home sobre mim sobre o blog mídia kit

Todos os posts sobre Ideias

o trabalho encantador de carol levy


carol levy 4 carol levy 3 carol levy 2 carol levy 5 carol levy 6 carol levy 7 carol levyEu já conhecia um pouco do trabalho da contadora de histórias, cantora e encantadora de crianças: Carol Levy. Toda a identidade visual dela é trabalho do querido Betinho Montenegro, e ela tem músicas de Zé Manoel e Jr. Black, só gente massa aqui de Recife. O trabalho de direção de musical e artística é do marido dela, Carlinhos Borges, e eu acho lindo casais que trabalham juntos e não perdem aquele brilho no olhar quando se encontram. <3 Ah, e a produção é da super Raphaela Feitosa, que é pequenininha e virada num mói de coentro, como diz a história.

Quando Carol me convidou pra cuidar da presença dela na Internet, eu me senti honrada em fazer parte desse time com tanta gente massa. Começamos a trabalhar juntas nas vésperas do show de lançamento do CD CantaBicho, e tudo foi uma correria danada. Mas só nas reuniões e nas conversas por telefone já dava pra ir gostando cada vez mais de Carol. Sabe aquela pessoa que quanto mais você conhece, mais admira? Pronto. Sim, esse é um post de rasgação de seda.

O primeiro trabalho mais conhecido de Carol Levy foi o Contarolando, que teve uma temporada na Rede Globo, saiu em DVD e também tem no Netflix pra quem quiser conhecer. É contação de história pra crianças, sabe? Mas que deixa qualquer pessoa vidrada. E acompanhando as redes sociais de Carol é impressionante o quanto as pessoas se encantam e se apaixonam por ela, pelo programa, pelas histórias, por tudo.

Os shows do CD CantaBicho foram nesse fim de semana, e eu tive a honra de acompanhar de perto o primeiro dia. Os bastidores e o show junto com todas aquelas crianças enlouquecidas pra participar. E eu saí do lindo Teatro de Santa Isabel totalmente extasiada. O show é maravilhoso! Carol tem uma voz incrível, canta super bem e ainda dança, tipo nível hard mesmo. A banda dela é ótima e os dançarinos também arrasam. Ou seja, é um baita espetáculo que conseguiu me surpreender muito positivamente.

E o mais impressionante é a relação dela com as crianças. Ela consegue prender a atenção delas de uma forma que eu nunca vi. E quando ela pede silêncio todos fazem automaticamente. E conversando com Carol dá pra ver que é uma via de mão dupla. Ela dá o melhor dela para as crianças e também recebe o melhor das crianças pra ela, como ela mesma disse: é um combustível. Ao final do show Carol faz questão de receber todas as crianças pra beijo, abraço, foto e carinho. E eu pensei que isso deve ser super cansativo, afinal, depois de um show dançando e cantando ela deve sair exausta. Mas ela me disse que é como uma lufada de oxigênio no peito, que é o momento que ela mais gosta e quando ela se renova. Incrível, né? Eu nem consigo imaginar essa sensação, mas que é bonito de ver, isso é.

Enfim, foi bonito demais de ver e eu espero poder acompanhar de perto por muito mais tempo. Ah, e quem quiser acompanhar também, tem o Facebook e o Instagram dela.

Carol, você é demais. Parabéns!


