Warning: Illegal offset type in isset or empty in /home/ideiasde/public_html/wp-includes/post.php on line 1168
reflexão | ideias de fim de semana
Warning: Illegal offset type in isset or empty in /home/ideiasde/public_html/wp-includes/post.php on line 1168

Tag Archives: reflexão

o paradoxo dos relacionamentos

spring-awakeningQue manter relacionamentos saudáveis não é fácil, acho que todo mundo sabe. E eu falo de qualquer tipo de relacionamento, namoro, casamento, família, amigos, trabalho, tudo. Porque todo relacionamento é uma via de mão dupla, da qual você só tem controle sobre um dos lados. E é preciso ter cuidado e atenção o tempo inteiro durante o caminho nessa estrada.

Pra mim, a base de qualquer relacionamento se resume numa frase: não faça com o outro o que você não gostaria que fizessem com você. Parece simples, né? Mas nem sempre nos fazemos as perguntas certas na hora de tomar decisões, nem sempre nos colocamos no lugar do outro . E terminamos machucando o outro lado sem querer, e fazendo coisas que nos machucariam sem fossem feitas com a gente.

E outra coisa que é super importante nos relacionamentos, também se resume numa frase: não espere do outro o que você faz por ele. Claro, afinal, somos todos pessoas diferentes, que nos comportamos diferentes e temos diferentes formas de fazer as coisas. E não é só porque você faz tudo acreditando estar fazendo o melhor para o outro, que ele vai fazer o mesmo por você. E quantas vezes a gente se decepciona por criar uma expectativa baseada no que nós mesmos fazemos e queremos né?

Mas se a gente reparar, o paradoxo dos relacionamentos está justamente na junção dessas duas frases. Você faz com o outro o que gostaria que ele fizesse com você, mas não pode esperar que ele faça por você o que você fez por ele. Complexo, né? Eu acho. E é por isso que é tão difícil manter os relacionamentos sempre bem, felizes e satisfeitos. Porque algo nesse paradoxo foi feita pra dar errado. Aí nos desentendemos com nossos amigos, nossos pais, nossos namorados, nossos chefes, e sempre terminamos caindo no buraco da vitimização. “Porque ele fez isso comigo?!”. Mas já parou pra pensar o quão egoísta e egocêntrico é esse pensamento? As pessoas tomam decisões e fazem escolhas nas suas vidas pensando nelas, pensando no momento. O que faz você pensar que isso foi feito “por você” ou “para você”?

E quando nós conseguimos ter a consciência de todo esse cenário, passamos a entender melhor nós mesmos, os outros e os relacionamentos que se formam. Entendemos que não podemos responsabilizar o outro pelas expectativas que criamos e que não devemos nos colocar no umbigo do mundo e achar que as coisas são feitas pra que a gente sinta ou perceba algo. Parece simples, mas volta e meia esquecemos de algum desses pontos e metemos os pés pelas mãos. Então fica aqui essa reflexão. Vamos pensar mais sobre como agimos dentro dos nossos tantos relacionamentos cotidianos. É um exercício constante e diário. E não vamos desistir de tentar ser cada vez melhores, mesmo que os outros lados não nos acompanhem. Vamos agir com todo o coração, sempre. :)

Ilustração da alemã Catrin Welz-Stein

sobre ir contra, ou além, do esperado

Quando a gente passa por um momento de mudança na nossa vida, ele vira também um momento de reflexão e balanço, né? E se tudo isso for na virada do ano então, aí é que a gente começa a pensar, filosofar, colocar coisas na balança. As vezes esses pensamentos não duram nem até o carnaval, quanto mais virarem de fato resoluções para a nossa vida. Mas refletir sempre vale a pena.

Ontem quando eu vi o IdeaFixa compartilhando uma foto no Facebook e dizendo que essa seria a coisa mais linda que eu veria durante o dia, ao clicar eu tive que concordar. Era essa sequência de fotos que eu curti, compartilhei, enviei por e-mail, mandei para amigos e tudo.into the wildinto the wildinto the wildinto the wildinto the wildinto the wildinto the wildinto the wildinto the wildinto the wildinto the wildinto the wildinto the wildOlhando assim parece um lindo ensaio de uma garotinha européia com bichos selvagens treinados ou algo assim, né. Mas na verdade essa menina linda é a Tippi Degré, filha de um casal de fotógrafos franceses. Ela nasceu e cresceu na África, e não era uma turista de passagem. Os pais dela escolheram essa infância pra ela. Na natureza, com os animais, entre as coisas selvagens, cruas e verdadeiras. Na cultura local de onde ela nasceu.

