com as amizades, os relacionamentos, os colegas de trabalho, a família. Se a gente parar pra pensar, conseguimos ver que viramos pessoas melhores, ou fomos parte da melhora na vida de alguém, depois de um relacionamento. Aqueles amigos que você conhece e se aproxima muito rápido, ou aquelas pessoas que a vida naturalmente cuida de afastar. Nada disso, na minha cabeça, é por acaso. É parte da nossa missão de vida, sabe? É nisso que eu acredito.

E isso também vale para os bichos. Eu fico pensando o que seria da minha vida sem Chica nesses últimos quase 6 anos. Eu passei por tanta coisa enquanto só ela estava do meu lado, sabe? Momentos tão bons, outros tão difíceis, outros tão decisivos. Ela sempre esteve comigo. Assim como eu também estive com ela quando ela esteve super doente, e quando levei pra brincar na praia. É o meu papel na vida dela, cuidar e retribuir tudo que ela faz por mim, todos os dias.

No dia 10 desse mês, dia do meu aniversário, eu resolvi que me daria um presente. Pra mim e pra Chica também. Eu adotei um gatinho! Fazia muito tempo que eu queria um gato e uma companhia pra Chica, e achei por bem fazer isso por nós agora. Então depois pesquisar onde adotaria, como faria, depois de conversar com uns amigos, decidi que ia resgatar um dos Gatinhos da Beira Rio. Sempre paquerei aqueles gatinhos que ficam ali, expostos a tantas maldades e aperreios. Então fui um dia lá com meu namorado e uma amiga nossa, olhar a ninhada que tinha sido abandonada há poucos dias. E eram todos lindos! É quando eu tenho a certeza de que se eu morasse numa casa, eu seria a velha dos gatos e cachorros. Tenho vontade de colocar todos debaixo do braço e levar pra mim. :)

Um deles era o mais serelepe. Brincando de um lado pro outro, começou a subir na árvore. E subiu, e subiu, e subiu… E pronto. Ficou láááá no alto, miando, sem conseguir descer. Ele era tão pequeno, cabia na minha mão. Pois é, eu não ia sossegar enquanto a gente não conseguisse tirar ele de lá. O que adiantava a gente ter ido pra eu adotar um gato, salvar da rua, se eu ia deixar um lá em cima abandonado sem saber se ele ia conseguir descer? Então Victor (meu herói <3) foi num bar próximo, pegou uma escada, subiu na árvore e me “jogou” o gato. Pronto, depois disso eu tive certeza: é esse! E voltamos com ele pra casa.

E o amor por ele foi instantâneo. Tão lindo, tão pequeno, tão frágil. A relação dele com Chica começou melhor do que eu imaginava.. Ela com medo dele, mas cedendo aos poucos. Ele virado, só queria saber de subir nas coisas, no armário, no cabideiro. Estava lindo de ver. Mas como todo gatinho de rua, eu levei no médico pra ver como ele estava. Como era muito pequeno e estava muito frágil, não ia ser vacinado ainda… Então foi apenas vermífugo e anti-pulgas. E os dias passaram tão rápido. Em uma semana tanta coisa aconteceu.

Um dia eu acordei e ele estava mancando. Deve ter pulado alto de algum lugar no quarto e se machucado. Levei pro médico e ele ficou tomando a dose de 1 gota de remédio. 1 gota! :) Depois disso, eu vi que ele estava diminuindo o ritmo de alimentação… Bebendo pouca água e tudo. Então cheguei um dia e ele estava fraquinho, molinho. Levei no médico e ele estava desidratado. Ficou no soro por algum tempo, a agulha era do tamanho da pata dele. Tomou umas 6 injeções e voltamos pra casa. Eu estava tentando dar água e comida pra ele na seringa, mas ele não estava aceitando muito.. No outro dia eu voltei com ele pro médico pra pegar o resultado dos exames e reavaliar. Ele estava com brônquio-pneumonia e ia ficar internado. E a partir dali eu já comecei a chorar. Tão pequeno, tão frágil, e já passando por isso tudo. Me parecia tão injusto, sabe?

E no outro dia eu acordei às 6h30 com a ligação do hospital, avisando que “senhora, o gato Biu veio a óbito”. Eu acho que demorei pra entender a mensagem. Acordando, sonhando, pesadelo, o que era? Foi uma eternidade pra mim, mas acho que na verdade foi bem rápido. Já levantei da cama já aos prantos. E me dei conta de que eu posso levar uma vida inteira pra me apegar a uma pessoa, pra dizer “eu te amo”, pra chorar de saudade. Mas por um bicho assim, basta um dia, um olhar, que eu já estou totalmente entregue. E chorava feito uma criança. E, invariavelmente, eu pensava: e quando for Chica? E chorava ainda mais.

