home sobre mim sobre o blog mídia kit

Todos os posts sobre saudade

sobre o papel das pessoas (e dos bichos) na vida da gente


Eu sempre digo que eu acredito muito no papel das pessoas uma na vida das outras, e que nada é por acaso. E o mesmo vale para os bichos. Eu acredito que quando conhecemos uma pessoa, nós temos um papel na vida dela, e ela na nossa. É assim com as amizades, os relacionamentos, os colegas de trabalho, a família. Se a gente parar pra pensar, conseguimos ver que viramos pessoas melhores, ou fomos parte da melhora na vida de alguém, depois de um relacionamento. Aqueles amigos que você conhece e se aproxima muito rápido, ou aquelas pessoas que a vida naturalmente cuida de afastar. Nada disso, na minha cabeça, é por acaso. É parte da nossa missão de vida, sabe? É nisso que eu acredito.

E isso também vale para os bichos. Eu fico pensando o que seria da minha vida sem Chica nesses últimos quase 6 anos. Eu passei por tanta coisa enquanto só ela estava do meu lado, sabe? Momentos tão bons, outros tão difíceis, outros tão decisivos. Ela sempre esteve comigo. Assim como eu também estive com ela quando ela esteve super doente, e quando levei pra brincar na praia. É o meu papel na vida dela, cuidar e retribuir tudo que ela faz por mim, todos os dias.

No dia 10 desse mês, dia do meu aniversário, eu resolvi que me daria um presente. Pra mim e pra Chica também. Eu adotei um gatinho! Fazia muito tempo que eu queria um gato e uma companhia pra Chica, e achei por bem fazer isso por nós agora. Então depois pesquisar onde adotaria, como faria, depois de conversar com uns amigos, decidi que ia resgatar um dos Gatinhos da Beira Rio. Sempre paquerei aqueles gatinhos que ficam ali, expostos a tantas maldades e aperreios. Então fui um dia lá com meu namorado e uma amiga nossa, olhar a ninhada que tinha sido abandonada há poucos dias. E eram todos lindos! É quando eu tenho a certeza de que se eu morasse numa casa, eu seria a velha dos gatos e cachorros. Tenho vontade de colocar todos debaixo do braço e levar pra mim. :)

Um deles era o mais serelepe. Brincando de um lado pro outro, começou a subir na árvore. E subiu, e subiu, e subiu… E pronto. Ficou láááá no alto, miando, sem conseguir descer. Ele era tão pequeno, cabia na minha mão. Pois é, eu não ia sossegar enquanto a gente não conseguisse tirar ele de lá. O que adiantava a gente ter ido pra eu adotar um gato, salvar da rua, se eu ia deixar um lá em cima abandonado sem saber se ele ia conseguir descer? Então Victor (meu herói <3) foi num bar próximo, pegou uma escada, subiu na árvore e me “jogou” o gato. Pronto, depois disso eu tive certeza: é esse! E voltamos com ele pra casa.

E o amor por ele foi instantâneo. Tão lindo, tão pequeno, tão frágil. A relação dele com Chica começou melhor do que eu imaginava.. Ela com medo dele, mas cedendo aos poucos. Ele virado, só queria saber de subir nas coisas, no armário, no cabideiro. Estava lindo de ver. Mas como todo gatinho de rua, eu levei no médico pra ver como ele estava. Como era muito pequeno e estava muito frágil, não ia ser vacinado ainda… Então foi apenas vermífugo e anti-pulgas. E os dias passaram tão rápido. Em uma semana tanta coisa aconteceu.

Um dia eu acordei e ele estava mancando. Deve ter pulado alto de algum lugar no quarto e se machucado. Levei pro médico e ele ficou tomando a dose de 1 gota de remédio. 1 gota! :) Depois disso, eu vi que ele estava diminuindo o ritmo de alimentação… Bebendo pouca água e tudo. Então cheguei um dia e ele estava fraquinho, molinho. Levei no médico e ele estava desidratado. Ficou no soro por algum tempo, a agulha era do tamanho da pata dele. Tomou umas 6 injeções e voltamos pra casa. Eu estava tentando dar água e comida pra ele na seringa, mas ele não estava aceitando muito.. No outro dia eu voltei com ele pro médico pra pegar o resultado dos exames e reavaliar. Ele estava com brônquio-pneumonia e ia ficar internado. E a partir dali eu já comecei a chorar. Tão pequeno, tão frágil, e já passando por isso tudo. Me parecia tão injusto, sabe?

E no outro dia eu acordei às 6h30 com a ligação do hospital, avisando que “senhora, o gato Biu veio a óbito”. Eu acho que demorei pra entender a mensagem. Acordando, sonhando, pesadelo, o que era? Foi uma eternidade pra mim, mas acho que na verdade foi bem rápido. Já levantei da cama já aos prantos. E me dei conta de que eu posso levar uma vida inteira pra me apegar a uma pessoa, pra dizer “eu te amo”, pra chorar de saudade. Mas por um bicho assim, basta um dia, um olhar, que eu já estou totalmente entregue. E chorava feito uma criança. E, invariavelmente, eu pensava: e quando for Chica? E chorava ainda mais.