Sim, essas fotos não são só bonitas. São verdadeiras, intensas e, porque não, intrigantes. Eu não estou aqui para dizer o que é certo ou errado. Mas pra pensar que, poxa, tem gente que faz diferente e isso pode ser lindo. Sinceramente, eu me emocionei com as fotos e sim, tive uma pitada de inveja dessa menininha. Como disse minha amiga Lu Aires, a gente já tem todo o sistema certinho na cabeça, mas tem tanta gente que vive fora dele.

E foi quando eu parei pra pensar e refletir sobre isso. A gente quer tanta coisa mas termina acomodado fazendo o “certo” que é estudar, se formar, trabalhar, ganhar dinheiro, casar, ter filhos. Muitas vezes somos felizes assim. Fazemos o que gostamos, convivemos com pessoas que gostamos. Mas talvez seja uma acomodação que nós gostamos. Se a gente parar pra pensar, acho que sempre queremos viajar mais, fotografar mais, comer mais, andar mais, se exercitar mais, cantar mais, sair mais, dançar mais. Sempre tem alguma coisa a mais que a gente gostaria de fazer e termina passando batido na nossa rotina de acordar, trabalhar, trabalhar, trabalhar, dormir. E a gente se conforma com pequenas fatias de prazer que cabem num happy hour, num sábado ou numa viagem de férias de uns dez dias para um ano inteiro de trabalho.

E toda essa reflexão casou muito bem com um vídeo que meu amigo e chefe Maurício compartilhou, que questiona “e se o dinheiro não existisse”. E vai muito pelo lado de fazer mais o que se gosta e o que dá prazer.

Juntando essas duas reflexões, eu pensei que as vezes pra fazer o que realmente gostamos e queremos, a gente precisa sair um pouco desse sistema que estamos acostumados. Que herdamos de pai e mãe, e do vizinho, e das pessoas ao nosso redor. Porque tem gente indo contra e fazendo além. E sendo muito feliz.

Eu sei que eu vou terminar de escrever esse texto e voltar para a minha rotina diária. Mas com um pequeno espinho na minha cadeira que vai ficar me incomodando e me fazendo pensar “o que eu poderia fazer para ir além e ser mais feliz?”. E eu espero que essa reflexão ajude vocês a buscar a felicidade e, quem sabe, perder o medo de fazer diferente.

Bom fim de semana, gente. :)

uma mousse e uma reflexão

Desde que eu vi o post de Karol Nogueira lá o Universo Feminino sobre mousse de maracujá que eu estou com desejo de comer. Mas esse post não foi feito para trazer a receita, afinal, é mega simples e Karol já deixou bem explicadinho lá no post dela.

Esse post é para lembrar que as vezes tudo que a gente precisa é fazer algo que queremos há tempos, por mais simples que seja, e que vivemos adiando. Adiamos aquela receita de doce por estar de dieta, adiamos a resposta daquele e-mail por estar sem tempo, adiamos uma ligação para a mãe porque pode ficar pra depois. Vivemos adiando as coisas ao bel prazer das nossas desculpas, muitas vezes esfarrapadas.

Mas então um amigo seu te manda um link falando do significado da flor de cerejeira, que um dia você quis tatuar, e você lembra de como os samurais são sábios em tratar todo dia como se fosse a última batalha. E você lembra que até aquela tatuagem que você tanto queria fazer, você está deixando pra depois.

Vivemos deixando para depois um almoço com os amigos, que fica no eterno “vamos marcar”. Deixamos para depois aquela roupa que queremos comprar, deixamos para depois a nossa ida ao médico. Mas nossos amigos podem se mudar pra longe, a promoção pode acabar e a doença pode piorar, e a gente continua deixando para depois. Deixamos para ler aquele livro depois, para ver o filme depois, para ir ao show depois.

Então é quando a gente para pra pensar quais são as prioridades da nossa vida. Essas prioridades que mudam tanto com o tempo. Será que realmente não temos tempo? Será que realmente podemos deixar para depois? Mesmo que você trabalhe mais de 12 horas por dia, mesmo que sua pauta esteja cheia, mesmo que você não esteja conseguindo nem ir ao banheiro direito. Sempre, sempre vai existir um tempo para você não deixar para depois.

Seja uma ligação para a família, uma mensagem para as amigas, um tweet, um post, um like. Seja um e-mail dizendo apenas “estou com saudades, perdão pela ausência”, seja para escrever dizendo que está sem tempo de escrever. A gente não pode deixar a vida para viver depois.

E eu estou escrevendo esse post porque há tempos eu queria fazer, e estava deixando para depois.

Pensem nisso com carinho.