uma casa decorada com as próprias mãos


casa dos bichos pretosEssa casa é o designer Thiago Oliveira, mais conhecido por Oliver Thi, que eu encontrei lá no Hypeness, e foi inteira decorada com as ideias e o suor dele. E dá pra ter muita inspiração só de olhar as fotos. :) Ele pintou chão, parede, teto, armários, móveis, fez a parte elétrica e até a parede de tijolos aparentes. Demais, né?casa dos bichos pretos 2 casa dos bichos pretos 3 casa dos bichos pretos 4 casa dos bichos pretos 16casa dos bichos pretos 17Eu amei a cozinha super colorida! <3 O chão ele pintou com tinta epóxi pra criar esse esse efeito xadrez e as cerâmicas da parede ele jogou tinta acrílica azul e branca. A geladeira é adesivada com vinil automotivo vermelho e as portas do armário foram pintadas com spray amarelo. Mil e uma cores, mil e uma formas de pintar. :D E como não se apaixonar pela escada que virou estante, pelas cadeiras penduradas na parede pra economizar espaço e pela tábua de madeira com latas de sopa Campbells fazendo as vezes de porta acessórios? É pra querer cada detalhe. Ah, e como não comentar que ele também tem um schnauzer preto feito Chica? <3casa dos bichos pretos 6 casa dos bichos pretos 7 casa dos bichos pretos 21O corredor com as fotos está maravilhoso, uma ótima solução pra quem quer uma espécie de varal, só que maior. E essas fotos nos potes de vidro eu também já usei na decoração e acho lindo. :Dcasa dos bichos pretos 12 casa dos bichos pretos 10casa dos bichos pretos 18 casa dos bichos pretos 11casa dos bichos pretos 15O quarto dele é cheio de detalhes lindos, e essa foto noturna mostra a luminária que foi uma das coisas que eu mais adorei. Tanto a luminária principal cheia de lâmpadas, quando as luminárias secundárias que, dependendo do ângulo, ficam enquadradas nas molduras da parede. Sensacional. Ah, e como não querer uma parede de tijolo aparente pra lá? Essa com esse ar incompleto ficou linda!casa dos bichos pretos 8casa dos bichos pretos 5 casa dos bichos pretos 14 casa dos bichos pretos 13 casa dos bichos pretos 20Todos os outros detalhes são fotos e dá pra ir olhando e olhando novamente cada uma das fotos pra ir encontrando inspiração e pensando: isso dá pra fazer! Parabéns Oliver Thi, pela casa, pelas ideias e pela instiga em fazer isso tudo acontecer. Porque eu mesma fico aqui com a cabeça cheia de projetos e não ando com nada. Essa casa me inspirou a tirar alguns do papel. :D

E pra fechar esse post com chave de ouro, um registo dele com os filhos: Yuri, o chowchow, e Ludovico, o schnauzer. Afinal, a casa dele também é a casa dos bichos pretos, que nem a minha. <3casa dos bichos pretos 19


meu instagram viu – abril 2015


Eu tô bem decidida a tornar esse Meu Instagram Viu uma série mensal, tanto que tirei os números e tô colocando o mês que as fotos foram tiradas, assim acho que vou conseguir manter a frequência hehehe :P É que eu adoro rever as fotos do meu Instagram, e quando começo a selecionar quais eu trago pra cá, dá vontade de colocar todas! :P Mas aí deixo aqui só um pouco do que eu mais queria repetir, aí já vale :) E quem quiser acompanhar todos os posts, segue lá o @terrinha :)meu instagram viu Meu Instagram Viu a alegria de Chica à milanesa num dia de praia.

meu instagram viu 2Meu Instagram viu o brownie recheado incrível da Chocolate, Poesia e Arte, que me faz chorar de saudades só de lembrar.

meu instagram viu 3Meu Instagram Viu meu afilhado Cuscuz ser lindo, num dia que fui ficar de babá e babar por essa beleza toda <3

meu instagram viu 4Meu Instagram Viu meu novo vício em receita de peixe: tilápia coberta com wasabi. <3

meu instagram viu 5Meu Instagram Viu um pouco do #meumoleskine pra juntar a cabeça e o coração. <3

meu instagram viu 6Meu Instagram Viu meu dia começar com tapioca, café e o livro lindo que ganhei de presente da linda Rafa <3

meu instagram viu 7Meu Instagram Viu meus oréganos começando a nascer pra fazer minha horta brotar de verdade. :D

meu instagram viu 8Meu Instagram Viu quando eu precisei arrumar sozinha a corrente da minha bicicleta, e ostentei as marcas de graxa como um troféu. :P

Para acompanhar todos os posts do meu Instagram, segue aqui: Terrinha.

E aqui estão os outros posts da série “Meu Instagram Viu” e até o mês que vem!


eu não preciso de você


Toda dependência é ruim. E precisar é uma palavra que carrega esse peso pra mim. Depender de algo ou de alguém é um pesadelo, sejamos justos. Nossa primeira fase na vida é totalmente dependente. Ou temos alguém pra ajudar, ou morremos. Precisamos da nossa mãe ou de alguém que faça esse papel. E cada conquista ao longo da vida é sempre rumo à independência. Pelo menos pra mim é assim. Desde pequena vendi as pulseiras de crochê que eu fazia pra poder comprar os chicletes sem pedir pro meu pai. Não queria precisar dele. Adolescente vendi os biscoitos de aveia que eu fazia pra poder pagar minhas farras sem pedir pra minha mãe. Não queria precisar dela. E assim vamos caminhando para o portão do “eu não preciso de você”.

