home sobre mim sobre o blog mídia kit

pra não dizer que não falei das flores


paul mccartneylos hermanosEsse foi um fim de semana movimentado e emocionante. Show de Los Hermanos na sexta e de Paul McCartney no domingo. Como não tirar uns minutinhos para escrever sobre eles, né? Mil pessoas já fizeram seus julgamentos sobre cada show, publicaram resenhas polêmicas, levantaram poeira, foram xingados, elogiados e tudo mais. Mas eu não tô aqui pra escrever nada disso. Não tô aqui pra dizer como foi cada um dos shows, e sim como eu me senti em cada um deles.

O show de Los Hermanos na sexta foi muito amor. É uma banda que eu adoro, admiro, curto mesmo. Não sei ser fã de carteirinha de nada, mas é, sem dúvidas, uma das minhas bandas nacionais preferidas. O show é empolgante, daqueles que você grita todas as músicas sem pensar que no outro dia vai estar sem voz. Que você dança sem saber dançar, pula e abraça as amigas queridas. E dá um beijo no amor querido. E dança juntinho. Daquele jeito. Mesmo que o som estivesse ruim. Mesmo que a banda parecesse meio morgada. Mesmo que o setlist não tenha sido o mais animado. Foi lindo, foi maravilhoso, e eu agitaria tudo de novo por um show daquele mais uma vez. Porque o show não está só no som que sai das caixas. Está na companhia que você tem do lado, está no seu humor naquele dia, está no seu momento. E quem vai fazer uma noite ser boa ou ruim, é o seu espírito. E na sexta-feira o meu estava numa alegria só.

O show de Paul McCartney no domingo foi muito amor. É um cara incrível, que fez e faz parte da história de muita gente. Seja como Beatle, seja como Wings ou como Sir Paul mesmo. O show é um verdadeiro espetáculo e seu Paul, no alto dos seus 70 anos, canta com uma voz limpa por quase três horas sem um gole de água. Toca várias guitarras, baixo, ukulele, piano, uma coisa linda de se ver. A banda dele é um espetáculo e o baterista instigadíssimo é um show a parte. É aquele show que você curte cada minuto mesmo sem saber todas as músicas, mesmo sem saber cantar, mesmo sem saber dançar. Que você curte paradinho ou pulando. Abraçadinho com o amor ou quase chorando com a mamãe. Músicas que emocionaram, tocaram o coração, arrepiaram. Show de fogos, superestrutura de iluminação, som, telões. Muita arte nas composições de palco, tudo incrível. Não conseguiria descrever. E meu espírito no domingo era pura emoção.

Dois shows totalmente diferentes e incomparáveis. Um que eu curti do corpo pra fora, soltando toda energia num grito. Outro que eu curti do coração pra dentro, tornando cada momento inesquecível. Dois shows emocionantes e que fizeram o meu fim de semana ser memorável e único. Dois shows que eu tive as melhores companhias para curtir. Os amigos, o amor, a família. Dois shows que me fizeram feliz, e se isso é tudo que a gente quer nessa vida, eu não tenho do que reclamar. Né? :)

E que essa semana siga assim. Entre “Último Romance” e “Blackbird”. Entre “A Flor” e “All My Loving”. Entre tudo, com muito amor. <3


6 comentários sobre o assunto

Anna, cada dia fico mais fã de você!! Los hermanos é uma das minhas bandas nacionais favoritas também e não vejo a hora de chegar dia 05/05 para eu ir vê-los em Brasília!! =D

sílvia

Nooooooossa… como eu queria estar no show dos Los Hermanos. Adoro! É bom pra cantar, pra dançar, pra curtir cada música… E eu nem precisava ir tão longe pra ver. ;)
E o do Paul… só emoção, né?!
Recife bombou!

Amei o blog.

Bjux

Karla Souza

Sua sensiblidade tão bem definida pelas palavras em tantos dos seus textos… É sempre uma inspiração. :)

Lu Cassini

DETALHE, MESMO SEM SABER AS MÚSICAS CURTI ALÍ NA BEIRINHA DO PALCO

Priscila Guimarães

Dona Ana Terra, sempre com seus textos lindos! Parabéns!

Carol

Parabéns pelas doces e vibrantes palavras num descrever feliz sobre os momentos musicais num final de semana marcante para a nossa cidade!

marina

Deixe sua mensagem



© 2017 - ideias de fim de semana