Author Archives: Anna Terra

social mesa de bar – a saideira e a conta

social mesa de bar 10Lembram que eu fiz o convite aqui pro Social Mesa de Bar, lá em João Pessoa? Então, uma galera foi lá conferir e eu adorei! Saí de lá dizendo que se as pessoas gostaram do curso tanto quanto eu, ele valeu a pena. Primeiro porque eu consegui entender mais do que nunca a proposta da Camino Fermento Criativo, de levar o conhecimento prático de mercado para as pessoas, de forma leve e desconstruída. Fora de salas de aula, em ambientes descontraídos, e ainda tinha uma cervejinha e uns bons drinks pra quem quis.

O sábado foi um dia intenso de conteúdo, falei mais do que a mulher da cobra. Mas consegui ouvir um pouco do que as pessoas tinham pra me dizer também, Porque eu acho que o grande trunfo desse tipo de curso é a troca de experiência entre todo mundo. Por isso eu posso dizer que aprendi tanto com essa galera :) No domingo foi mais a hora da prática, onde a gente conseguiu aplicar um pouco do que conversamos no dia anterior. E o que eu achei massa foi ver a galera concentrada e se divertindo no exercício. Achei sensacional e consegui aprender muito com a visão de cada um. Aí, enquanto eles analisavam, eu fotografava :Psocial mesa de bar 8 social mesa de bar 7 social mesa de bar 6 social mesa de bar 5Teve até brownie fit DELICIOSO da Priscilla, gente <3

social mesa de bar 4 social mesa de bar 3 social mesa de bar 2 social mesa de bar 1O lugar é lindo, né? Então aguardem um post com mais fotos lá da Casa de Irapa, que eu não ia deixar passar em branco :D E pra finalizar, umas fotos de Gabi, da Camino, que registrou tudo com o maior carinho do mundo. Todas as fotos vocês podem ver aqui na fanpage da Camino. E, se eu fosse você, me inscrevia logo no próximo curso que vai ser massa! Fica de olho lá ;)social mesa de bar 9 social mesa de bar 14 social mesa de bar 13E eu finalizo com a minha cara de boba, que foi o resultado do curso: alegria, leveza e sensação de dever cumprido <3 Mais uma vez, brigada demais, gente! E até a próxima.social mesa de bar 12

cachorro quente de forno sem mimimi

cachorro quente de forno 6Cachorro quente não combina com mimimi, por isso aqui vai uma versão de cachorro quente de forno sem o menor mimimi, mas com muito sabor :) Quem preparou foi meu irmão do coração, Yuri, que continua me devendo o hambúrguer. Cobro mesmo. :Pcachorro quente de forno 2cachorro quente de forno 5cachorro quente de forno 4cachorro quente de forno 3Não tem mimimi e nem segredo, a receita toda dá pra ver pelas fotos. Mas não se engane, tem um pulo do gato. ;) Primeiro Yuri abriu linguiças dessas calabresa fininhas, sabe? Aí abre no meio e coloca no forno pra dar uma assada. Enquanto isso, é a hora de preparar o molho, que é onde entra a dica da casa. Ele pegou uma das linguiças, abriu e tirou o recheio, deixando em pedaços e sem a pele. E isso ele usou no refogado com cebola, alho e tomate pelado. É o que vai dar o sabor todo especial, sacou?

Então é abrir o pão francês aí em cima, ao invés de abrir de lado como se fosse comer pão com ovo :P Aí coloca o molho, mas vê se não exagera pra não destruir o pão e derrubar tudo, beleza? Aí é colocar a linguiça e cobrir com queijo muçarela. Podia enrolar o queijo na linguiça? Podia. Podia rechear a fenda da linguiça com queijo? Podia. Podia ser queijo parmesão fresco ralado na hora? Podia. Mas esse é sem mimimi, lembra? Então é colocar por cima, jogar um orégano e voltar com isso pro forno.

O tempo é pouco, coisa de 10 minutos. Só pro pão dar uma aquecida, uma torrada, o queijo derreter e você passar esses 10 minutos sentindo o cheiro e aguçando a sua fome, o que vai deixar tudo ainda mais gostoso.