Então fui no hospital pra ver o que tinha que fazer, e a médica me disse umas palavras que acalmaram um pouco meu coração: você fez tudo que podia e deu a ele uma morte digna. Ele morreu sedado e respirando no oxigênio. Se tivesse na rua, poderia morrer sem respirar e sofrendo. E foi quando eu comecei a pensar no meu papel na vida dele. Foi rápido e intenso. Foi sincero. Foi lindo. Chorei o dia inteiro. Eu já tinha postado fotos e vídeos dele, e sempre que alguém me marcava numa publicação de gato e cachorro, eu começava a chorar de novo. E de novo. Eu não seguro choro, sabe? Não mesmo. Choro sem medo, sem vergonha. Choro e pronto. E foi assim que eu passei um dia inteiro. Imersa nos meus pensamentos e chorando. Mas meu conforto era esse: eu fiz o que podia e o que não podia por ele. Dei a ele todo meu amor, carinho, atenção, casa, comida, cuidado. Então meu coração ficou tranquilo.

Esses dias recebi a notícia de que a irmã dele, da mesma ninhada, tinha sido morta por um viciado em crack lá na Beira Rio. Não conseguiu ser adotada e foi morta esganada por ele. Meu deus, que tipo de gente é essa? E, por mais triste e horroroso que isso tenha sido, foi mais um conforto pra mim, sabe? Eu tirei ele dessa. Então dei o tempo do meu coração se acalmar, ficar mais tranquilo, e comecei a pensar em adotar outro gato. Porque não, né?

Então desde sexta-feira estou com Gato Gil, adotado da casa de uma moça linda, cheia de gatos e de amor pra dar pra eles. Já maiorzinho, mais esperto, mais danado. A relação dele com Chica ainda é difícil, e talvez continue sendo, mas acho que eles serão felizes juntos um dia. E eu tô feliz com eles. E sei que, aconteça o que acontecer, os nossos papéis são cumpridos dia após dia. Um na vida do outro. E, no fim das contas, a lição que eu tomei disso tudo é que jamais podemos nos deixar endurecer. É assim com qualquer relação. Um coração partido tem o seu luto até se abrir ao amor de novo. Uma confiança quebrada tem o seu luto até uma amizade surgir de novo. A tristeza de perder um animalzinho tem o seu luto até se permitir cuidar de outro. E todos são insubstituíveis. Os amores, os amigos e os bichos. Afinal, cada um é um e tem o seu papel. Jamais serão iguais, jamais serão parecidos. Nos resta aprender e não ter medo de amar de novo.

E vamos seguir nossa vida e nossos papéis, porque ainda tem muita gente, e muitos bichos, precisando de nós por aí.

Gato BiuGato Biu

 

Gato Gilgato gil

Adote um animalzinho e veja a mágica acontecer dentro do seu coração.

Boa semana, gente.


sobre relógios internos e aquele tempo só nosso


O tempo é relativo, já dizia Einstein. Mas quando o grande gênio ditou nisso, acho que ele não estava pensando no nosso relógio interno. Sim sim, esse que bate bem aqui no meio do peito, sabe. Esse relógio que tem um tempo só dele. Só nosso.

Ontem eu li uma frase de um amigo que também bota pra fora essas verdades, Ciro Viegas.

hora de amarE esse pensamento me lembrou de uma coisa que eu escrevi há quase dois anos atrás, que também falava desse tempo.ate o ultimo

E tudo isso me deixou pensando sobre esse tal tempo. Quantas vezes nós desistimos por pensar que “é tarde demais”. Ou, pior, abrimos mão por pensar que “é muito cedo”. Que tempo é esse que pauta nossas decisões? Não é o mesmo tempo dos relógio e despertadores. É o tempo que bate conforme a música do nosso coração, e cada um tem o seu ritmo próprio.

É o tempo que vira remédio, quando sabemos que só vai curar quando ele passar. É o tempo que transforma ausência em saudade. É o mesmo tempo que para quando trocamos aquele olhar. Porque nem só de passar vive esse tempo. Ele também é um tempo que congela, que para e que podemos até emoldurar.

O tempo é esse que algumas vezes apenas assistimos, e que em outros tempos vivemos. É aquele suspiro de saudade dos bons tempos que não voltam mais, mesmo quando sabemos que bons tempos também estão por vir. É aquele cheiro, aquele gosto, aquele som que ficou no tempo e virou memória. Inesquecível.