Então fui no hospital pra ver o que tinha que fazer, e a médica me disse umas palavras que acalmaram um pouco meu coração: você fez tudo que podia e deu a ele uma morte digna. Ele morreu sedado e respirando no oxigênio. Se tivesse na rua, poderia morrer sem respirar e sofrendo. E foi quando eu comecei a pensar no meu papel na vida dele. Foi rápido e intenso. Foi sincero. Foi lindo. Chorei o dia inteiro. Eu já tinha postado fotos e vídeos dele, e sempre que alguém me marcava numa publicação de gato e cachorro, eu começava a chorar de novo. E de novo. Eu não seguro choro, sabe? Não mesmo. Choro sem medo, sem vergonha. Choro e pronto. E foi assim que eu passei um dia inteiro. Imersa nos meus pensamentos e chorando. Mas meu conforto era esse: eu fiz o que podia e o que não podia por ele. Dei a ele todo meu amor, carinho, atenção, casa, comida, cuidado. Então meu coração ficou tranquilo.

Esses dias recebi a notícia de que a irmã dele, da mesma ninhada, tinha sido morta por um viciado em crack lá na Beira Rio. Não conseguiu ser adotada e foi morta esganada por ele. Meu deus, que tipo de gente é essa? E, por mais triste e horroroso que isso tenha sido, foi mais um conforto pra mim, sabe? Eu tirei ele dessa. Então dei o tempo do meu coração se acalmar, ficar mais tranquilo, e comecei a pensar em adotar outro gato. Porque não, né?

Então desde sexta-feira estou com Gato Gil, adotado da casa de uma moça linda, cheia de gatos e de amor pra dar pra eles. Já maiorzinho, mais esperto, mais danado. A relação dele com Chica ainda é difícil, e talvez continue sendo, mas acho que eles serão felizes juntos um dia. E eu tô feliz com eles. E sei que, aconteça o que acontecer, os nossos papéis são cumpridos dia após dia. Um na vida do outro. E, no fim das contas, a lição que eu tomei disso tudo é que jamais podemos nos deixar endurecer. É assim com qualquer relação. Um coração partido tem o seu luto até se abrir ao amor de novo. Uma confiança quebrada tem o seu luto até uma amizade surgir de novo. A tristeza de perder um animalzinho tem o seu luto até se permitir cuidar de outro. E todos são insubstituíveis. Os amores, os amigos e os bichos. Afinal, cada um é um e tem o seu papel. Jamais serão iguais, jamais serão parecidos. Nos resta aprender e não ter medo de amar de novo.

E vamos seguir nossa vida e nossos papéis, porque ainda tem muita gente, e muitos bichos, precisando de nós por aí.

Gato BiuGato Biu

 

Gato Gilgato gil

Adote um animalzinho e veja a mágica acontecer dentro do seu coração.

Boa semana, gente.


meu sonho: ser a velha dos bichos


Eu fui uma criança de apartamento. Na verdade, eu sou uma pessoa de apartamento. Nasci, cresci e moro até hoje em apartamento. E o pior, tudo entre crises de asma e rinite alérgica. Ou seja, ter bichos sempre foi um problema. Quando eu era bem mais nova, depois de pular muro da casa de vizinhos pra brincar com os cachorros deles e me abraçar com qualquer vira-lata que cruzava meu caminho, mamãe e papai fizeram os seus esforços pra realizar meu sonho de ter cachorro.

Primeiro, uma poodle da qual eu lembro pouco… Lembro mais dos carrapatos e dos pelos que ela soltava pela casa do que dela propriamente. Não funcionou. Depois tentamos um husky siberiano. Sim, num apartamento. Sim, em Recife. Sim, ele avançava na geladeira toda vez que a gente abria a porta. Mas era uma raça que na teoria tem cabelo, e não pelo. Então poderia ser uma boa saída pra minha alergia. Mas enquanto não atacava minha rinite, atacava a casa inteira. Louco, destruidor e plenamente não adaptável. Não funcionou e foi o primeiro que eu me apeguei fortemente. Lembro até hoje o quanto eu chorei… bizuDepois dele a última tentativa foi um miniatura pinscher usando o pensamento: ele tem pelo baixo, pouquinho, não vai causar tanta crise assim, certo? Errado. Erradíssimo. Foi minha pior crise alérgica de todos os tempos. Noites de nebulização, emergência, hospital. Um terror. Triste. Depois disso, ficou decidido que não teríamos mais cachorros…

Nesse meio tempo ainda tivemos Tita, uma jandaia que mamãe salvou de um bar onde as pessoas davam cigarro e cachaça pra ela. Ela era super inteligente e era criada solta em casa. Tão inteligente que um dia que foi enxotada do quarto de uma forma mais indelicada ficou triste e pulou da varanda. Pois é, um pássaro suicida. E entre todos os bichos, qual o único que não podia me dar alergia? Isso mesmo. Peixe. E mamãe tentou sanar minha carência ~animal~ com um belo peixinho. Mas eu resolvi tirar ele do aquário pra fazer carinho e… Pois é. Matei de amor. Então deu pra ver que meu começo com os animais foi meio difícil, né?