Agora se você quer uma opção mais ~elaborada~ tem essa daqui do Rolê Gourmet que, bicho, não é careta não.

salada assada de tomatinhos, palmito e ricota

salada assada 1salada assada 2salada assada 3Essa receita é daquele tipo que é tão simples que parece até pretensão chamar de receita hahaha Ela se explica basicamente inteira só no título do post :P Mas quando postei essa foto no Instagram ontem, algumas pessoas me perguntaram como fazia. Aí aproveitei que tirei umas fotos com o celular e reuni aqui pra passar essa dica :)

Peguei tomatinhos “uva”, desses que já são mais doces, sabe? Aí abri no meio e coloquei na assadeira. Coloquei um pouco de bicarbonato de sódio em cima deles, bem pouco mesmo, pra quebrar a acidez. Então coloquei pimenta do reino, vinagre de maçã, azeite e orégano. Coloquei no forno médio por uns 15 minutos. Depois eu tirei e coloquei o palmito cortado em fatias, cubos de ricota por cima dos tomates e um pouco mais de orégano. Voltei pro forno por mais uns 15 minutos.

Depois é só tirar e servir como acompanhamento :) No meu caso, combinou super bem com um risoto de 7 grãos com cenoura e açafrão, e um peito de frango grelhado.

Bom apetite. :)

cais do sertão

cais do sertao 1cais do sertao 20cais do sertao 17cais do sertao 5cais do sertao 18cais do sertao 14cais do sertao 6cais do sertao 4cais do sertao 2cais do sertao 3cais do sertao 7cais do sertao 8cais do sertao 13cais do sertao 9cais do sertao 10cais do sertao 11cais do sertao 12cais do sertao 15cais do sertao 19cais do sertao 16Depois que eu fiquei totalmente encantada com o Paço do Frevo, eu estava devendo uma visita ao Cais do Sertão, e ainda bem que eu tratei de ir logo. Gente, que lugar INCRÍVEL! É uma experiência que todo mundo deve viver, sério. A começar pela recepção. Pessoas simpáticas e instruídas a orientar todos os visitantes sobre o lugar, os territórios das exposições, tudo. Depois, quando você entra dá de cara com um lugar lindo, enorme e com tantas coisa bonita que você fica querendo olhar tudo ao mesmo tempo. No meio de todo o espaço tem a representação do Rio São Francisco, com água e peixes de verdade <3 Coisa fofa e que deixa o ambiente ainda mais agradável.

Pelo espaço podemos ver reproduções de roupas, acessórios, casas, ferramentas, tudo que envolve o cotidiano dos sertanejos e vaqueiros. É uma riqueza de história e cultura impressionante. Ao longo de todo o espaço podemos interagir com projeções, totens touch screen, áudios, vídeos, tudo. Essas coisas que prendem a nossa atenção e deixam a experiência da visita ainda mais viva, sabe? Pronto. A parte que tem a história de Luiz Gonzaga em áudio, vídeo e peças histórias é muito interessante e vale a pena ir olhando e ouvindo devagarzinho, uma a uma. Você se emociona, gargalha e aprende um bocado.

É impossível tentar descrever tudo que você encontra por lá, só no primeiro piso. Mas outra coisa que me encantou também foi o Túnel do Capeta, esse corredor cheio de espelhos e projeções que fica xingando você o tempo inteiro. São vozes sussurradas que profanam “capiroto, coiso ruim, cafuçú..” entre outros elogios do nível hehehe :P

O primeiro andar é super divertido! Tem a exposição da discografia quase completa de Luiz Gonzaga, além de salas áudio. Tem umas de karaokê, onde você seleciona a música e sai cantando, e depois escuta o resultado (ou não, como eu que não quis nem ouvir hehehe). Tem outras de mixagem, que você fica controlando os canais de som das músicas que você escolhe. E tem também a sala dos instrumentos, onde ficam lá à disposição instrumentos diversos para as pessoas interagirem. Mamãe mesmo tirou um som no violão, acompanhada por um dos monitores no pandeiro, que eu uso pra encerrar esse post. :) Porque eu acho que não preciso dizer mais nada além de: façam essa visita e vivam essa experiência. É obrigatória pra quem é de Pernambuco, pra quem visita Recife, pra todo mundo. :)

Página 1 de 1731234567...203040...Última »