Aí nos apaixonamos e sofremos aquele amor arrebatador, somos capazes de mudar o rumo das nossas vidas pra viver essa paixão, somos capazes de mover montanhas. Fazemos e deixamos de fazer tudo pensando no outro. Se brigamos o mundo cai, nada mais presta até se fazer as pazes. E então constatamos: eu preciso de fulano pra ser feliz. E quem nunca passou por isso? Seja no fervor da adolescência ou mesmo amadurecendo enquanto adulto, ou até mais velho, quem sabe? Mas o importante é passar por isso. Passar do verbo não passa mais. Passar de ir adiante e deixar isso pra trás. Não necessariamente o relacionamento, não é isso. Acredito que relacionamentos, especialmente os mais longos, tendem a ser vários namoros dentro de um só. As pessoas mudam, o relacionamento também. Então o que eu digo é que não podemos precisar de ninguém pra ser feliz.

Quando precisamos, dependemos. E quando dependemos, não temos opção. E não ter opção faz a gente viver aquilo de forma forçada, obrigada, e tem coisa pior do que você se sentir forçado a fazer algo por não ter outras alternativas? Mas isso não pode acontecer no amor. Ou melhor, quem sou eu pra dizer o que pode ou o que não pode acontecer no amor, né? Mas eu tenho a ousadia de dizer que se você quer ser feliz de verdade, não pode deixar o seu coração ser contagiado pelo vírus do “eu preciso”. Pra ser feliz com alguém é necessário, antes de tudo, ser feliz sozinho. Desculpa, poetinha. Mas é possível, e só é possível, ser feliz sozinho. Porque só assim vamos vislumbrar o outro com nosso coração inteiro.

Isso. Inteiro. Ninguém precisa de metade da laranja, gente. Ninguém pode ser metade. Só se é feliz quando se é inteiro, em busca de outro inteiro para, então, ser feliz a dois. Não virar um só, que coisa insuportável. Somos felizes nós dois, eu e você, lado a lado. E sempre com a opção de soltar as mãos e continuar sozinho. Só me importa caminhar ao lado de alguém que caminhe bem sem mim, porque sei bem que meus passos traçam qualquer caminho sozinhos, por mais tortuoso que seja. Se não for assim, tem um puxando o outro sem nem perceber. E, felizmente, a fase de precisar de ajuda pra andar já ficou pra trás faz tempo.

Posso dizer isso também de outras relações, vale pra todas. Meu relacionamento com a minha mãe, por exemplo, melhorou muito desde que eu saí da casa dela e cortei o cordão umbilical da dependência do mesmo teto. Passei a sentir saudade, a querer mais a presença dela, a querer estar mais em casa com ela, e valorizar mais esse tempo que estamos juntas. Porque eu não preciso. Eu quero. E quero, cada dia mais, estar mais junto dela.

Isso vale para o trabalho. Quando estamos trabalhando apenas porque precisamos daquele dinheiro no final do mês, ou porque devemos uma satisfação, ou porque não temos coragem de soltar as amarras e alçar nossos vôos solo, não rendemos do mesmo jeito. São aquelas pessoas que quando são questionadas “e se ganhar na mega sena?” a primeira coisa que responde é “não venho trabalhar mais”. Porque não tem paixão, não tem vontade. Tem só dependência.

E, claro, que isso vale para os relacionamentos à dois. Não precisar do outro é o primeiro passo para a felicidade. E quando, naquele balanço da relação que volta e meia nos pegamos fazendo, o “preciso” vier demais a mente, está na hora de repensar.

Não quero ninguém precisando de mim. Não quero precisar de ninguém. Quero estar por querer, por vontade, por desejo, por tesão. Quero estar por ser inteira, por querer inteiro, por acreditar que nunca seremos um. Seremos sempre dois unidos pelo amor e pela vontade.

Eu não preciso de você. E isso quer dizer que eu te amo.



© 2019 - ideias de fim de semana