Aí depois nasceu minha irmã, também alérgia e asmática e nós decidimos não correr mais os mesmos riscos. Então eu só voltei a ter bicho lá pros 20 anos, depois que eu saí de casa. Que foi na mesma época que mamãe voltou a ter cachorro, pegou Lua, uma maltês fofa e chata, que está lá com ela até hoje.

E meus primeiros bichos depois que eu saí de casa foram os gatos. Sim sim, se é pra ter alergia que tenha de verdade hahaha :P E nós pegamos um gatinho novinho que apareceu miando na porta do apartamento térreo que a gente morava. E esse foi meu primeiro filho, Bob. Lindo, carinhoso, companheiro, inteligente. Mas a gente criou ele pro mundo, deixando a janela aberta para ele sair e voltar quando quisesse. Alguns dias da gente chegar e ter 5 ou 6 gatos dentro de casa, até o dia que não tinha mais nenhum. Bob foi e não voltou mais… A gente sabia que isso ia acontecer e já estava esperando, mas chorei tanto… Tanto…

bobE a segunda experiência foram as meninas. Duas gatinhas lindas e pretinhas que a gente salvou do meio de uns escombros. Elas foram abandonadas tão pequenas, mas tão pequenas… Mas a gente não podia criar, a gente ia se mudar pra outro apartamento e sabia que elas não iam se adaptar a ficar trancadas e tudo mais. Ainda tentamos, mas não deu. Elas eram lindas, irmãs, companheiras. Preta e Branca. Pretinha a mais nova, meio maluca e desregulada. Magrinha e desajeitada. Branquinha de uma pose, pompa e elegância que só ela. Terminaram na casa de um amigo nosso em Aldeia, com certeza mais felizes do que trancada num apartamento, enquanto meu coração apertava mais uma vez.

pretinhabranquinhaE depois delas, hoje eu tenho Chica, minha filha, meu amor incrível. Já morou comigo em três apartamentos diferentes, já me viu casar, separar, mudar de emprego, chorar, sorrir, viajar, tudo. Chica é incrível, minha preta pretinha, amor da minha vida. Um olhar humano no corpo de uma cachorra maravilhosa. Não tenho nem o que dizer, o amor que eu sinto por ela acho que reúne o amor de todos os outros bichos que eu tive numa só.

chicaE eu tô aqui, declarando todo meu amor aos meus bichos e contando a história dos animais da minha vida por um único motivo: quando crescer eu quero ser a velha dos bichos. Sério. Quero morar numa casa grande, com espaço pra criar todo tipo de bicho que eu quiser. Adotar cachorros, pegar gatos na rua, peixes que eu não tire pra fazer carinho, até pássaros eu criaria se não precisasse prender. Talvez papagaios, ou esses que a gente cria soltos. Sim sim, eu toparia ter todo tipo de bicho.

No último domingo fui até a casa de Lisiane, uma vizinha de mamãe que é muito querida e tem uma casa maravilhosa, onde ela mora com o marido, os dois filhos, um gato persa, um gato vira-lata adotado, uma border colie, uma akita e dois papagaios. Aí aproveitando que mamãe agora também pegou um gato, irmão desse adotado de Lisiane, passei o dia tirando foto dos bichos e sonhando com o dia que eu vou morar numa casa e ser a velha dos bichos. Sim sim, isso é um projeto de vida.

casa dos bichoscasa dos bichoscasa dos bichoscasa dos bichoscasa dos bichoscasa dos bichoscasa dos bichoscasa dos bichoscasa dos bichoscasa dos bichosDepois de ver essas coisas lindas, como não querer ser a velha dos bichos, me diz? E esses papagaios GARGALHAM. Sim! Eles gargalham de forma estridente, gritando, igual a Lisiane hahaha E, claro, que eu não aguentei quando ouvi e caí na gargalhada também, né? casa dos bichosAgora vai me dizer que esses bichos não deixam a vida das pessoas mais feliz? Claro que deixam, claro que deixam. Então se eu tenho um projeto pra minha vida daqui a alguns anos é ser feliz numa casa com espaço e muitos, muitos bichos. :D

Boa semana pra quem ama mais bichos do que as pessoas hahaha! <3



© 2017 - ideias de fim de semana