E quando eu parei pra pensar sobre esse tempo, vi que ele tem mais perguntas e respostas do que eu posso pensar. E, no final das contas, a única conclusão que eu consegui chegar é que o nosso tempo, o mais importante, é o agora. Esse minuto. Esse compasso. Porque o tempo que já passou é a certeza que nós temos. O que ainda está por vir são as dúvidas intermináveis. E o agora, querido relógio, é o tempo que merece meu coração inteiro.


agência we e saudade


agencia weagencia weagencia weagencia weagencia weagencia weagencia weagencia weagencia weHoje é um dia pra falar de beleza, saudade e amigos. Beleza começando por essa agência de publicidade linda que fica lá em SP, a We Comunicação. Legal, né? Adorei o ambiente. O projeto é da Mila Strauss Arquitetura, e foi de muito bom gosto. Acho que agência tem que ter uma pegada assim mesmo, descontraída, integrada. Essa sala de criação estilo galpão parece dar uma liberdade tão grande, né? Sei lá, parece que dá para as ideias saírem com mais facilidade hahaha :P Adorei as escadas coloridas <3

E a área de convivência com esse toque mais rústico também ficou linda. Tudo integrado com o ambiente externo, até a grama sintética dentro da agência conversa com o que tem lá fora. Achei muito legal :) Por isso valorizo cada vez mais as agências em casas, e não em empresariais. Essa liberdade pra criar e investir faz toda a diferença no dia a dia das pessoas, tenho certeza :D

E será esse ambiente lindo que vai receber uma pessoa que eu gosto muito <3 Eu já tive muitos amigos que se mudaram pra longe, seja à trabalho, seja pra estudar, seja pela família. Já fui separada de pessoas que eu amo uma série de vezes. E esse pensamento aqui vale pra todos.

A gente sabe que o amor é de verdade quando a gente supera a dor da separação e consegue ficar feliz com o passo que está sendo dado. Quando a gente compartilha o friozinho na barriga como se fosse nosso. Quando a gente toma a frente pra ser firme o suficiente na hora que o outro fraqueja, e questiona, e chora. É, é difícil ser o lado que fica.

O lado que vai tem sua animação, seu mundo novo, suas metas, suas conquistas. O lado que fica sente que falta alguma coisa naquele dia a dia, mas então lembra que aquele pedaço que saiu foi mudar pra melhor, e fica feliz de novo. Eu sempre fui o lado que fica, e não é mais fácil ou mais difícil do que o lado que vai. É apenas diferente. Um lado que precisa ter força pra ser o porto seguro, mas que é mole pra sofrer escondido. Essa história de partir e ficar sempre vai dar uma pontadinha de dor e um banho de felicidade. Porque cada conquista de quem vai a gente comemora junto, mesmo que separado, e pensa que tudo valeu a pena.

E eu tô aqui, pra torcer e consolar meus amigos e amores que foram e os que ainda vão. Porque soltar as amarras é preciso pra gente voar mais alto. É preciso ter força e leveza ao mesmo tempo. E, claro, nada vai ser feito sem mais amor, muito suor e uma pitada de sorte. E é isso que eu desejo, do fundo do meu coração, pra quem vai. Voem e, quando precisarem, voltem. <3


sobre saudade e escolhas


Vai chegando o fim do ano e a gente vai ficando meio pensativo, né? E quando a gente tá fora de casa vai pensando ainda mais coisas. E eu tenho pensado muito sobre saudade.

Eu viajo de férias para matar a saudade do pai, do irmão, dos primos, da família. Mas é só sair de casa pra outra saudade começar. Saudade da casa, da filha, do amor, da mãe. Foi só sair de férias que eu fiquei com saudade dos amigos do trabalho, das amigas que não encontrei pra confraternizar. Fico até com saudade da academia, do blog, do meu carro. Será que eu sou meio a louca da saudade?

Mas se a gente parar pra pensar, a saudade é um pouco questão de escolha. Claro que isso não inclui a saudade de quem já não pode mais estar perto da gente, mas geralmente é assim. A gente escolhe viajar, escolhe a cidade que vai morar, escolhe o tempo que vai passar fora, escolhe se vai ou se fica. Mesmo que as vezes a gente não tenha muitas opções e a saudade seja uma consequência, nós fazemos escolhas diariamente e nossa vida inteira é fruto delas. Logo, a saudade também.

E acho que encarar a saudade como uma escolha me fez sofrer um pouco menos, afinal, é meio que “tô sentindo porque eu quero”. Não sei se isso funciona com mais gente além de mim, que sou meio que perturbada com a saudade desde sempre, já que sou fruto de uma familia que mora muito longe. Mas se funcionar, eu deixaria essa reflexão para o final do ano. Ver as escolhas que serão feitas, a saudade que será fruto delas e tocar a vida pra frente sendo mais feliz. Mais leve.

Porque saudade é uma coisa que pesa no coração da gente, mas que não pode atrapalhar nossa caminhada.

Então que o fim do ano seja leve, feliz, de boas escolhas e menos saudade pra doer. :)



© 2017 - ideias de fim de semana